19
Nov 11
publicado por Alexandre Burmester, às 13:52link do post | comentar

 

 

E, de repente, Newt Gingrich, Speaker da Câmara dos Representantes entre 1995 e 1999, e principal autor da conquista republicana das duas câmaras do Congresso nas mid-terms de 1994, quebrando uma hegemomia democrática de 40 anos, deu um salto nas sondagens e surge agora como o grande rival de Mitt Romney para a nomeação republicana (uma recente sondagem da Fox News chega a dá-lo 1 ponto à frente do antigo Governador do Massachusetts, e na média do Real Clear Politics está virtualmente empatado, liderando agora a média de sondagens relativa aos caucuses do Iowa).

 

Esta tão súbita quanto, talvez, inesperada subida de Gingrich segue-se à abrupta descida de Herman Cain, cuja ascenção já se seguira à queda de Rick Perry, tal como a subida deste tinha feito desvanecerem-se as hipóteses de Michele Bachmann. Esta dança de cadeiras dá-se entre alguns dos candidatos mais conservadores  do G.O.P., mantendo-se Romney como o"alvo a abater".

 

Claro que, perante este cenário, logo se coloca a inevitável questão: será Gingrich elegível? O antigo Speaker tem reputação de figura "divisiva", datando do seu tempo naquele lugar e das suas confrontações com o então Presidente Clinton. Além disso, os seus três casamentos - nem sempre em circunstâncias, digamos, muito dignas - são matéria potencialmente negativa na campanha. Mas também é verdade que negociou com sucesso com Clinton uma reforma da Segurança Social e o primeiro orçamento equilibrado desde 1969, o que lhe confere uma certa aura de político capaz de ultrapassar as divisões partidárias e fazer alguma coisa de concreto. Para o consultor político republicano Dick Morris, Gingrich é elegível (mas Morris, para além de ser um arguto analista, tem também a sua "agenda); já outro comentador conservador, Charles Krauthammer, prefere dizer: "Romney não é um conservador, mas eu quero ganhar".

 

Os números de Gingrich terão decerto ainda altos e baixos, mas estamos apenas a mês e meio do início do "combate" e quer-me parecer que ele veio para ficar, ou seja, que será um contendor importante nas primárias republicanas.


arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog