26
Jul 10
publicado por Nuno Gouveia, às 15:55link do post | comentar

Hoje vários jornais publicaram informações retiradas de documentos secretos sobre a guerra do Afeganistão, que têm origem no site Wikileaks (que está offline). Este site é mantido por voluntários e destina-se a publicar provas que são fornecidas por fontes anónimas de actividades do governo. Tornou-se mundialmente famoso depois de colocar online um vídeo onde era mostrado um ataque de forças americanas no Iraque, no qual morreram dois jornalistas da Reuters. Tenho algumas dúvidas da legitimidade da publicação de algumas das informações, pois, além de poderem colocar em risco os militares no terreno, podem causar problemas à condução da(s) guerra(s). Mas elas aí estão, e o governo americano não tem legitimidade (e ainda bem) para impedir a sua publicação. São uma nova realidade que têm de enfrentar. A solução passa por "perseguir " e prender quem comete os crimes de divulgar as informações secretas.

 

Adenda:  o comentário de Mark Halperin


Bom dia,

O Era uma vez na América está novamente em destaque nos Blogs do SAPO, em http://blogs.sapo.pt

Boa continuação!

Pedro
Pedro Neves a 29 de Julho de 2010 às 11:36

Obrigado pelo destaque.

Um abraço
Nuno Gouveia a 29 de Julho de 2010 às 20:32

Partilho o seguinte link

The WikiLeaks Paradox: Is radical transparency compatible with total anonymity?

http://www.slate.com/id/2262066/?from=rss
jfd a 29 de Julho de 2010 às 16:43

Obrigado :)

Abraço
Nuno Gouveia a 29 de Julho de 2010 às 20:32

Deixo aqui também este sobre o Huffington Post:

http://www.newsweek.com/2010/07/25/arianna-s-answer.html

Nuno Gouveia a 30 de Julho de 2010 às 01:16

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog