06
Abr 16
publicado por Alexandre Burmester, às 17:30link do post | comentar

Cruz.jpg

 

As primárias de ontem no Wisconsin terão, pelo menos num aspecto, sido decisivas: é cada vez mais difícil Donald Trump obter a maioria dos delegados até ao final das primárias republicanas, a 7 de Junho, na Califórnia.

 

Até há cerca de um mês, Trump era o favorito para vencer este estado mas, entretanto, uma série de episódios degradantes para a sua imagem e, a meu ver principalmente, a saída de Marco Rubio da corrida, alteraram as coisas. No final, Ted Cruz obteve uma vitória sólida (48% contra 35% de Trump e 14% de John Kasich) e conquistou 36 dos 42 delegados do estado. 

 

Dado que a obtenção de uma maioria de delegados por Trump será sempre uma tarefa árdua, o facto de aqui ter ficado aquém do até há pouco previsível (o site de análise e estatística fivethirtyeight , por exemplo, chegou a atribuir-lhe 25 delegados) só poderá ter complicado essa tarefa. Acresce a isso a excelente e minuciosa operação no terreno da campanha de Ted Cruz, que vem "trabalhando" os delegados de Trump, com vista a obter o seu apoio a partir do segundo escrutínio da Convenção de Cleveland (e, muitos deles, diga-se, não se farão rogados em desertarem o campo do magnata de Nova Iorque, ao qual só estão ligados no primeiro escrutínio por obrigação regulamentar).

 

A vitória de Ted Cruz não foi apenas significativa pelo momento e pela margem, mas também pelo domínio do senador pelo Texas em várias faixas demográficas onde normalmente não tem ganho. Isto poderá significar uma de duas coisas: ou que o eleitorado republicano anti-Trump está a convergir em Cruz, ou que está a votar tacticamente, podendo noutras corridas tidas como mais propícias a John Kasich mudar o seu voto para o Governador do Ohio. Inclino-me mais para a primeira hipótese.

 

Segue-se, no dia 19, o estado de Nova Iorque, terreno favorável a Donald Trump, mas onde os delegados são atribuídos, grosso modo, proporcionalmente, o que poderá permitir a Cruz e Kasich limitarem os desgastes de uma previsível vitória do novaiorquino.

 

No campo democrático, mais uma vitória - a sétima nas últimas oito eleições - para Bernie Sanders. O seu contínuo bom desempenho já fez também alterar a perspectiva dos seus apoiantes. O director de campanha, Jeff Weaver, declarou hoje que, "super-delegados" à parte, nem Sanders nem Hillary Clinton chegarão a Filadélfia, local da respectiva convenção, com a maioria dos delegados e que "os super-delegados não contam até votarem e só votam quando chegarem à convenção. Portanto, será uma convenção aberta".  

 

Um ano muito especial, portanto, este ano presidencial de 2016.


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog