22
Jul 10
publicado por Nuno Gouveia, às 23:18link do post

 

Nos Estados Unidos têm surgido nos últimos anos grandes inovações na Internet que revolucionaram a política e o activismo político. O melhor e mais conhecido exemplo é o Huffington Post, que se transformou num baluarte da esquerda americana na Internet. Mas a revolução não pára e esta semana, dois sites conservadores, deram um novo passo rumo ao futuro da Internet e do activismo político. Apesar de nem sempre pelas melhores razões, é um sinal que o poder político tem de aprender a lidar com este novo fenómeno.


Começo pelo caso que considero negativo. Um site conservador, bastante popular nos Estados Unidos, o BigGovernment.com, de Andrew Breitbart, publicou no seu site um vídeo, onde uma funcionária do Departamento de Agricultura tecia considerações racistas sobre agricultores brancos.  O Secretário da Agricultura, Tom Vilsak, com receio de levar com uma catadupa de criticas nos media, especialmente nos programas de comentário da Fox News, demitiu a funcionária imediatamente. Mas as declarações tinham sido retiradas do contexto em que foram proferidas. Ninguém se deu ao trabalho de investigar e se de facto a funcionária tinha falado em termos racistas. A começar pela Administração, que demitiu a senhora sem querer saber da verdade. E também do administrador do site, que se desculpou dizendo que tinha recebido as declarações como as publicou. Mas isto demonstra o receio que os governantes americanos têm deste tipo de sites, que não são propriamente meios jornalísticos, mas têm capacidade de investigação própria, capazes de morder os calcanhares ao poder politico.


A outra história surgiu também de um site conservador, de Tucker Carlson, o The Daily Caller. Um grupo de jornalistas, activistas e professores universitários de esquerda manteve ao longo de vários anos uma mailing list, a Journalist, onde teciam considerações sobre a vida política americana. O problema desta lista é que participavam jornalistas de órgãos como a Time, The Economist, Washington Post ou Newsweek. E foram publicadas diversas opiniões que envergonham a profissão de jornalista. Por exemplo, quando Sarah Palin foi escolhida por John McCain, alguns dos jornalistas discutiam formas de a criticar publicamente, acertando uma estratégia deliberada para a “abater” na praça pública. Outras das conversas publicadas visavam afastar os holofotes dos media da polémica que afectou a campanha de Barack Obama por causa do Reverendo Jeremiah Wright. Se fossem apenas activistas e professores universitários a empreender tal estratégia, mal nenhum haveria. Mas o problema é que surgiram jornalistas no meio da conversa, que cobriam a campanha presidencial. Presumo que esta confusão não irá terminar tão cedo.


Estes dois exemplos recentes demonstram uma coisa, que há vários anos é uma realidade, mas que tem vindo a ganhar novos contornos: a investigação jornalística já não depende apenas dos media tradicionais. E a investigação da oposição está a passar dos políticos directamente para este tipo de sites. Sendo que estes últimos são mais eficazes, pois ao lançarem este tipo de histórias mexem imediatamente com o poder político, tendo uma grande ressonância na opinião pública.

tags:

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds