30
Nov 11
publicado por Alexandre Burmester, às 23:39link do post

Quer Herman Cain abandone ou não a corrida, é claro que a sua candidatura morreu. Assim sendo, a pergunta a colocar é: quem vai beneficiar da implosão dessa candidatura?

 

Tendo Cain concentrado as suas esperanças num bom resultado no Iowa, a mim parece-me claro que Newt Gingrich tenderá a ser o maior beneficiado pela actual situação da candidatura de Cain. Outros, como Michelle Bachmann, Rick Perry e Ron Paul, poderão apanhar algumas migalhas mas, neste contexto, uma vitória de Gingrich nos caucuses do Iowa (a 3 de Janeiro) parece-me cada vez mais provável.

 

Outra consequência destes factos é o cerco em torno de Mitt Romney. A candidatura de Gingrich parece estar a solidificar-se cada vez mais e daí o próprio Romney, num contra-ataque, já ter declarado que o antigo Speaker da Câmara dos Representantes não conseguirá derrotar Obama. Se conseguirá ou não, caso seja o nomeado, é mera questão especulativa, mas que Romney sinta necessidade de dizê-lo é simbólico da insegurança que está a afectar a sua campanha.

 

O Presidente Obama provavelmente preferiria ter de enfrentar Gingrich - uma personalidade errática e pouco disciplinada - que o austero e previsível Romney. Mas Gingrich é um homem de ampla cultura e conhecimentos e óptimo a debater. E, com os números da economia tal como se encontram, um candidato republicano bem preparado tem uma boa hipótese em Novembro do próximo ano. Até porque, no que diz respeito à economia, os americanos confiam mais no G.O.P. que no partido que tem como símbolo o burro.


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds