04
Nov 10
publicado por Nuno Gouveia, às 14:42link do post | comentar

Criou-se no imaginário dos media, americanos e europeus, que Sarah Palin é uma força imparável do Partido Republicano. Mas será que é mesmo assim? Será que Palin caminha a passos largos para ser a candidata republicana em 2012? Ou será apenas mais um dos muitos líderes que o Partido Republicano teve no passado, com um apelo muito forte a certas camadas da sociedade, mas sem conseguir penetrar na maior parte do eleitorado? Eu inclino-me fortemente para a segunda hipótese. Repare-se na prestação dos candidatos que ela apoio nestas eleições.

 

Segundo o Politico, para a Câmara dos Representantes, Palin apoiou 60 candidatos, mas apenas 15 desses venceram. No Senado o resultado é ainda pior, pelo mediatismo de algumas destas eleições. A começar pelo seu estado, onde o candidato que ela “criou”, Joe Miller, terá sido derrotado por Lisa Murkoswki, a actual senadora republicana. Se confirmar-se este resultado, terá sido uma derrota humilhante para Palin. As outras derrotas mais severas vieram de Sharron Angle e Christine O`Donnell, duas desconhecidas que venceram as nomeações depois de terem sido apoiadas por Palin. Estas estão na sua conta pessoal de derrotas.

 

Não tenho dúvidas que se Sarah Palin se candidatar, o circo mediático vai instalar-se em redor da sua candidatura. Atrai multidões, dá audiências às televisões e vende muitos jornais e revistas. Mas este espectáculo não lhe garantirá a nomeação. Uma straw poll realizada num evento do tea party na Virgínia, ou seja, dentro de um grupo de 2 mil activistas que supostamente a apoiariam facilmente, ela quedou-se no quarto lugar, atrás de republicanos como Chris Cristie e Mike Pence. O entusiasmo que ela gera não se transformará automaticamente em apoio eleitoral numas primárias republicanas.


Acha mesmo, Nuno, que o Politico é uma fonte fidedigna de informações sobre Sarah Palin, em especial desde aquela «hit piece» sobre os (anónimos) republicanos que alegadamente a querem parar a todo o custo?

Pois eu tenho outros números... e, não, não são da Fox, são da CBS. Que dizem que ela apoiou, para representantes, 43, tendo 30 vencido (e falta saber o resultado de outros nove); para senadores apoiou 12, tendo sete vencido. E há ainda que ponderar os governadores, de cujos números neste momento não disponho.

«Mito Sarah Palin»? Não seria mais correcto (continuar a) falar do «mito Barack Obama»?
Octávio dos Santos a 4 de Novembro de 2010 às 17:51

Octávio,
É evidente para mim que a notícia do Politico era correcta. Não percebo qual o espanto de uma noticia com recurso a fontes anónimas. É o dia a dia da vida do jornalismo. Devido ao grande apoio que Palin tem numa camada do eleitorado republicano, ninguém a quer afrontar publicamente. Pelo menos por enquanto. O único que o tem feito é Karl Rove.

A máquina republicana, e quem pensa analisa as sondagens sobre Palin, e mais do que isso, observa a sua inconsistência política, percebe que ela não tem as qualidades necessárias para ser Presidente. Mais, a maioria dos americanos, também pensa isso (cerca de 70 por cento).

Se por acaso ela fosse a nomeada, acredito que mesmo com a taxa de desemprego nos 15 por cento que Obama ganharia na mesma, ainda com mais vantagem do que em 2008.

Que «inconsistência política», Nuno? Que «qualidades necessárias para ser presidente» são essas que ela não tem? Vá lá, concretize.

Uma política sem experiência, que nem acabou o mandato para o qual foi eleita, num dos estados menos populosos da União. Acha que alguém que desiste do cargo para que foi eleita sem uma razão plausível - eu acho que foi apenas para ganhar dinheiro - serve para Presidente? Acha que alguém que não consegue articular uma ideia fora dos talking points que lhe dizem para dizer pode ser Presidente? Alguém sem um pensamento politico estruturado, que tanto passa por uma neoconservadora e libertária na mesma entrevista. Eu já lhe ouvi muitas entrevistas na televisão e lamentaria se os EUA tivessem alguém como Palin na Casa Branca. E depois há a questão do apelo eleitoral. Alguma vez Palin ganharia eleições em swing states como no New Hampshire, Pennsylvania, Ohio, Michigan, Wisconsin ou New Mexico, por exemplo? Olhe-se para o aconteceu a Buck, Angle e Miller, já para não falar na Cristinne O´Donnel.

Eu gosto muito dos Estados Unidos e acho que o cargo de Presidente merece ser ocupado por alguém com uma inegável estatura moral, intelectual e politica. No passado, quando tal não sucedeu, o país sofreu imenso. O GOP tem muitos bons candidatos e de diversos quadrantes do partido. Para mim, Palin não é uma dessas.

E como gosto de dar o exemplo do que pensa o povo americano, que nestas coisas são os únicos que interessam, eles parecem concordar comigo.

É incrível que, ao fim de todo este tempo, eu ainda tenha que dar estes esclarecimentos, mas pronto, aí vai…

«Uma política sem experiência»? Tinha muito mais experiência (executiva, que é o que interessa) do que Barack Obama quando este foi eleito presidente.

«Desiste do cargo para que foi eleita sem uma razão plausível»? Não soube dos sucessivos processos legais que, após as presidenciais, os democratas começaram a lançar sobre ela (todos por motivos frívolos, e praticamente todos posteriormente arquivados) mas que estavam a custar ao Estado do Alaska elevadas somas em despesas jurídicas? Aqui ela «jogou a favor da equipa» (a sua terra) mesmo sabendo que isso lhe poderia ser – como foi – apontado como «desistência».

Quem é que lhe dá os «talking points» para ela ler, Nuno? Essa para mim é nova! E então que me diz de Obama, que leva o teleponto e discursos (de certeza) escritos por outros para todo o lado?

E tem a certeza que quer que eu comece a falar da (suposta) «estatura moral, intelectual e política» de Obama? Alguém que chama de «inimigos» aos adversários políticos e promove a divisão entre etnias? Alguém que se curva perante o Rei da Arábia Saudita, o Imperador do Japão e o Presidente da China? Alguém que disse que já tinha visitado «57 Estados» dos EUA? Alguém que pensa que há uma língua «austríaca»? E isto são só alguns, poucos, exemplos…

Não há dúvida: você não costuma ler o Obamatório tanto quanto devia. Aliás, deve ser por isso que nunca deixou lá um comentário sequer… ;-)

Contudo, continuo a contar consigo para meter algum juízo na cabeça do Henrique Raposo. Aqueles «posts» dele sobre política americana em geral e o Obama em particular estão cada vez mais bizarros…

Octávio,

Sim, costumo ler o seu blogue ;)

Experiência executiva. John McCain teria sido eleito sem nunca ter tido experiência executiva. Isso quer dizer que Palin era mais qualificada do que ele? Não me parece. E espero que esteja apenas a falar dos dois anos antes de 2008 em que ela tinha sido governadora do Alaska, e não do tempo em que foi Mayor de uma cidade com 10 mil habitantes. Ser POTUS é um bocado diferente. Obama tinha de facto pouca experiência, alguns anos na legislatura estadual do Illinois, e 4 anos como Senador. Mas isso não o impediu de vencer, tal como, imagino, outros potenciais candidatos republicanos. Estejamos atentos.

Essa foi a desculpa que Palin deu para desistir do cargo de governadora. Se fosse assim, então Bill Clinton deveria ter-se demitido, bem como muitos outros políticos que já sofreram processos de perseguição. Um líder não desiste por causa da oposição que lhe é movida.

Por fim considero que Obama teve uma primeira parte do mandato sofrível. Mas ainda faltam dois anos para terminar o mandato, e aí poderemos fazer uma avaliação mais concreta. Falando em gaffes, Obama também as cometeu. Como qualquer político americano. Faz parte do jogo. Mas não vamos começar a falar de Sarah Palin e do seu amplo conhecimento do mundo e das relações internacionais, além das suas gaffes.

Acha que Palin não tem conselheiros? É verdade que ela não tem uma vasta equipa a trabalhar com ela, mas tem algumas pessoas.

Lá vamos nós outra vez, Nuno... Quais «gaffes»? A de que «consigo ver a Rússia da minha casa»? Sabe que isso foi dito pela Tina Fey, não sabe?

E quanto à «perseguição» movida a Bill Clinton... refere-se às - mais que comprovadas - acusações de infidelidade conjugal, antes e depois de ele se tornar presidente? Concordará que não é bem a mesma coisa...

E John McCain... é pessoa de «outro campeonato». Quase 30 mais velho do que Palin e Obama, muitos anos no congresso, muitos anos como militar - em que comandou, em que teve (outro tipo de) experiência executiva... Acredito que teria sido um presidente notável. Muito melhor do que aquele que lá está.

E diz você, Nuno, que o povo americano concorda consigo... mas os resultados de terça-feira parecem indicar que a maioria não pensa que Obama teve uma primeira parte de mandato «sofrível» (isto é, suficiente). Talvez a «classificação» mais apropriada seja «medíocre».


Ainda hoje a Rasmussen tem uma sondagem entre prováveis votantes nas primárias republicanas que ilustra o que dizes, Nuno: Romney 20%, Huckabee e Palin 19%.


http://www.rasmussenreports.com/public_content/politics/general_politics/november_2010/gop_voters_like_three_candidates_best_for_2012
Alexandre Burmester a 4 de Novembro de 2010 às 19:42

De facto, Alexandre, 1% é uma «enorme» diferença... ;-)

Se a candidata republicana for a cabeça de vento da Palin então o Obama terá a re-eleição praticamente garantida. Ela é muito popular na extrema direita americana e no rednecks do Bible belt, mas no centro e independentes a sua aprovação é muito baixa, ela seria esmagada em quase todos os estados.
HCarvalho a 5 de Novembro de 2010 às 16:06

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog