12
Mar 16
publicado por Nuno Gouveia, às 10:00link do post | comentar | ver comentários (9)

Nem estas intervenções, de grande qualidade de Ted Cruz e Marco Rubio, salvam a honra do Partido Republicano. Donald Trump, o provável nomeado do partido, está a levar o partido de Abraham Lincoln e Ronald Reagan para a extrema-direita xenófoba e populista. Será que o GOP tem salvação? Tenho muitas dúvidas. 

 


27
Fev 16
publicado por Nuno Gouveia, às 09:00link do post | comentar | ver comentários (2)

As campanhas presidenciais americanas têm muitas regras não escritas que normalmente funcionam. Mas Trump está a revolucionar a política presidencial e todas têm vindo a ser derrubadas. Bem, todas menos uma regra fundamental: quem vence as primeiras eleições, normalmente conquista uma dinâmica de vitória capturando um apoio exponencial nas eleições seguintes. A única vez que tal não sucedeu foi em 1992 no Partido Democrata, quando o nomeado, Bill Clinton, apenas ganhou a sua primeira eleição (e mesmo assim, única nesse dia) na super terça-feira. De resto, sempre que alguém ganha o estatuto de frontrunner após as primeiras eleições, acaba por ser o nomeado. Trump tem cometido gaffes atrás de gaffes, proferido declarações bombásticas, demonstrado uma total ignorância sobre os princiais dossiês, feito propostas simplesmente inexequíveis, tem sido largamente ultrapassado nos gastos financeiros pelos seus adversários, declarou guerra à Fox News e é o candidato que tem menos apoios no Partido. Nesta fase, tudo isto significaria que não teria a mínima hipótese. E, no entanto, é o óbvio frontrunner e favorito para obter a nomeação. Será muito difícil travá-lo.

No debate desta quinta-feira Marco Rubio e Ted Cruz finalmente partiram ao ataque contra Trump, expondo as suas óbvias fragilidades como candidato. A crítica americana foi quase unânime em declarar que, pela primeira vez nesta campanha presidencial, Trump foi ridicularizado num debate e que a dupla Rubio/Cruz foi eficaz ao irem atrás do nova iorquino. Mas a mesma crítica também manifestou sérias dúvidas se este ataque frontal a Trump não terá sido demasiado tarde, pois o "momentum" de Trump parece ser quase imparável. E ontem, depois de uma manhã desastrosa nos media, Trump apresentou ao inicio da tarde o apoio de Chris Christie, que quebrou com a cobertura do debate. É verdade que finalmente as Super Pacs estão a atacar Trump (a de Rubio angariou 20 milhões de dólares esta semana para esse objetivo), mas também pode ser tarde demais. Um dos grandes mistérios destas eleições é que dos mais de 200 milhões de dólares já gastos nestas primárias em anúncios televisivos, apenas uma ínfima parte desse dinheiro foi gasto contra Trump. O maior alvo foi mesmo Marco Rubio, que foi massacrado por Jeb Bush, Chris Christie e Ted Cruz. Hoje no Twitter famosos activistas conservadores atacaram Trump e há uma revolta contra a possibilidade da sua nomeação. Mas se há umas semanas tivesse que apostar, colocaria o meu dinheiro num candidato que não Trump, neste momento, e pelo que tenho visto nas sondagens dos próximos estados, já não o faria.

A menos que o debate tenha mudado alguma coisa, Trump deverá vencer a maioria dos estados na próxima terça-feira (acredito que se tiver uma "má" noite, terá mesmo assim mais de 50% dos delegados em disputa) e se conseguir fazê-lo no Texas, Ted Cruz poderá mesmo ver-se obrigado a desistir (neste momento, Cruz vai à frente). Rubio poderá ficar em segundo na maior parte dos estados, mas caso não vença nenhum, que hipóteses terá? Vencer a maior parte dos estados que atribuem os delegados todos ao vencedor? Talvez, mas conseguirá vencê-los, contrariando a única regra que ainda não foi quebrada nestas primárias? Não me parece... Mas estas não são umas primárias iguais às que já vimos no passado, por isso, nunca se sabe. 

 

PS: hoje realizam-se as primárias da Carolina do Sul no Partido Democrata e Hillary Clinton é a clara favorita. Depois de algum momentum de Bernie Sanders, diria que a menos mude alguma coisa, Clinton deverá fechar a sua nomeação na super terça-feira. O #FeelTheBern caiu muito esta semana. 


21
Fev 16
publicado por Alexandre Burmester, às 14:56link do post | comentar | ver comentários (5)

HANOVERIAn_BARON.gif-456789.jpg

 

Uma vez que se perde na noite dos tempos a última vez que o nomeado republicano não venceu Iowa nem New Hampshire (e, muito menos, esses dois estados mais a Carolina do Sul); uma vez que o Iowa está pejado de cadáveres de candidatos que lá ganharam, mas que acabaram por soçobrar; uma vez que Donald Trump venceu já New Hampshire e Carolina do Sul, e Ted Cruz venceu no Iowa; uma vez que o "terceiro homem", o melhor que até agora conseguiu foi um segundo lugar (por uma unha negra) na Carolina do Sul - é legítimo dizer-se, sob o ponto de vista convencional, que Trump é agora o claro favorito.

 

Mas se este ano de 2016 desafia as convenções no tipo de candidatos que surgiram de ambos os lados, nada impede que as não venha a desafiar na escolha do candidato vencedor da nomeação republicana (pelo menos nesta).

 

O número substancial de candidatos republicanos, mesmo reduzidos a seis antes da Carolina do Sul, dá mais relevo aos resultados até agora obtidos por Donald Trump do que teria provavelmente sucedido se eles fossem apenas uns três. Na realidade, Trump parece já ter demonstrado que o seu limite de votação está na casa dos 30%, o que significa que cerca de dois terços dos votantes o não têm apoiado (e a pouca simpatia que uns 40% dos republicanos dizem às sondagens por ele nutrirem não augura nada de bom para uma sua eventual candidatura).

 

A maioria das primárias até 15 de Março atribui delegados proporcionalmente à votação, embora com limites mínimos de 15% ou 20% para que essa atribuição proporcional tenha lugar (a Carolina do Sul, que ontem votou, atribui-os todos ao vencedor). Isto significa que as vitórias obtidas até essa data têm mais efeito na dinâmica da corrida que na angariação de delegados propriamente dita. Jeb Bush acaba de desistir, o que poderá favorecer Marco Rubio em termos de apoios financeiros e de transferência de votos. O Governador do Ohio, John Kasich, que obteve um pírrico segundo lugar em New Hampshire e ontem terminou praticamente empatado com Bush, parece decidido a continuar, esperando melhores dias em terrenos mais favoráveis para ele, como Michigan e, claro, Ohio. O seus apoiantes seriam também potenciais votantes em Marco Rubio. Ben Carson também não dá sinais de desistir, mas o seu apoio parece estar a diluir-se. O perfil dos seus votantes é mais parecido com os de Cruz que com os de Rubio.

 

Na prática, estaremos agora a entrar numa corrida a três, uma vez que é expectável a perda de força por parte das campanhas de Kasich e de Carson. Num cenário desses, e uma vez que Trump pouco mais tem conseguido que 1/3 dos votos, poderemos vir a assistir a disputas mais renhidas. Mas Cruz e Rubio parecem mais entretidos em degladiarem-se do que em enfrentarem Trump directamente, o que poderá causar danos àquele dos dois que, eventualmente, possa sobrepôr-se a Trump.

 

Finalmente: não chega ter boas e promissoras prestações. Um destes dias, Marco Rubio terá de ganhar uma primária.

 

 


06
Fev 16
publicado por Nuno Gouveia, às 22:22link do post | comentar | ver comentários (1)

Estamos a três dias das primárias do New Hampshire e já se podem retirar ilações dos resultados do Iowa. Esta noite ainda teremos, a partir das 01h00 (de Lisboa), um debate republicano transmitido pela ABC, mas mesmo acreditando que poderá haver alterações nos próximos três dias, será difícil que Bernie Sanders e Donald Trump não saiam vencedores na terça-feira. 

Bernie Sanders continua a surpreender, e depois do empate técnico que alcançou no Iowa, a sua situação melhorou. No New Hampshire, e apesar de uma ligeira recuperação de Hillary Clinton, deverá alcançar uma vitória confortável, que o poderá catapultar para outros voos. A sua vitória não parece estar  em causa, mas a diferença vai ser relevante para o seu futuro. Fala-se muito na firewall de Hillary Clinton na Carolina do Sul, mas há três semanas que não se fazem lá sondagens e em 2008 também havia esta segurança e depois foi o que se viu. Clinton continua a enfrentar muitos problemas devido ao caso dos emails e esta semana voltaram a ser referidos os chorudos pagamentos que recebeu de discursos que efectuou depois de sair do Departamento de Estado. Num estudo da Quinnipiac, foi colocada atrás sete pontos de Marco Rubio e a desconfiança dos americanos tem crescido. O entusiasmo neste momento está do lado de Sanders e Clinton precisa urgentemente de "perder por poucos" no New Hampshire e vencer na Carolina do Sul, para repor alguma normalidade nestas primárias. Caso contrário, deve mesmo preparar-se para uma longa campanha. 

No Partido Republicano, Marco Rubio cresceu, quer no New Hampshire quer a nível nacional, mas será muito difícil que possa vencer já na terça-feira. Donald Trump permanece como o grande favorito para vencer no New Hampshire, e outro resultado será um desastre para ele. Ted Cruz joga "fora de casa" e tentará obter um bom resultado para a seguir tentar vencer na Carolina do Sul, onde a demografia lhe é mais favorável. Mas as primárias republicanas, que chegaram a ter 15 candidatos, dificilmente não serão uma longa caminhada que se pode arrastar até Junho. Numas primárias republicanas existem sempre dois lados: os conservadores contra o establishment. Este ano surgiu uma linha diferente, com o populismo de Donald Trump. Do lado conservador, Ted Cruz já emergiu como vencedor (eliminando Huckabee, Santorum, Perry, Jindal, Paul e está prestes a acabar com Ben Carson). Marco Rubio precisa agora de fazer o mesmo com John Kasich, Chris Christie e Jeb Bush, e será esse o grande ponto de interesse destas primárias. Se, como esperado, Marco Rubio conseguir um bom segundo lugar, a corrida irá continuar a três: Donald Trump, Ted Cruz e Marco Rubio. E é aí que Rubio poderá emergir como potencial vencedor, apesar de previsivelmente não vencer nenhuma das duas primeiras eleições. Esta semana já recebeu o apoio de dois antigos concorrentes, Bobby Jindal e Rick Santorum, que por pertencerem à ala mais conservadora, poderão ajudá-lo na união das várias facções do partido. Isto, claro, se não houver surpresas na terça-feira

 


02
Fev 16
publicado por Nuno Gouveia, às 10:18link do post | comentar | ver comentários (8)

1 - O Partido Republicano suspirou de alívio ontem depois da derrota de Donald Trump. Apesar do vencedor, Ted Cruz, ser também um político odiado, a derrota de Trump e o forte terceiro lugar de Marco Rubio alivou muita gente. A votação recorde no Iowa demonstrou também que houve uma grande mobilização para derrotar Trump, o que pode ser replicado noutros estados. Essa foi a grande notícia para a máquina republicana. 

 

2- Ted Cruz e Marco Rubio emergiram como grandes vencedores nos caucuses do Iowa. Este estado, que nos dois anteriores ciclos eleitorais deu vitórias a evangélicos, manteve a recente tradição e deu uma vitória inesperada a Cruz. Rubio ao conseguir um terceiro lugar, muito perto de Trump, solidifica a sua posição como candidato do establishment e pode, já na próxima semana, “arrumar” com Jeb Bush, Chris Christie e John Kasich, os adversários neste campo. Se é verdade que desde 1964 os republicanos optam sempre pelo candidato melhor posicionado para as eleições gerais, este ano poderá não ser diferente.

 

3 - Donald Trump afinal é um "perdedor", palavra que ele detesta. Se até há uns meses atrás, a esmagadora maioria dos analistas (e eu também) não acreditava nas suas hipóteses de obter a nomeação, nos últimos tempos essa percepção foi alterada. A sua derrota no Iowa coloca novamente em causa essa possibilidade, e atira uma enorme pressão para cima dele no New Hampshire. À entrada para esta semana, ele liderava confortavelmente as sondagens aí, mas até como vimos no Iowa, elas podem falhar e os movimentos de última hora, podem-lhe retirar a vitória. Se não vencer no New Hampshire, a sua candidatura estará praticamente terminada. 

 

4 - Marco Rubio irá agora competir no New Hampshire, não propriamente para ganhar, mas para eliminar a concorrência próxima. Ficaria surpreendido se a vitória no New Hampshire não fosse discutida entre Rubio e Trump. Ontem foi anunciado que o popular senador negro da Carolina do Sul, Tim Scott, irá declarar-lhe o seu apoio e nos próximos dias devemos ver um movimento de figuras do Partido Republicano a colocarem-se ao seu lado. Depois desta vitória, e acreditando que alguém tão conservador como Ted Cruz dificilmente terá uma hipótese no moderado New Hampshire, este irá deslocar-se rapidamente para a Carolina do Sul. Aí, podemos ter uma luta a três (se Trump vencer no New Hampshire) ou a dois, caso Rubio consiga ganhar. Tudo em aberto, mas para o resultado final, apostava em Marco Rubio para nomeado republicano. 

 

5 - No lado democrata, a confusão está instalada. Hillary Clinton já se declarou vencedora com 49,9% contra os 49,5% de Bernie Sanders, mas este ainda não aceitou a derrota. Uma vitória é uma vitória e Hillary Clinton ter-se-á salvado de nova derrota no Iowa, depois de há quatro anos ter sido esmagada por Barack Obama e John Edwards. Um resultado que não pode deixar descansado o campo de Hillary, pois há um ano tinha uma vantagem de mais de 50% sobre Sanders neste estado.

 

6 - Para a próxima semana, Bernie Sanders poderá obter uma vitória confortável no New Hampshire. Os resultados do Iowa não darão "momentum" a Hillary Clinton. Mas parece-me que Bernie precisava de vencer aqui para transformar-se num candidato nacional, o que não sucedeu. Muita gente a comparar com o que aconteceu com Obama, que quando chegou ao Iowa também estava atrás de Hillary em quase todos os estados e nas sondagens nacionais. Mas foi essa vitória que o fez crescer. Parece-me muito complicado para Sanders replicar. A seguir ao New Hampshire, segue-se a Carolina do Sul, onde Hillary Clinton é super favorita. 

 

7 - Caso não exista nenhum movimento extraordinário pró-Sanders nas sondagens nacionais e noutros estados, Hillary Clinton poderá fechar a nomeação na super terça-feira em Março. Mas entrará relativamente frágil nas eleições gerais. Ontem os jovens votaram de uma forma avassaladora em Sanders, e com os problemas todos que Hillary tem tido, não terá vida fácil em Novembro. A sua campanha tem dado sinais que o candidato que mais a preocupa é Marco Rubio. Precisamente aquele que parece emergir do outro lado. 


01
Fev 16
publicado por Era uma vez na América, às 15:16
Nuno Gouveia às 15:32link do post | comentar

Sem Título.pngOntem escrevi que o movimento nas sondagens em favor de Rubio não indicavam que fosse suficiente para chegar ao segundo lugar. Mas há pouco estive a consultar as sondagens e  verifiquei que houve, de facto, um movimento em prol de Rubio nos últimos dias. Na sondagem da Opinion Savvy, Rubio surge mesmo empatado com Ted Cruz e apenas a um ponto de Donald Trump. E na Emerson, aparece apenas quatro pontos atrás de Cruz e cinco de Trump. Quer isto dizer que pode ganhar? Muito, muito improvável. Mas o segundo lugar já não está assim tão distante. A acompanhar de perto nesta próxima madrugada. 

 

PS: no lado democrata, o ligeiro favoritismo de Hillary Clinton mantém-se. 


21
Abr 13
publicado por Nuno Gouveia, às 11:32link do post | comentar | ver comentários (1)

No último post referi que o Presidente Obama tinha sérias hipóteses de sucesso num dos compromissos da última campanha: a reforma da imigração. Mais de 12 milhões de pessoas vivem ilegalmente nos Estados Unidos, e depois de falhada a reforma no segundo mandato do Presidente George W. Bush, esta é uma oportunidade ouro para agir. Mas como em Washington nada se faz sem apoio bipartidário (a reforma da saúde terá sido mesmo a excepção), Obama tem agido de forma cautelosa nesta questão, deixando a liderança desta batalha para um adversário: Marco Rubio. Quem tem estado atento à imprensa americana, saberá do que estou a falar. O Senador republicano tem-se desdobrado em entrevistas e intervenções nos media a defender aquilo que é conhecido como o plano do “Gang of Eight” (4 republicanos: Marco Rubio da Florida, Jeff Flake e John McCain do Arizona e Lindsay Graham da Carolina do Sul e 4 democratas: Dick Durbin do Illinois, Robert Menendez de New Jersey, Chuck Schummer de Nove Iorque e Michael Bennet do Colorado). Porque a oposição de certos sectores mais conservadores permanece elevada, há o receio de alguns líderes do Partido Republicano que certos congressistas de distritos profundamente conservadores impeçam a aprovação da lei.

 

Rubio e a liderança republicana sabem bem o que está em jogo: além de serem maioritariamente a favor desta lei, um falhanço nesta reforma aprofundaria ainda mais os problemas do Partido nas próximas eleições presidenciais entre as minorias. Mais, esta reforma não será a salvação do GOP entre os hispânicos, mas uma não aprovação iria tornar quase uma miragem ao candidato em 2016 receber maior apoio do que recebeu Mitt Romney em 2012. Apesar de terem surgido algumas vozes que anteriormente se opunham a uma lei da imigração que abra caminho para a legalização dos ilegais, a oposição continua forte, sobretudo nos sectores mais à direita. 

 

Diria que Rubio está a jogar aqui o seu imenso capital político e não sairá desta batalha sem algumas cicatrizes. Ontem estive a ler os comentários de um post que colocou no Facebook sobre a reforma da imigração. A esmagadora maioria dos comentários eram negativos para Rubio, com acusações de traição, desilusão, “RINO – Republican In Name Only”, entre coisas bem piores. Rubio foi eleito em 2010 com o apoio do Tea Party na Florida, mas cedo se percebeu que não era propriamente um dos deles. Tem criado importantes relações no establishment republicano e surge agora como uma voz da moderação no meio de tanto ruído. Nas primárias de 2016 (poucos acreditam que não será candidato à nomeação), Rubio poderá sofrer ataques à direita e ter sérias dificuldades em eleições dominadas, muitas delas, por sectores mais conservadores. Mas esse é um risco que vale a pena correr. Rubio, que até lançou um micro-site para defender a lei da imigração, pretende chegar à Presidência e não apenas ser o porta bandeira da direita mais radical. E o melhor caminho será através de princípios conservadores de acordo com o passado do Partido Republicano, assente numa estratégia que consiga também atrair o voto dos dos moderados e das minorias. E esta reforma da imigração é boa por todos os motivos. Poderá perder alguns pontos nas primárias de 2016, mas ficará certamente melhor colocado para vencer as eleições gerais, caso seja nomeado. E, acima de tudo, alguém que quer ser Presidente precisa de ter rasgo político, apresentar-se como líder e ter coragem. E Rubio está a mostrar essas facetas neste debate da imigração. Barack Obama bem poderá agradecer-lhe caso a lei seja aprovada, como penso que será. 


17
Mar 13
publicado por Nuno Gouveia, às 23:31link do post | comentar | ver comentários (3)

 

A Conservative Political Action Conference (CPAC) é tradicionalmente (pelo menos nos últimos anos) um palco onde brilham mais políticos mais conservadores do Partido Republicano. Esta conferência, que se realizou neste último fim de semana, é palco para os activistas mais empenhados do partido. Desta vez não foi excepção, e Rand Paul e Marco Rubio foram as grandes estrelas da convenção, perspectivando desde já um duelo para 2016. Chris Christie não foi convidado (e ele até agradecerá, pois tem a batalha da reeleição para vencer este ano no democrata New Jersey), Paul Ryan teve uma passagem bastante discreta, provando que a sua candidatura a Vice Presidente terá prejudicado o seu status nos corações conservadores, e Jeb Bush, que tem sido um dos possíveis nomes para 2016, teve uma reacção fria. O mais discreto governador do Wisconsin, Scott Walker, também teve uma boa recepção, tendo até afirmado publicamente que estará disponível para uma candidatura em 2016. Bobby Jindal, governador da Lousiana, teve uma passagem discreta pela CPAC e está longe do fulgor que lhe anteviam em 2009. O que quer dizer este primeiro parágrafo: os republicanos terão, de certeza absoluta, um leque de candidatos com muito mais qualidade do que em 2012 e mesmo em 2008. Este leque de políticos garante por si um debate de qualidade para 2016, sendo para mim certo que estarão aqui os principais candidatos à nomeação em 2016. 

 

Há também uma luta pela direcção do partido, onde Rand Paul e Marco Rubio, dois políticos eleitos com apoio do Tea Party na vaga de 2010, se destacaram. Paul é o herdeiro (político) da facção libertária do seu pai Ron Paul, onde se destaca um discurso mais agressivo em relação ao papel do estado na sociedade, sendo que no campo das liberdades civis e sociais, se aproximará mais da esquerda americana. Também na frente externa há mais divisões, com Rubio a defender uma via mais em consonância com o legado republicano dos últimos 30 anos, mais intervencionista, e, se quisermos, próximo dos neoconservadores. Por outro lado, temos uma facção mais moderada, representada em Jeb Bush e talvez Chris Christie, que possui um discurso mais inclusivo em relação às minorias (onde é acompanhado por Rubio) e representa o conservadorismo mais tradicional, na linha de George W. Bush, John McCain, Bob Dole ou Ronald Reagan. A força de Rubio é que poderá granjear apoios em quase todas as facções do GOP. Rand Paul venceu a Straw Poll, mas isso quer dizer muito pouco. O seu pai também a venceu várias vezes e nem por isso chegou a ser um candidato sério à nomeação. Rand é um político de uma estirpe diferente e poderá ser um osso duro de roer. Mas os principais candidato para 2016, para mim, continuam a ser três: Marco Rubio, o favorito a esta distância, Paul Ryan, pela capacidade de reunir apoios entre as elites republicanas e Chris Christie, que tem andado arredado das hostes conservadores, mas que deverá estar de volta após garantir a reeleição em Novembro deste ano. Mas diria que pela primeira vez talvez desde 1964, não haverá nenhum candidato claramente favorito no Partido Republicano. E diria mais: se Hillary Clinton não for candidata, o mesmo acontecerá no Partido Democrata. Umas eleições e campanha que promete. 


14
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 10:07link do post | comentar

Marco Rubio, que marcou lugar nos programas de humor americanos na próxima semana, não perdeu tempo!


09
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 12:07link do post | comentar | ver comentários (3)

 

A elevação ao Olimpo é uma das armadilhas que os media americanos habitualmente montam aos políticos jovens e carismáticos. Uns têm a sorte de a utilizar em seu favor, outros ficam inebriados pela áurea que envolve este tipo de endeusamento, e mais tarde ou mais cedo, acabam ser cair nela. A capa da Time desta semana é um exemplo disso. Marco Rubio parece perceber os perigos desta quase "divinização" e apressou-se a demonstrar o seu desconforto em público, ao afirmar no Twitter que não é salvador nenhum. Mas não tenho dúvidas: Marco Rubio é o republicano mais interessante do momento. O influente Ed Gillespie considerou-o o melhor comunicador do Partido Republicano desde Ronald Reagan, e também esta semana, Rubio foi escolhido para dar a resposta oficial ao discurso de Barack Obama sobre o Estado da União. E apesar de estarmos ainda a três anos dos caucuses do Iowa, os seus passos dos últimos tempos têm fornecido importantes pistas que já terá em mente as eleições presidenciais de 2016.

 

A sua história de vida tem tudo para gerar empatia no povo americano: filho de imigrantes cubanos, o pai empregado de restaurante, a mãe, empregada de hotel, estudou na Universidade de Miami e cedo começou a destacar-se na política local. Chegou a Speaker da Câmara dos Representantes da Flórida aos 35 anos, sob o patrocínio de Jeb Bush, na época governador do estado. Em 2009 avançou para a conquista da nomeação para o Senado contra o então poderoso e popular governador do seu partido. Cedo reuniu apoios dos sectores mais conservadores, mas ao contrário de outros candidatos apoiados pelo tea party, também de algumas personalidades do establishment, como Karl Rove ou Mitt Romney. Demorou pouco tempo até começar a subir nas sondagens, que tornou inviável a candidatura do adversário, que saiu do partido e candidatou-se como independente. Mais tarde, Rubio foi facilmente eleito senador.

 

Mas a vitória nas eleições para o Senado foi apenas o inicio de uma história, até ao momento, de grande sucesso. Após a dura derrota do GOP em Novembro, é já considerado por muitos como líder do Partido Republicano. Tem-se dedicado a construir uma máquina política através do seu gabinete no Senado, tem feito pontes com diversos republicanos e até democratas, e é já uma das vozes mais relevantes no debate político. Utilizando o seu capital político nas hostes conservadores, tem liderado o debate sobre a reforma da imigração, assumindo o papel de porta voz da mudança do GOP nesta matéria. Será que o carisma, a oratória e a telegenia de Rubio o colocam desde já como favorito para a nomeação de 2016? Se as eleições fossem daqui a um ano, talvez respondesse afirmativamente. Mas em política três anos é uma eternidade e muito ainda pode acontecer. Mas este é o republicano a seguir com muita atenção nos próximos anos. 


02
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 12:47link do post | comentar

O Bernardo Pires de Lima certeiro no DN sobre o debate da imigração

 

Costuma-se dizer que qualquer norte-americano descende de imigrantes, herança cultural que torna a reforma da lei de imigração politicamente incontornável. Mas a razão porque ela voltou ao topo da agenda é outra. Dia 6 de novembro de 2012 o partido republicano bateu no fundo na captação do voto latino: Obama bateu Romney por 71%-27%, fator determinante para a derrota. O GOP tinha radicalizado o discurso sobre imigração (até contra George W. Bush) e nem conseguiu apontar o dedo à promessa não cumprida de Obama sobre flexibilização legislativa. A queda sustentada do eleitorado latino - Bush em 2004 (40%) e McCain em 2008 (31%) - provou ser impossível continuar a confiar cegamente no eleitorado branco (72% do total).


Revelou ainda que um candidato republicano com intenções de ganhar as presidenciais tem de construir soluções para a imigração que sejam próximas do consenso bipartidário e das múltiplas sensibilidades do Congresso. Foi isto que na noite eleitoral ficou claro na cabeça do senador republicano, Marco Rubio, um dos filhos da imigração cubana na Florida e estrela em ascensão para 2016. Rubio percebeu que não podia esperar pela iniciativa de Obama e que tinha de ser ele a liderar o debate no partido. Rubio sabe que a reforma legislativa será longa e debatida sem tréguas, que assentará no reforço do controlo da fronteira com o México e no cardápio de regras que um imigrante ilegal tem de alcançar para ter visto de residência e cidadania (desde a aprendizagem do inglês ao sucesso universitário).


Os 11 milhões de imigrantes ilegais são um problema social, político e cultural para os EUA. Mas são também um dos maiores desafios para democratas e republicanos: os dois vão poder mostrar quem percebeu as eleições, a demografia nacional, a segurança interna, o rigor da contratualização laboral, a própria herança cultural do país. Marco Rubio é o camisola amarela.


10
Ago 12
publicado por Nuno Gouveia, às 15:10link do post | comentar | ver comentários (2)

Com o fim da silly season da campanha presidencial americana, vamos entrar na sua recta final, com os principais pontos de interesse: a escolha do VP de Romney, as convenções e os debates. Até ao momento, os sinais parecem favoráveis a Obama. Lidera ligeiramente nas sondagens nacionais e nos swing-states, e a sua estratégia de Verão tem corrido bem. Mas agora entramos na fase decisiva. Deixo de parte as convenções e os debates, e centro-me sobretudo na escolha de Mitt Romney para seu parceiro no ticket republicano. 

 

A opção de Mitt Romney, mesmo que não tenha grande impacto na decisão final de Novembro (e acredito que terá alguma), será sempre decisiva para a narrativa histórica que se fizer da sua campanha presidencial. E, apesar dessa narrativa revelar-se apenas depois do desempenho da sua escolha durante a campanha, a opção em si acarretará um significado simbólico. Considero que Mitt Romney tem três opções em cima da mesa, com vantagens e desvantagens, e que terão influência no resto da sua campanha. 

 

Convencional

Os nomes mais apontados para esta opção são Rob Portman, senador do Ohio, e Tim Pawlenty, antigo governador do Minnesota. Ambos enquadram-se naquilo que os analistas americanos consideram o "homem branco aborrecido e competente". Com muita experiência política, ninguém colocaria em causa as suas habilitações para ocuparem o cargo de Presidente, reforçariam o epíteto de uma candidatura pronta para governar e poderiam aumentar o apelo do ticket no Midwest. Portman seria uma ajuda para vencer o Ohio (nenhum republicano foi eleito Presidente sem vencer o estado) e Pawlenty poderia colocar o Minnesota em disputa, apesar dos republicanos não vencerem aqui desde 1972. Diria que analisando o percurso político e de vida de Romney, estas são as opções mais fortes.

 

Entusiasmo

Marco Rubio, Bobby Jindal, Chris Christie e Paul Ryan. Qualquer um destes nomes iria transformar esta eleição e iria introduzir uma dose enorme de energia na campanha de Mitt Romney. O senador da Florida, descendente de pais cubanos e favorito do Tea Party, tem uma história de vida formidável e, quase de certeza, ajudaria Romney a conquistar o seu estado natal. É carismático, tem o dom da oratória e tem apenas 41 anos. Seria muito atacado pela sua inexperiência, mas penso que seria extremamente positivo para os republicanos nos hispânicos em alguns swing-states (além do seu estado, Colorado, Nevada e Novo México). Com a mesma idade, Paul Ryan, congressista do Wisconsin, poderia ajudar a transformar o seu estado mais competitivo, e introduziria no debate temas como a reforma estrutural dos programas sociais e o combate ao défice. Os democratas gostariam desta opção, pois consideram que as suas propostas são impopulares no eleitorado independente. Mas Paul Ryan, um dos líderes intelectuais do GOP, teria um impacto extraordinário nesta campanha. Chris Christie, o bombástico governador de New Jersey, é um dos líderes desta nova geração de republicanos. Seria um acréscimo de qualidade no debate político, e o confronto político ganharia com a sua escolha. Além disso, poderia ajudar Romney no seu estado, apesar das possibilidades de vencer são diminutas. Os democratas pensam que poderiam ganhar pontos devido ao estilo conflituoso de Christie, mas basta observar os índices de popularidade dele no seu estado, tradicionalmente democrata, para pensar-se que talvez não seja bem assim. Por fim, Bobby Jindal, que não acrescenta grande coisa em termos regionais, pois a Louisiana, onde é governador, ou o Sul, é território seguro para os republicanos. Mas com a sua experiência aos 41 (já foi congressista, membro da administração e está no segundo mandato) fortaleceria Romney e iria receber amplo apoio da base conservadora. 

 

Surpresa

Sarah Palin em 2008 foi uma enorme surpresa e essa experiência é hoje considerada um fracasso. Não é de prever que Mitt Romney volte a optar num total desconhecido para o cargo, sendo que há duas opções, que têm sido muito pouco faladas e se enquadram nesta categoria: o governador de Porto Rico, Luis Fortuño e Kelly Ayote, senadora do New Hampshire. As hipóteses destes dois nomes são ínfimas, mas nunca se sabe se a campanha de Romney arrisca. Se a opção for de risco total, apostaria nestes dois nomes.  Outras surpresas seriam os nomes de Condoleezza Rice, do general David Petraeus ou do governador da Virgínia, Bob McDonnel. 


01
Ago 12
publicado por Nuno Gouveia, às 17:04link do post | comentar | ver comentários (20)

Julian Castro: AP Photo/Pat Sullivan


Esta semana o nome de Julian Castro, mayor de San Antonio, no Texas, saiu do anonimato ao ser anunciado como Key Note Speaker da Convenção Nacional Democrata de Charlotte, que se realiza em Setembro. Com apenas 37 anos, este democrata formado em Stanford e Harvard, e descendente de mexicanos, é a grande aposta do seu partido para a convenção. Este discurso, se correr bem, poderá catapultar Castro para outros voos. Recordo que em 2004 ninguém conhecia o desconhecido Barack Hussein Obama quando foi convidado para John Kerry para proferir discurso idêntico na convenção. 

 

Ontem, Ted Cruz, descendente de cubanos e formado em Princeton e Harvard, venceu ontem no Texas a nomeação republicana para o Senado, o que na prática quer dizer que irá viajar para Washington em Janeiro do próximo ano para substituir Kay Bailey Hutchison no Senado americano. Solicitador-Geral entre 2003 e 2008, chegou também a fazer parte da Administração Bush, foi ganhou as primárias ao preferido pelo establishment estadual do GOP, mas obteve o apoio do Tea Party e das figuras mais proeminentes da ala conservador do Partido Republicano. Uma figura a ter em atenção no futuro.

 

A estes dois exemplos revelados esta semana junta-se Marco Rubio, o jovem senador da Florida que tem sido insistentemente apontado pelos media americanos como candidato a Vice Presidente de Mitt Romney; Susana Martinez, governadora republicana do Novo México e também ela tem constado na shortlist de Mitt Romney, Brian Sandoval, também ele eleito governador republicano do Nevada em 2008, Antonio Villaraigosa, mayor democrata de Los Angeles e provável futuro governador do estado. A ascensão de políticos hispânicos não surge por acaso: este é o grupo demográfico em maior crescimento no país e a sua influência na sociedade americana não vai parar de crescer nos próximos anos. Se os Estados Unidos elegeram pela primeira vez um afro-americano em 2010, não deverá estar muito longe a leição de um hispânico. Diria que, caso Obama seja reeleito, isso pode bem suceder já em 2016, com a provável candidatura de Marco Rubio. Destes nomes que referi, apenas Cruz nunca poderá candidatar-se ao cargo de Presidente, pois nasceu no Canadá, quando os seus pais estavam exilados de Cuba. 

 


17
Jun 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:42link do post | comentar | ver comentários (10)

Barack Obama emitiu na sexta-feira uma ordem executiva para impedir que as autoridades deportem jovens ilegais que estejam a viver em território americano. Segundo as estimativas, serão perto de 800 mil que poderão ser abrangidos por esta espécie de amnistia. Apesar de haver quem considere que o Presidente não tem autoridade para decretar esta ordem executiva (Obama há um ano disse qualquer coisa semelhante), esta é uma medida que terá impactos na campanha. O Presidente continua a apostar em reforçar a sua base eleitoral, o que tem sido muito inteligente da sua parte. Depois do apoio ao casamento gay, para motivar o eleitorado jovem, agora esta medida executiva dedicada aos hispânicos, que também coloca problemas a Romney. Este tem um grande défice de apoio nesta comunidade, pois a última sondagem que li dava apenas 23% a Romney contra os 61% de Obama. Esta decisão atira para a agenda mediática a discussão sobre a imigração ilegal, uma área em que Obama não investiu nestes quatro anos e que tinha sido uma promessa de campanha. Apesar desta acção não atacar o problema de fundo (são cerca de 12 milhões de ilegais no país), dá-lhe algum fôlego eleitoral. 

 

Romney reagiu contra o método e não propriamente contra a medida, dizendo praticamente o mesmo que Marco Rubio, que poderá ser um dos beneficiados desta situação. Romney necessita de recuperar no eleitorado hispânico, e a sua grande cartada pode ser a escolha de Rubio para candidato a Vice Presidente. Por enquanto, as sondagens indicam que essa escolha lhe dará uma vantagem na Florida, mas é incerto que impacto terá no eleitorado hispânico de outros estados. Rubio é descendente de cubanos e há quem defenda que o resto dos hispânicos, que são maioritariamente oriundos do México e de outras comunidades do continente, não serão levados a votar em Romney por causa do senador da Flórida. Eu penso que não, e que Rubio pode ser uma boa ajuda para Romney em estados como o Nevada e Colorado, com grandes comunidades hispânicas e que as sondagens indicam estarem situação de empate técnico. De resto, nos restantes swing states, a Florida com Rubio estará quase assegurada e em estados como o Ohio, Iowa, Michigan, Wisconsin, Virgínia, Pensilvânia ou New Hampshire o voto hispânico é reduzido. Cada vez mais vejo Marco Rubio, senador de 41 anos, como candidato a Vice Presidente de Mitt Romney. E esta acção de Obama, que coloca os republicanos em dificuldades, poderá contribuir para que tal suceda. 


09
Jun 12
publicado por Nuno Gouveia, às 12:01link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

Mitt Romney poderá avançar mais cedo com o nome do seu parceiro no ticket republicano. Até há bem pouco tempo esperava-se que anunciasse a sua escolha bem perto da Convenção Nacional Republicana, que se realizam em Tampa entre 27 e 30 de Agosto. Mas têm sido publicadas notícias que Romney poderá fazê-lo mais cedo para potenciar a angariação de fundos durante os meses do Verão. Entretanto surgiram rumores que Rob Portman e Paul Ryan já tiveram audiências privadas com Mitt Romney e que em breve será a vez de Marco Rubio. Estes são os nomes que tem sido mais referidos pela imprensa, juntamente com Chris Christie, Bob Jindal e Bob McDonnell. Conhecendo o perfil de Mitt Romney, desta vez não será de esperar nenhuma grande surpresa no escolhido, como aconteceu em 2008, pelo que é bem provável que estes sejam mesmo os finalistas. 


29
Mar 12
publicado por Nuno Gouveia, às 09:04link do post | comentar | ver comentários (1)

 

"I am going to endorse Mitt Romney and the reason why is not only because he will be the Republican nominee, but he offers at this point, such a stark contrast to the president's record. I mean, look at the President's record. This is someone has run the country, not very well over the last 3 years, but has no experience beyond doing that"

"At the same time, he has no experience with the private sector or the free enterprise system. In Mitt Romney, we have a candidate, an alternative, in addition to being successful as a Governor running an important state in this country, he has also been successful in the private sector and offers a very clear alternative to the direction that this president's going to take our country," 

 

O endorsement de Marco Rubio era provavelmente o mais apetecível deste ciclo eleitoral. E foi com estas palavras que ontem à noite o senador da Flórida se colocou ao lado da candidatura de Mitt Romney. Depois do apoio de Jeb Bush, e a das palavras calorosas de Jim DeMint e Lindsay Graham, restam poucas dúvidas que Romney tem o caminho aberto para a nomeação. Depois de ter afirmado que não iria declarar o apoio a ninguém nestas primárias, Rubio volta atrás, precisamente num momento em que tem havido muita especulação que será o escolhido para candidato a Vice Presidente. E por muito que Rubio continue a negar essa possibilidade, sabemos que ninguém diz não a tal convite.

 

Ao contrário do que tem sido dito, incluindo por nós neste blogue, é possível que Romney consiga fechar a nomeação já em Abril, pois pode vencer todos os estados. O mais difícil, a Pensilvânia, pode ser decisiva caso Romney consiga derrotar Rick Santorum no seu estado natal. Ontem saiu uma sondagem que o colocava apenas dois pontos atrás.


31
Jan 12
publicado por Nuno Gouveia, às 21:19link do post | comentar

 

Marco Rubio já tinha sido um importante aliado de Mitt Romney na semana passada, ainda que não tenha declarado o seu apoio. Quando se espera por uma vitória confortável de Mitt Romney nas primárias de hoje na Florida, Rubio disse que o vencedor será provavelmente o nomeado do GOP. Apesar de Newt Gingrich já ter prometido continuar na corrida até à Convenção de Tampa. Rubio pode ter optado por não declarar o seu endorsement a ninguém nestas primárias. Mas foi valioso para Romney. 


01
Abr 11
publicado por Nuno Gouveia, às 16:47link do post | comentar

O senador da Florida foi a figura mais “emblemática” da onda republicana das eleições do ano passado. Com apenas 39 anos, Rubio chegou a Washington como uma das novas estrelas do Partido Republicano. Inicialmente apoiado pelo tea party contra o então popular governador Charlie Crist, venceu a eleição na Florida de forma categórica, e assumiu, desde logo, uma posição de destaque dentro do GOP. Não se deixando colar ao tea party, Rubio assumiu nestes primeiros meses uma discrição total, recusando dar entrevistas e a participar no debate nacional. Mas esta semana tudo mudou.


Quebrando com os líderes do seu próprio partido, Rubio assumiu que não continuaria a apoiar as resoluções do Congresso para manter o Governo a funcionar numa base de curto prazo. Ou se negoceia um orçamento com substanciais cortes na despesa federal, ou Rubio não apoiará as medidas. Uma posição de força, juntando-se aos sectores mais conservadores do Partido. E num passo ainda mais invulgar para um jovem senador, Rubio pediu, em carta enviada aos líderes de ambos os partidos no Senado, para formularem uma resolução autorizando o Presidente Obama a intervir na Líbia, pedindo mesmo que a missão seja a mudança de regime. Não por acaso, esta notícia foi primeiro anunciada pela Weekly Standard, revista muito próxima do movimento neoconservador.  Para assinalar estas posições, Rubio deu esta semana várias entrevistas a jornais e televisões, contribuindo para aumentar a especulação em redor do seu papel no futuro do partido.


Rubio já assumiu que não será candidato presidencial em 2012. Seria um erro alguém que apenas está há três meses em Washington, candidatar-se já. Mas, apesar de tudo, não descartou totalmente o lugar de Vice-presidente. O seu nome certamente constará na shortlist de todos os candidatos. Mas o que pretenderá Rubio com estas posições? Em primeiro lugar, assumir um papel de destaque no debate nacional sobre as principais questões que afectam a governação em Washington. Ao exigir mais cortes na despesa, assume a posição preferida pelos conservadores e pelo tea party no debate sobre o défice. Afinal de contas, esta foi a sua principal plataforma de ideias durante a campanha do ano passado. E ao assumir, sem margem para dúvidas, que o excepcionalismo americano que defende não é apenas oratória, Rubio declara apoio à política de Obama para a Líbia, indo mais longe do que intenção demonstrada pela Casa Branca. Em ambos os casos, Rubio quebra com parte do seu partido. Rubio está a demonstrar que tem as características de liderança. Em 2016, caso Obama vença a campanha de reeleição, ou em 2020, acredito que teremos Marco Rubio como candidato presidencial. 


06
Nov 10
publicado por Nuno Gouveia, às 19:00link do post | comentar

Marco Rubio foi a escolha do Partido Republicano para a mensagem ao povo americano após as eleições intercalares. Quase que aposto que será também o escolhido para a resposta ao discurso do Estado da União de Barack Obama no próximo ano. Ainda não tomou posse e já é um dos líderes mais mediáticos do Partido Republicano.


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog