24
Nov 11
publicado por José Gomes André, às 00:47link do post

As Primárias Presidenciais tendem a ser naturalmente voláteis, devido à especificidade do eleitorado, ao desconhecimento de muitos candidatos e à peculiar dinâmica da campanha. A comunicação social, sempre em busca de histórias picantes e disputas acesas, alimenta essa volatilidade, endeusando e enterrando candidatos enquanto o Diabo esfrega o olho.

 

Este cenário é propício ao surgimento de candidatos bizarros, entusiasmando os media, que os vendem como casos de ascensão meteórica. A corrida Republicana é disto exemplo, com Michelle Bachmann, Rick Perry e Herman Cain a ocuparem sucessivamente o estatuto de favoritos instantâneos, para logo caírem em desgraça.

 

O que resta depois de todo este folclore? Habitualmente, os melhores candidatos. Aqueles que resistem à espuma dos dias, que passam pelo crivo do tempo e do escrutínio público (os debates são, a este respeito, indispensáveis). Eis a razão pela qual defendo as "Primárias", apesar do circo que lhes está associado.

 

No caso concreto do Partido Republicano, depois do fanatismo desbragado de Bachmann, da impreparação de Perry e do populismo trauliteiro de Cain, sobram os dois candidatos mais preparados e mais sólidos: Mitt Romney e Newt Gingrich. Diferentes no estilo e nas propostas (Gingrich parece-me mais conservador que Romney), mas dando ambos garantias de qualidade política e capacidade eleitoral. God Save the Primaries.


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds