13
Out 15
publicado por Alexandre Burmester, às 15:22link do post | comentar

Hillary_Clinton_2016.jpg

 

 

Se "uma semana é muito tempo em política", como um dia afirmou o Primeiro-Ministro britânico dos anos '60/'70 Harold Wilson, sete meses, então, são uma eternidade. Vem isto a propósito das mudanças sísmicas ocorridas em ambos os campos eleitorais americanos desde que, em Fevereiro, aqui escrevi acerca das possibilidades de Scott Walker e da inevitabilidade de Hillary Clinton.

 

Deixarei o campo republicano para outra ocasião, e concentrar-me-ei no campo democrático, pois hoje tem lugar o primeiro debate entre democratas. O reduzido número desses debates em relação ao que tem sido normal tem, aliás, provocado murmúrios - e, por vezes, mais que murmúrios - de alguns dos candidatos, que acham que o Democratic National Committee estará  a proteger Hillary Clinton.

 

Basicamente, houve duas grandes alterações no campo democrático desde Fevereiro: o rebentar do caso do e-mail e servidor privados que Hillary Clinton, ao arrepio das normas em vigor, utilizou enquanto Secretária de Estado, e que tem dado origem a um lento "pinga-pinga" de revelações negativas, a pontos de uma maioria dos inquiridos em sondagens não considerarem a candidata pessoa digna de confiança, e a entrada em campo e posterior ascenção do auto-intitulado socialista, o Senador Bernie Sanders do Vermont. Clinton ainda lidera confortavelmente (mas com uma margem bem menor que há seis meses, quando rebentou o caso dos e-mails) as sondagens nacionais entre os democratas, mas, por exemplo, no crucial estado de New Hampshire, onde se realiza a primeira primária propriamente dita, Sanders lidera actualmente com uma margem de nove pontos. Estes problemas de Clinton terão sido a principal causa de o Vice-Presidente Joe Biden estar, também ele, a  considerar entrar na corrida, algo que os "clintonistas" quererão evitar a todo o custo.

 

Além de Clinton e Sanders, os candidatos democráticos são o ex-Governador do Maryland Martin O'Malley, o antigo Senador pela Virgínia Jim Webb, e o antigo Senador republicano e Governador de Rhode Island Lincoln Chafee, que aderiu ao Partido Democrático em 2013.

 

Que esperar do debate de hoje? Claramente incomodada pelos progressos do Senador Sanders, Clinton tem-se posicionado mais à esquerda que o seu habitual. Passou, inclusivamente, a opôr-se ao acordo comercial conhecido por Trans-Pacific Partnership, o qual envolve os EUA e uma séria de nações da zona do Pacífico, em cuja elaboração teve um papel importante como Secretária de Estado e que, segundo os media apoiou um total de 45 vezes(!). Decerto que Sanders e os outros candidatos não deixarão passar em claro este aparente oportunismo de Clinton.

 

Será também interessante ver-se até que ponto os seus rivais a atacarão por causa do caso dos e-mails (pelo qual a candidata, apesar de uma investigação em curso por parte do FBI, culpa basicamente os republicanos, algo em que decerto nem ela acredita) ou se a  deixarão tranquila nessa matéria. Seja como for, quem decerto não ficará silencioso perante o caso será o seu rival republicano em 2016, na hipótese, ainda, apesar de tudo, verosímil, de ela vir a ser o porta-estandarte democrático.

 

Sintonizemos então a CNN em Las Vegas esta noite.

 

 

 

 

 

 

 


arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog