02
Fev 16
publicado por Nuno Gouveia, às 21:28link do post | comentar

Nos últimos meses prognostiquei, e também aqui, que estas eleições iriam ser decididas entre Ted Cruz e Marco Rubio (com vantagem para este último) e que Hillary Clinton teria uma nomeação mais ou menos facilitada. Apesar dos últimos tempos terem desmentido parcialmente essa minha previsão, mantenho a minha aposta quanto aos nomeados. Se isso suceder, então as regras não escritas das primárias ainda contarão alguma coisa, e Rubio será o escolhido porque é aquele quem tem mais hipóteses de unir as facções do partido e de vencer as eleições gerais, enquanto Hillary, que está há mais de uma década a concorrer, desta vez não falhará a nomeação. Se analisarmos o estado da corrida, mesmo depois dos resultados do Iowa, encontramos algumas fragilidades nessa minha previsão inicial, é verdade. O radicalismo de ambos os lados, com a candidatura insurgente de Bernie Sanders, o candidato mais à esquerda desde George McGovern em 1972, e com o populismo xenófobo de Donald Trump e o radicalismo ideológico de Ted Cruz, está a ameaçar o status quo partidário americano. Mas vamos por partes. 

 

Hillary Clinton ontem apenas venceu no Iowa devido a tecnicalidades (consta-se que ganhou seis caucus com moeda ao ar) e parte para o New Hampshire em maus lençóis. Isto apesar de manter uma grande vantagem nos estados seguintes, na Carolina do Sul e Nevada, e liderar confortavelmente as sondagens nacionais. Mas tudo pode precipitar-se após o New Hampshire, onde é esperada uma vitória de Bernie Sanders. Este, com um discurso populista (recorde-se que o candidato afirma-se socialista, uma palavra maldita no mainstream americano), propõe-se a liderar uma revolução contra Washington - ele que está lá desde 1991, primeiro no Congresso e depois no Senado. Ontem teve o apoio entusiástico da juventude, com mais de 84% dos votos dos eleitores com menos de 30 anos, a fazer recordar as votações de Obama em 2008. Mas o problema para Sanders é que ele, velho senador de 74 anos, não mostrou ainda que tem condições para replicar a coligação de Obama, ao não captar o voto das minorias étnicas e das mulheres. O voto da juventude será escasso para o levar à nomeação. Precisará de alargar o seu apoio, sobretudo em relação às minorias, sem as quais não conseguirá obter a nomeação. Nas próxima semanas, Hillary Clinton terá de fazer o seu trabalho: tentar perder por pouco no New Hampshire e selar vitórias categóricas no Nevada a 20 de Fevereiro - onde ganhou em 2008 -  e na Carolina do Sul a 27, onde é amplamente favorita, dado a elevada população afro-americana. Se for assim, chegará à Super Terça-feira, a 1 de Março, com reais hipóteses de selar a nomeação nessa semana. Repito, isto é o cenário mais plausível. Não quer dizer que vá acontecer, principalmente se Bernie Sanders começar a crescer nos inquéritos nacionais e no Nevada e Carolina do Sul. É que apesar de ter perdido ontem por poucos, a sua cobertura mediática foi positiva e isso pode catapultá-lo para outros voos. Improvável, mas possível.

 

No Partido Republicano, é bem mais complicado tentar adivinhar os próximos passos. É bem possível que após o New Hampshire haja uma total redefinição do leque de candidatos, com vários abandonos, e que fique uma corrida a três, entre Ted Cruz, Donald Trump e Marco Rubio. Só no final desta semana é que começarão a sair sondagens efetuadas após o Iowa, e é preciso esperar para analisar os estudos estaduais e nacionais. Diria que Marco Rubio e Ted Cruz tenderão a crescer e Donald Trump a descer. O senador do Texas irá competir no New Hampshire, mas a sua cabeça passará a estar na Carolina do Sul, onde os evangélicos representam mais de 60% do eleitorado e que lhe podem dar uma vitória a 20 de Fevereiro. Trump tentará obter uma vitória no New Hampshire e até tem tido uma grande vantagem nas sondagens neste estado, mas resta ver o quanto irá descer depois da derrota de ontem. Marco Rubio não precisa de ganhar, embora se tal acontecesse, assumiria desde logo o estatuto de principal favorito e partiria para a Carolina do Sul com grande força para derrotar Ted Cruz. Mas o principal objectivo de Rubio será ficar bem acima dos 20% e eliminar já no New Hampshire a concorrência pelo estatuto de candidato das elites e do mainstream do partido. Para isso, terá que anular John Kasich, Chris Christie e Jeb Bush. Estes tiveram resultados péssimos no Iowa, mas isso já era esperado, e jogam tudo no New Hampshire. Não parece credível, no entanto, que algum destes candidatos mais centristas consigam sobreviver nas próximas semanas. Isto quererá dizer que Marco Rubio será a última esperança dos republicanos moderados, um cenário que já se vem desenhando há algum tempo. Ted Cruz seria o candidato mais à direita do Partido Republicano desde 1964. Donald Trump, bem, seria o elemento mais estranho de sempre a ser nomeado por um dos dois partidos do sistema político americano. O mais parecido que apareceu foi George Wallace, o antigo democrata que se candidatou como independente numa plataforma racista em 1968. De qualquer forma, parece que esta vai ser uma corrida longa e será difícil que a 1 de Março haja vencedor definitivo. Prevejo uma longa corrida, com Rubio a vencer no final Cruz e/ou Trump. A menos que Rubio consiga vencer no New Hampshire e Carolina o Sul, imitando Mitt Romney e John McCain. Improvável, mas possível.

 

Se isto tudo não tiver passado de um grande entretenimento, então teremos Hillary Clinton de 68 anos contra Marco Rubio de 44 anos. Um grande gap geracional em confronto. O inverso que tivemos em 2008, com John McCain de 71 anos e Obama, de 46 anos.

 


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog