25
Abr 12
publicado por Nuno Gouveia, às 20:47link do post | comentar

 

Já não se percebia muito bem porque razão Newt Gingrich se mantinha na corrida. Há muito que se sabe que Mitt Romney é o presumível nomeado e nas últimas semanas todos os republicanos influentes na hierarquia do partido tinham declarado apoio a Romney - Eric Cantor, John Boehner e Mitch Mcconnell. Mas Newt Gingrich, numa estranha obsessão (consta-se que tentou negociar com Romney auxilio para pagar dívidas de campanha), preferiu prosseguir na fantasia que iria até Tampa. Hoje finalmente deu sinais que está pronto para desistir, e segundo informações recolhidas junto de pessoas próximas dele, irá anunciar a desistência na próxima segunda-feira. Com estas movimentações, Romney conseguirá unir o partido ainda durante o Verão, tendo tempo para prepara-se para a luta de Novembro. 


14
Mar 12
publicado por Nuno Gouveia, às 09:51link do post | comentar | ver comentários (8)

(Eric Gay/AP)


Grande noite para Rick Santorum. Porque venceu no Alabama e Mississippi, porque ultrapassou em larga medida as expectativas, porque Newt Gingrich não ganhou nenhum estado e está perto do colapso e porque Mitt Romney ficou em terceiro em ambos os estados. A noite não terá sido perfeita, porque Mitt Romney ganhou os caucuses do Hawaii e tambem na Samoa Americana e deverá acabar com mais delegados amealhados do que ele nestas quatro eleições (no Mississippi, Romney apesar de ficar em terceiro foi o que ganhou mais delegados). O que pode mudar após estas eleições? Se Gingrich retirar-se, ficará uma corrida a dois entre Santorum e Romney, o que poderá favorecer o antigo senador da Pensilvânia. No entanto, a matemática está do lado de Romney, e atenção às próximas eleições, dias 17 de Março (Missouri), Porto Rico (18) e Illinois (20). Em jogo estarão 139 delegados, e Romney já deverá ter certos os 20 delegados de Porto Rico, que têm um sistema de Winner Takes All. Romney continua o favorito mas... vai continuar a ter de lutar com Santorum, provavelmente até Junho. Para uma análise mais profunda deste dia, ficamos à espera das sempre interessantes e explicativas "notas" do José Gomes André. 

 

PS: Nota negativa para Ron Paul, que depois de muito prometer no inicio das primárias, eclipsou-se. Ontem teve 5% no Alabama e 4% no Mississippi.


23
Fev 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:53link do post | comentar | ver comentários (1)

Ontem à noite os candidatos republicanos defrontaram-se no Arizona e não se pode dizer que tenha sido um dos melhores momentos desta campanha. Acabou por ser Mitt Romney o mais favorecido, não porque esteve particularmente bem, mas terá estado bem melhor do que o seu principal adversário do momento, Rick Santorum. Acossado pela dupla Paul-Romney, o antigo senador da Pensilvânia passou a maior parte das duas horas a defender-se de críticas ao seu passado enquanto senador. Depois deste debate, ficaria muito surpreendido se Romney não vencesse as primárias do Arizona e Michigan do dia 28. Newt Gingrich voltou a estar em bom plano, o que talvez o volte a colocar em jogo. Apostaria que nos próximos dias veremos Romney a subir nas sondagens, juntamente com Gingrich, com Santorum a baixar. Onde é que já vimos este filme? 


22
Fev 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:29link do post | comentar

Realiza-se hoje o 20º debate desta longa corrrda republicana. Arrisco-me a dizer que este é o debate mais importante destas primárias até ao momento, a quatro dias das primárias do Arizona e Michigan. Mitt Romney, que tem vindo lentamente a recuperar depois das derrotas no Colorado e Minnesota, precisa esta noite de vencer o debate. Rick Santorum poderá ter uma noite dificil, pois é provável que Gingrich o tente atacar, além das esperadas investidas de Romney. E atenção a Ron Paul, que muitas vezes nesta campanha tem servido quase de attack dog de Mitt Romney, tantos têm sido os anúncios negativos que já dedicou a Gingrich e Santorum. Às 01h00 na CNN. 

 


02
Fev 12
publicado por Nuno Gouveia, às 15:47link do post | comentar | ver comentários (2)

 

Ontem ao final da noite surgiram os rumores: Donald Trump iria fazer um "major annoucement" hoje ao meio-dia. Imediatamente começou a especulação sobre o que iria dizer o milionário nova-iorquino que por um breve periodo liderou as sondagens nacionais do GOP e recentemente anunciara que se poderia candidatar como independente. Passado algumas horas parecia desfeita a dúvida: iria declarar o seu endorsement a Newt Gingrich. Mas como (quase) sempre sucede com Trump, ainda havia espaço para mais uma surpresa. E depois de vários artigos (NY Times, AP, Politico, NBC a darem como certo esse apoio e o que poderia significar para Gingrich, eis que Matt Drudge, sempre muito bem informado, "choca" o mundo: Donald Trump vai apoiar um candidato... mas este pode chamar-se Mitt Romney. Confusos? Também a generalidade da imprensa americana. Daqui a pouco veremos.

 

Adenda: Matt Drudge voltou a levar a melhor sobre os meios de comunicação social tradicionais. Donald Trump vai mesmo declarar o apoio a Mitt Romney.


01
Fev 12
publicado por Nuno Gouveia, às 00:58link do post | comentar | ver comentários (1)

 

Erick Erickson, o influente blogger conservador do Red State e comentador da CNN, comentava há pouco no twitter que esta foi a primeira demonstração de força da equipa de Romney. Na verdade, Mitt Romney arrasou na Florida, com uma campanha agressiva que evidencia que talvez tenha o que é necessário para a brutalidade de uma campanha presidencial americana. Depois da derrota da Carolina do Sul, a imprensa foi inundada com artigos a questionar a capacidade de Romney para vencer estas primárias e defrontar Barack Obama. Esta vitória irá ajudar a mudar essa percepção. No próximo Sábado seguem-se os caucuses do Nevada, onde Romney venceu em 2008. Se a corrida não acabou esta noite (Gingrich já prometeu continuar até ao fim e Santorum e Paul também vão continuar), Romney deu um passo importante para convencer os mais descrentes, e se o próximo mês lhe der vitórias, como se prevê, pode ser que consiga fechar a questão da nomeação na super terça-feira, dia 6 de Março. 

 

Em relação aos resultados propriamente ditos, a esta hora ainda não resultados definitivos, mas Romney terá ganho com perto de 50 por cento dos votos, mais do que os votos conjuntos de Newt Gingrich e Rick Santorum. Ron Paul ficou em último lugar. 


29
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 21:25link do post | comentar

As últimas sondagens publicadas este fim de semana indicam que Mitt Romney está claramente em vantagem para vencer na próxima terça-feira. O movimento nestes últimos dias favorece também Romney, pois estima-se que os votos antecipados corresponderão a um terço da votação final. Será dificil que não tenha mais de 40 por cento. De resto, parece muito provável que Santorum irá ficar em terceiro e Ron Paul em quarto.


28
Jan 12
publicado por Alexandre Burmester, às 16:14link do post | comentar | ver comentários (7)

 

 

É recorrente nos comentários - especialmente na Europa - acerca da política americana a afirmação de que o Partido Republicano tem caminhado progressivamente para a Direita. Alguns chegam mesmo a dizer que o partido caíu nas mãos de extremistas. Simultaneamente, o posicionamento ideológico do Partido Democrático é raramente alvo desse tipo de análise.

 

A verdade é que o centro ideológico europeu - mormente no Continente - está mais à Esquerda que o americano. Grosso modo, de um lado do Atlântico temos a Europa do "modelo social" e do outro "a terra da livre iniciativa". Estes diferentes ênfases ocasionam diferentes percepções.

 

Há cerca de um mês a Gallup publicou uma sondagem precisamente sobre o posicionamento ideológico dos americanos e o modo como eles vêm os candidatos presidenciais nessa mesma óptica. Assim, aquela organização pediu aos inquiridos que se classificassem ideologicamente numa escala de 1 a 5, sendo 1 "muito liberal" (em termos americanos, de "Esquerda") e 5 "muito conservador". A pontuação média foi de 3,3, o que permite descrever o eleitorado americano como essencialmente de Centro-Direita. A mesma sondagem solicitava que os candidatos fossem classificados pelo mesmo critério: pois bem, Mitt Romney teve uma pontuação média de 3,5, Newt Gingrich de 3,6 e o Presidente Obama de 2,3. Significa isto que, segundo esta sondagem, o americano médio considera Romney e Gingrich bem mais próximos das suas posições ideológicas que Obama. Ainda de acordo com a Gallup, 57% dos americanos consideram Obama liberal, 23 % moderado e 15% conservador (estes 15% devem estar claramente à esquerda do Presidente!;-)).

 

Estes dados não são surpreendentes, até porque regularmente o número de americanos que se consideram conservadores é cerca do dobro daqueles que se consideram liberais (numa outra recente sondagem, a Gallup apurou 40% de conservadores, 20% de liberais e um pouco mais de 30% de "moderados").

 

Portanto, em parte não será tanto um caso de radicalização do Partido Republicano (embora haja não poucos exemplos disso no partido), mas mais de sintonia com o eleitorado "mainstream".  

 

Já Margaret Thatcher dizia que os bons políticos não governam ao centro ou viram ao centro, antes fazem com que as suas políticas passem a ser o centro, alterando, portanto, o centro de gravidade ideológico. 


26
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 16:25link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

A hipótese de Newt Gingrich ser o nomeado republicano está a provocar ondas de choque no movimento conservador. Odiado pelas elites republicanas desde a sua queda como Speaker em 1999, Gingrich apresenta-se a estas eleições como o candidato anti-establishment. Como o Politico aponta nesta peça de hoje, nos últimos dias vários conservadores, entre os quais Ann Coulter, Elliott Abrams, Tom DeLay ou Elliott Tyrrell, surgiram em público com criticas violentas contra Gingrich. O mais emblemático, e talvez relevante, tem sido Matt Drudge, do influente e muito visitado Drudge Report, que nos últimos dias tem colocado em destaque links com peças negativas sobre Gingrich. Drudge foi um dos grandes casos de sucesso do inicio da Internet, no final da década de 90, quando foi o primeiro a noticiar o escândalo de Monica Lewinsky. Recordo que nessa época, enquanto Newt Gingrich cavalgava na onda da tentativa de impugnação de Bill Clinton, ele próprio estava a ter um caso extra-casamento com a actual esposa. 

 

Entretanto, hoje foram publicadas duas sondagens que voltam a dar uma confortável vantagem a Romney na Florida. Mas hoje à noite há mais um debate, na CNN, e dada a volatilidade destas eleições, é impossível prever uma vitória de quem quer que seja. A seguir com atenção o debate desta noite (à 1h00 de Lisboa). 


25
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 23:27link do post | comentar

Depois da vitória de Newt Gingrich na Carolina do Sul, as atenções estão viradas para as primárias da Florida, que se realizam na próxima terça-feira. Esta poderá ser decisiva para Mitt Romney, pois caso perca aqui, a sua áurea de inevitabilidade será fortemente colocada em questão. Uma vitória de Gingrich significaria uma grande reviravolta nestas primárias, podendo-se dizer que a partir daí tudo seria possível. Como era previsível, as sondagens publicadas esta semana apontam para uma grande recuperação de Gingrich. Mas se no imediato a seguir à Carolina do Sul elas davam um confortável avanço do antigo Speaker, as mais recentes já apontam para um equilíbrio, com um ligeiro avanço de Romney. Hoje foram publicadas duas sondagens que colocam o antigo governador do Massachusetts à frente, se bem que dentro da margem de erro. Neste momento, e depois do que já assistimos nestas primárias, tudo é possível e não me arrisco a prever um vencedor.


Romney tem uma vantagem. Os votos antecipados por correspondência, que antes da Carolina do Sul já representariam mais de 10 por cento do número votantes previsto, colocam-no efectivamente à frente. A sua prestação do debate de terça-feira também o terá ajudado, bem como a sua grande máquina eleitoral que tem no terreno. Mas amanhã há outro debate na CNN, e é de esperar que Gingrich volte ao ataque. E sabemos como os debates podem ser decisivos. Por outro lado, um enigmático Marco Rubio surgiu ontem e hoje a defender Mitt Romney contra os ataques de Gingrich. Primeiro disse que Romney não era um Charlie Crist, dizendo que ele era conservador e que tinha sido um dos primeiros a nível nacional a apoiá-lo durante as primárias de 2010. Depois afirmou que Romney não era anti-imigração, ao contrário do que Gingrich tem vindo a difundir. Rubio já disse que não pretende declarar um endorsement nestas primárias, mas não tenho dúvidas que se mudasse de ideias seria quase fatal. No entanto, estas palavras de Rubio podem ser um balão de oxigénio para Romney.

 

Entretanto a CNN publicou também uma sondagem neste importante swing state para as eleições gerais. E os resultados são extremamente favoráveis a Romney. Obama surge cinco pontos atrás dele, enquanto tem uma vantagem de nove pontos sobre Gingrich. Quem pensa que Obama terá a vida facilitada em Novembro, que olhe para esta sondagem. Neste importante estado, o quarto da União, atrás da Califórnia, Nova Iorque e Texas, parece ter mesmo virado as costas a Obama. Se Gingrich for o nomeado, as coisas, como noutros estados, poderão ser bem mais fáceis para o Presidente. 


23
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 17:47link do post | comentar

Esta noite realiza-se mais um debate republicano (às 2h00 na NBC). Depois da severa derrota na Carolina do Sul, e com Newt Gingrich a liderar as sondagens para a Florida, Mitt Romney tem se lançar ao ataque. Este é um anúncio que já está a passar nas televisões da Florida, e espera-se que esta noite Romney tente mudar o rumo desta campanha. Gingrich tem muitas fraquezas e é considerado inelegível pela esmagadora maioria dos analistas. Mas Romney precisa de mostrar isso ao eleitorado conservador. O que até ao momento ainda não fez. 


22
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 00:02link do post | comentar | ver comentários (3)

 

O fúria de Newt Gingrich foi mais forte que a inevitabilidade de Mitt Romney na Carolina do Sul. Mal fecharam as urnas, algumas cadeias de televisão (FOX News, ABC, NBC) declararam o antigo speaker como vencedor destas primárias. Se isto se confirmar, significa que a corrida está lançada e irá decorrer, pelo menos, até à super terça-feira, dia 6 de Março. A dúvida destas primárias é se Rick Santorum continua na corrida. As exit polls indicam que está a disputar terceiro lugar com Ron Paul, mas se tal não suceder, dificilmente terá condições para continuar. Isso poderá favorecer Gingrich, numa corrida a três com Romney e Paul. No próximo dia 31 realizam-se as primárias na Florida, onde Romney tem liderado com larga vantagem as sondagens. Mas depois desta noite, tudo pode mudar. Esta vitória vem colocar alguma "normalidade" nestas primárias, pois até ao momento Romney parecia concorrer sem adversário visível. A minha aposta é que Romney continua o favorito, mas terá de "suar" para derrotar Gingrich. Uma nota histórica. Se é verdade que desde 1980 que todos os vencedores da Carolina do Sul foram os nomeados do GOP, também é verdade que nenhum candidato venceu a nomeação sem conquistar o Iowa ou New Hampshire, algo que Gingrich não conseguiu. De qualquer maneira, irá haver novidade histórica nestas primárias. 


21
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 14:41link do post | comentar

Newt Gingrich ou Mitt Romney: um deles irá vencer esta noite as primárias da Carolina do Sul. Desde 1980 que o vencedor desta primária acaba por ser o nomeado do Partido Republicano. Mas também é verdade que todos os vencedores aqui ganharam antes ou o Iowa ou o New Hampshire. As últimas sondagens dão todas vantagem a Gingrich, pelo que se espera uma vitória dele esta noite. Um outro resultado, especialmente depois destas expectativas criadas nos últimos dias, seria um desastre para ele. Romney pode hoje sofrer o seu primeiro revés nestas primárias. Mas ele sabe que tem um calendário, uma máquina, os apoios e a estrutura necessária para continuar na luta. Ao contrário dos seus adversários. Esta eleição afigura-se crucial também para Rick Santorum. Um quarto lugar, atrás de Ron Paul, pode ditar o fim da sua candidatura presidencial. A partir da meia noite (em Portugal) haverá novidades. 


19
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 23:27link do post | comentar

Poucos dias terão tido tanta acção nesta campanha como este. Em primeiro lugar, e como o Alexandre já deu nota aqui, Rick Perry abandonou a corrida e declarou o apoio a Newt Gingrich. Depois, informações vindas do Iowa indicam que o vencedor dos caucuses do Iowa terá sido Rick Santorum e não Romney. Uma vitória que não muda dinâmica na corrida (Santorum está em clara queda), mas que coloca alguma normalidade nestes resultados eleitorais. Ao longo do dia, têm ainda sido avançadas várias sondagens que dão vantagem a Gingrich para as primárias de sábado na Carolina do Sul. Para acabar o dia teremos ainda a entrevista de Marianne Gingrich à NBC e mais um debate na CNN às 1h00 (de Lisboa), já sem Perry. Quando se pensava que estas primárias estavam perto do seu término, eis que um leque de acontecimentos inesperados voltam a dar ânimo à corrida. Dito isto, mantenho a minha forte convicção que Mitt Romney será o nomeado republicano para defrontar Barack Obama. Mesmo que saia derrotado este sábado. 


publicado por Nuno Gouveia, às 00:13link do post | comentar | ver comentários (2)

 

O debate desta semana (que não vi) correu de feição a Newt Gingrich, pelo que li na imprensa americana. Essa prestação, aliada a uma menos conseguida de Mitt Romney, que está a ser atacado por diversas frentes para divulgar publicamente as suas declarações fiscais, parece ter injectado um novo folego na campanha de Gingrich. Neste momento as sondagens indicam uma ligeira recuperação do antigo Speaker na Carolina do Sul, eleições essas que se realizam já no próximo sábado. Não sei se irá a tempo de vencer, mas pode fazer com que Gingrich fique num segundo lugar próximo de Romney que lhe possibilite continuar nas primárias para a Florida. 

 

PS: O Drudge Report está a anunciar que Marianne Gingrich, antiga esposa do republicano, deu esta semana uma entrevista à ABC News que poderá ser bombástica. Anteriormente, Marianne tinha dito que poderia acabar com a carreira de Gingrich num só entrevista. Ela foi a segunda esposa do candidato, que viu o seu casamento terminado quando o speaker a traiu com a actua mulher. Matt Drudge explica que há neste momento uma grande divisão na ABC se devem colocar no ar a entrevista antes das primárias da Carolina do Sul. A acompanhar este desenvolvimento. 


12
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:40link do post | comentar

 

Como já antecipava neste post, Mitt Romney recebeu hoje importantes reforços na conquista do eleitorado mais conservador. O ataque de Newt Gingrich, secundado por Rick Perry, ao seu passado de empresário na Bain Capital provocou um ricochete contra os críticos. Depois de Rush Limbaugh e Jim DeMint, hoje foi a vez de Rudy Giuliani, de Mike Huckabee, do Wall Street Journal e da National Review surgirem em público a defender o legado empresarial de Mitt Romney. A destruição criativa a que Schumpeter se referia foi um dos argumentos mais utilizados para a defesa veemente do sistema capitalista. Honestamente não percebo como Newt Gingrich, que está na arena política desde a década de 70, entrou numa linha de ataque deste género. Esperava-se que este tema fosse explorado (e deverá ser na campanha para Novembro) pelos democratas, mas nunca pelos seus colegas republicanos. Uma má entrada de Newt Gingrich na Carolina do Sul, onde tentará desacelerar a nomeação de Romney. 


publicado por Nuno Gouveia, às 13:59link do post | comentar

Newt Gingrich, que durante a campanha do Iowa criticou furiosamente os ataques negativos que sofreu de Mitt Romney e Ron Paul, prepara-se para lançar a ofensiva final na Carolina do Sul contra Romney. A sua Super Pac, que recebeu recententemente 5 milhões, irá direccionar esse dinheiro para a Carolina do Sul contra o líder da corrida. Gingrich, que assumiu esta semana que se Romney vencer na Carolina do Sul ele será o nomeado, disse hoje que se preparem, pois na Carolina do Sul vem aí um "'Armageddon' of attacks". A questão que ainda ontem coloquei no programa em que estive na Rádio Renascença é que, ao contrário do que aconteceu com Newt Gingrich no Iowa, Romney tem dinheiro para se defender. Além disso, a principal linha de ataque de Gingrich, o passado de empresário de Romney, não é propriamente popular na base eleitoral republicana. O apresentador conservador de rádio Rush Limbaugh, que ainda há pouco tempo elogiava Gingrich e criticava Romney, esta semana devastou esta linha de ataque do antigo Speaker. O senador Jim DeMint, que declarou que não iria apoiar ninguém, hoje também criticou duramente Gingrich e elogiou o discurso de ontem à noite de Romney. E isso tem sucedido um pouco por todo espectro conservador, que considera essa crítica uma atitude democrata e anti-capitalista. Além disso, Romney terá um leque de defensores na Carolina do Sul que o irá auxiliar nesse combate. A governadora Nikki Haley e a máquina do GOP no estado irão ser peças fundamentais no seu exército. 

 

Como tenho vindo a dizer, acredito que Romney tem todas as condições para vencer na Carolina do Sul, e esta vitória poderá carimbar definitivamente a sua nomeação, que deverá ser confirmada apenas na Super Terça-feira em Março. Paul, Santorum e Perry irão dividir o potencial eleitorado de Gingrich, o que só ajudará Romney. Mas serão dez dias muito intensos, até dia 21 de Janeiro. E pelo meio, teremos dois debates. 


09
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:40link do post | comentar

Estas serão as primárias do New Hampshire mais previsíveis das últimas décadas. A menos que suceda uma hecatombe de proporções bíblicas para as empresas de sondagens, Mitt Romney deverá vencer amanhã. E por isso, essa vitória nunca será tão valorizada como noutras situações. As expectativas irão sempre nortear a avaliação dos resultados.

 

Mitt Romney - As sondagens mais recentes dão-lhe entre 33 e 42 pontos, sempre muito à frente dos seus adversários. Portanto, tudo que seja abaixo dos 33% será considerado sempre pelos analistas como um mau resultado. Diria que uma vitória acima dos 40% dar-lhe-á uma áurea quase imbatível para o resto das primárias. Uma vitória menor poderá não lhe ser muito favorável, dependendo do nome do segundo lugar. 

 

Ron Paul - Já anunciou que não iria competir na Florida, concentrando os seus esforços depois da Carolina do Sul nos estados que vão ter caucuses. Tem estado consistentemente em segundo lugar, pelo que um resultado abaixo disso será sempre uma desilusão. Luta para alargar o movimento libertário no Partido Republicano e não para vencer as primárias. 

 

Jon Huntsman - Arrisca aqui a sua campanha presidencial. Um mau resultado ditará a sua desistência. Mas nos últimos dias tem sido o único candidato a subir nas sondagens, pelo que poderá ser a grande surpresa amanhã. Um segundo lugar iria encher as páginas dos jornais e dar-lhe o tal "momentum" que ainda não teve nesta campanha. Continua a ter hipóteses muito reduzidas de sucesso, mas tudo irá depender deste resultado. 

 

Rick Santorum - Depois de uma quase vitória no Iowa, esperava-se que Rick Santorum consolida-se aqui o seu estatuto de alternativa a Mitt Romney na Carolina do Sul. Mas as coisas não lhe têm corrido bem. Um terceiro lugar atrás de Ron Paul poderia dar-lhe um fôlego extra, mas essa é a sua melhor perspectiva.  

 

Newt Gingrich - Chegou ao New Hampshire ferido no seu orgulho. Depois de ter sido destruído no Iowa, onde não conseguiu melhor do que um quarto lugar, tenta aqui recuperar algum animo para a Carolina do Sul. Mas um resultado idêntico deixará indefinido quem é a alternativa conservadora a Romney, o que só ajudará o antigo governador do Massachusetts. Se conseguir melhor do que o esperado, e neste momento seria um terceiro, já seria um bom resultado para ele. 

 

Rick Perry não conta, pois abdicou destas primárias para se concentrar na Carolina do Sul, a sua última esperança. As minhas previsões: Romney-Paul-Huntsman-Gingrich-Santorum

 


06
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 23:30link do post | comentar

As sondagens são há muitos anos um elemento fundamental de qualquer estratégia política. Mas são sobretudo partes essenciais para o circo mediático que rodeia uma campanha. Sem elas, como iriamos avaliar quem vai a frente ou o que as pessoas estão a pensar sobre os candidatos? Apesar dos seus efeitos perversos (por vezes as sondagens são elas próprias elementos determinantes de um desfecho eleitoral, por exemplo), eu gosto de sondagens. E admito que, apesar de nem sempre lhes dar a importância que os media lhe atribuem, sou um fiel seguidor das sondagens. Até Novembro, os Estados Unidos vão ser inundados de sondagens, primeiro sobre as primárias e depois sobre as eleições gerais. E apesar de desvalorizar o sentido de alguma delas - nomeadamente para as eleições gerais nesta fase - elas servem para atestar o estado da corrida. 

 

Como o Alexandre Burmester deu nota no post anterior, Romney aparece à frente na Rasmussen na Carolina do Sul, mas com uma vantagem curta sobre Santorum. Outra da CNN/Time de hoje dá uma maior vantagem a Romney, com 37-19-18 sobre Santorum e Gingrich e ainda da American Research Group dá 31 a Romney e 24 a Santorum e Gingrich. Apesar de serem consideradas boas notícias para Romney, isto não desqualifica o facto que ainda pode haver uma aglomeração do voto conservador em Santorum ou Gingrich. Para isso, há dois factores que podem ser decisivos. Em primeiro lugar, as primárias do New Hampshire. O nome que ficar em segundo lugar (Romney deverá vencer) terá uma oportunidade para congregar esse apoio. Neste momento, Santorum e Gingrich estão à volta dos 10 pontos, atrás de Ron Paul e em alguns casos de Huntsman. O melhor cenário para Romney é que nem Santorum ou Gingrich se diferenciem muito na votação (e de preferência que seja Ron Paul a ficar em segundo), para que o voto conservador na Carolina do Sul continue dividido. O outro factor que pode determinar uma aglomeração de apoios poderá ser introduzido pelos debates. Neste fim de semana realizar-se-ão dois debates no New Hampshire e mais dois antes na Carolina do Sul. Uma prestação positiva ou um desastre de um deles poderá ser um factor determinante. Por fim, uma nota sobre Jon Huntsman. A sua única esperança resumia-se a ter uma grande prestação nas primárias de New Hampshire. Até ao momento, as sondagens indicam-nos que dificilmente isso irá acontecer. Nas sondagens desta semana aparece invariavelmente em quarto ou quinto lugar, o que significará o fim da sua aventura presidencial. Com um perfil de governador de sucesso no Utah, ainda por cima com um percurso conservador, tentar aparecer como o moderado nestes tempos eleitorais, foi um erro de proporções gigantescas. Terá tempo suficiente para reflectir. 

 

Adenda: Mais duas sondagens do New Hampshire, que confirmam a tendência. Romney à frente com larga vantagem e Ron Paul em segundo.

NBC News/Marist: Romney 40, Paul 21, Santorum 12, Huntsman 8, Gingrich 8

WMUR/UNH: Romney 44, Paul 20, Santorum 8, Gingrich 8, Huntsman 7


03
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 16:33link do post | comentar

Mitt Romney - Passou grande parte da campanha a ignorar o Iowa. Ao contrário de há quatro anos, Romney não investiu tempo nem recursos no Hawkeye State. Mas neste último mês tudo mudou, e Romney direccionou para as suas atenções para o Iowa. Nesta última semana passou os seus dias no estado e investiu muito dinheiro nas televisões. É muito difícil que Romney saia ferido destes caucuses. Se vencer, a nomeação fica mais próxima. Se ficar em segundo ou num terceiro próximo dos dois primeiros, também partirá para o New Hampshire em boa forma. Especialmente se ficar atrás de Paul e Santorum. Um desastre para Romney seria ficar abaixo do terceiro lugar ou atrás de Gingrich ou Perry, os candidatos que têm mais recursos para fazer a vida negra a Romney. 

 

Ron Paul - Já é um dos vencedores destes caucuses, pois a sua mensagem está a ganhar tracção no eleitorado. Não tendo hipóteses de obter a nomeação, Paul está a criar um património no Partido Republicano que poderá ser aproveitado pelo seu filho Rand já em 2016 ou 2020. O seu mérito foi ter colocado os libertarians mais próximos do mainstream republicano. Uma vitória no Iowa, onde investiu forte, daria ainda mais ânimo aos seus apoiantes para os próximos combates eleitorais. Mas um segundo ou até um terceiro lugar não será mau resultado do congressista do Iowa. Abaixo disso será uma derrota de Ron Paul, que tem a melhor máquina no terreno. 

 

Rick Santorum - Ninguém lhe ligou nada até há uns dias, quando os evangélicos começaram a colocar-se atrás dele. Foi o candidato que mais investiu no Iowa, mais parecendo que se estava a candidatar a governador do Iowa do que a Presidente dos Estados Unidos. Se ficar à frente de Gingrich, Perry e Bachmann, está bem colocado para fazer de Mike Huckabee de 2008. Não acredito que represente grande perigo para Mitt Romney, mas Santorum, que tem qualidades políticas, pode surpreender Romney em alguns estados do Sul. Mas, e como disse sobre Gingrich, não sei se o Santorum consegue sobreviver a uma rajada de ataques negativos das Super Pacs de Romney. Tudo acima do terceiro lugar será uma vitória. 

 

Newt Gingrich - Quando há um mês liderava as sondagens nacionais e no Iowa, muitos apontavam-no já como o presumível nomeado. Na altura alertei que Newt era facilmente destruível por um conjunto de ataques com verdades sobre a sua carreira. Sem surpresa, chega ao Iowa a lutar pela sobrevivência. Se não conseguir chegar ao terceiro lugar, fica em grandes problemas para a Carolina do Sul, onde tem liderado as sondagens. Se ficar atrás de Rick Perry e de Santorum, a sua candidatura está quase terminada. 

 

Rick Perry - As últimas sondagens davam-lhe 10 por cento, sempre em quinto lugar. Se concretizar-se este resultado, não sei com que capacidade Perry irá para a Carolina do Sul travar o seu último combate político nestas primárias. Se há quatro anos tivemos um Fred Thompson, que entrou na corrida como frontrunner e acabou destroçado logo nas primeiras eleições, este ano teremos Rick Perry. 

 

Michele Bachmann - A congressista do Minnesota disse que espera um milagre. Talvez mesmo só com a intervenção de Deus Bachmann consiga fugir do último lugar e da irrelevância total nestas primárias. Se tal suceder, irá cantar vitória. Mas o mais certo é mesmo que fique em último (Huntsman não conta). Se desiste já ou vai até à Carolina do Sul é a grande dúvida.

 

*titulo de um post que escrevi há quatro anos no Eleições Americanas de 2008, onde curiosamente acertei nos três primeiros resultados do Partido Democrata e nos dois primeiros do Partido Republicano. Apesar dos meus dotes adivinhatórios nem sempre funcionarem, deixo aqui uma previsão, cautelosa, dos resultados: Romney-Santorum-Paul-Gingrich-Perry-Bachmann-Huntsman.


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog