03
Ago 10
publicado por José Gomes André, às 22:08link do post | comentar

Os primeiros dezoito meses de Obama na Casa Branca, as perspectivas futuras do Presidente, o futuro eleitoral nos EUA e a política norte-americana em geral foram o tema de uma entrevista publicada há dias n"A Bola" (secção Outros Mundos), onde tive o prazer de responder a algumas questões de Germano Almeida (a quem gostaria de agradecer). Podem ler a entrevista completa aqui, mas deixo no blog alguns excertos:

 

"De um modo geral, Obama tem sido um Presidente reformista e corajoso, cumprindo a esmagadora maioria das suas propostas. No plano interno, obteve uma vitória histórica com a reforma da saúde, orquestrou uma importante reforma do sistema financeiro e fomentou alterações relevantes em áreas como o ambiente ou a educação. Também na política internacional julgo que tem seguido a abordagem correcta, promovendo uma aproximação política e económica com as denominadas potências emergentes (Rússia, China, Índia), isolando o Irão e procurando gerar diálogos com o “Islão moderado”. Em todo o caso, a sua Presidência fica também marcada pela sua incapacidade para superar a grave crise económica (e social) dos Estados Unidos, tema que, pela sua importância e carácter mediático, impede que se trace, até agora, um balanço claramente positivo do seu mandato.

"Se eleições fossem hoje, Obama corria mesmo o risco de não ser reeleito? Aparentemente, sim. A fragilidade da economia e os números do desemprego produziriam certamente muitos votos de protesto. E a base democrata não tem obviamente a mesma motivação de há dois anos atrás, pelo que Obama teria certamente dificuldades. Todavia, o Partido Republicano não tem neste momento um candidato forte capaz de discutir a eleição presidencial, estando demasiado dependente de nomes promissores, mas demasiado inexperientes (Sarah Palin, Bobby Jindal), ou consolidados, mas pouco entusiasmantes (Mitt Romney, Newt Gingrich). Nestes termos, Obama seria favorito – como julgo que acontecerá daqui a dois anos."


"[sobre a impopularidade de Obama] Em primeiro lugar, é importante contextualizar a vitória de 2008, que vem na sequência de uma Presidência falhada (de George W. Bush) e de um cansaço generalizado do eleitorado relativamente ao Partido Republicano. Por outro lado, dadas as colossais expectativas que envolviam a candidatura de Obama, é natural que o eleitorado sinta alguma desilusão ao fazer um balanço da sua Presidência. O problema não é tanto os erros ou incapacidades de Obama, mas o facto de se ter previamente difundido a ideia de que a sua chegada ao poder seria suficiente para corrigir radicalmente as injustiças e os problemas sociais e económicos."

"[ideologia de Obama] Contrariamente a mistificações que se difundiram sobretudo na internet e nos famosos programas de rádio americanos, Obama é acima de tudo um moderado. Nalgumas questões podemos encontrar no seu programa político maiores concessões à esquerda (temas de ambiente, política de saúde), mas existem desde logo “nuances” que tornam essa definição difícil (é o caso das questões ditas “sociais”, onde Obama não é de todo um “liberal” à americana – defende a pena de morte, por exemplo). Tal é particularmente visível em relação à política externa, onde Obama combina um internacionalismo de matriz claramente de Esquerda (na linha de JFK), com uma retórica nacionalista (habitualmente associada a outros quadrantes)."

"Se a economia demonstrar uma recuperação sólida (atenção aos números do desemprego, uma questão fulcral para a opinião pública americana), julgo que Obama não necessitará de jogar nenhum trunfo, bastando-lhe apresentar-se como um dos responsáveis dessa recuperação (ainda que a mesma não dependa totalmente dele, como é evidente). Se, ao invés, a economia não descolar, a alternativa é insistir numa agenda reformista em vários domínios (ambiente, imigração, energia) – como de certa forma tem sido feito – para atenuar a percepção negativa do “estado da nação” no campo económico e mostrar uma imagem de político resiliente em tempos difíceis. O que poderá ser suficiente para lhe garantir a reeleição."

Barack Obama é um presidente «reformista e corajoso» e com uma «abordagem correcta» na política internacional?! Sarah Palin e Bobby Jindal são «demasiado inexperientes»?! George W. Bush teve uma «presidência falhada»?! Eu diria, caro José, que a prioridade dada a estudos - meritórios, sem dúvida - sobre a formação dos EUA há mais de 200 anos fez com que você não esteja bem por dentro da realidade contemporânea do país. Deve ser também por isso que o Nuno Gouveia tem aguentado praticamente sozinho este blog nos últimos tempos. ;-)
Octávio dos Santos a 13 de Agosto de 2010 às 16:17

Meu caro, nem todos podemos ser anti-obamistas militantes como o Octávio! Tenho uma leitura diferente e justifico porquê. Concordaremos em discordar, suponho...

E fez bem em sublinhar o bom trabalho do Nuno, dado a minha vergonhosa ausência. Prometo tentar escrever mais vezes no futuro! :) Abraço!

Pode não ser para si, mas para mim chamar-me «anti-obamista militante» é uma desconsideração (para não utilizar uma palavra mais forte). Reitero-o: no Obamatório divulgo as informações e as opiniões que não são dadas, ou que são distorcidas, em órgãos de comunicação social portugueses (e até em blogs...); transmito factos incontestáveis e deles retiro ilacções inevitáveis. Dizer a verdade é ser «anti qualquer coisa militante»?

As «reformas corajosas» de Barack Obama, como a do sistema de saúde, são reprovadas pela maioria dos americanos; a sua «abordagem correcta» na política internacional tem-se traduzido também no desrespeito para com aliados tradicionais como o Reino Unido e Israel, e na «macieza» para com ditaduras como a cubana e a iraniana. O José tem, de facto, uma leitura diferente mas não justifica: porque Palin e Jindal são «inexperientes» - o que não é verdade, pois ambos eram (e são) muito mais experientes do que Obama quando este tomou posse como presidente; porque a presidência de George W. Bush foi «falhada» - eu demonstro precisamente o contrário, em artigo publicado no Diário Digital em 20 de Janeiro de 2009, e que constitui igualmente o tema da primeira entrada no Obamatório.

Concordar em discordar, sem dúvida... mas com exemplos comprováveis.

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog