25
Jan 11
publicado por Nuno Gouveia, às 16:55link do post | comentar

O cerimonial do discurso do Estado da União é também composto por uma resposta oficial do partido da oposição. Mas depois do discurso presidencial, a resposta da oposição perde sempre na comparação. Nos últimos anos, as respostas têm sido muito fracas, e até prejudiciais para os seus protagonistas. Bobby Jindal, governador republicano da Louisiana, no primeiro discurso de Obama, teve uma resposta tão fraca que o seu nome desapareceu dos radares durante uns meses. Ano passado o nível melhorou, com o governador Bob McDonnell, da Virgínia, que discursou directamente da sala legislativa estadual. Mas, ninguém se lembrará propriamente do que ele disse. Este ano a escolha do GOP recaiu novamente numa estrela em ascensão (existem rumores que o governador de New Jersey, Chris Cristie, recusou a "honra"), o congressista Paul Ryan do Wisconsin. Um político brilhante que tem vindo a subir na escola de valores republicanos devido às suas intervenções sobretudo económicas. Mas o tea party, que tem vindo a reclamar um lugar na mesa dos grandes, preparou também uma resposta em directo, através de Michele Bachmann, congressista do Minnesota e uma das vozes do tea party em Washington. Consta-se que estará a pensar em candidatar-se se Sarah Palin ficar no Alaska pela ala tea party. Uma espécie de Sarah Palin sem o seu star power.


arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog