06
Mar 16
publicado por Alexandre Burmester, às 22:50link do post | comentar

Sábado 5 de Março pode vir a ficar na História como o dia em que a candidatura de Donald Trump começou a soçobrar. Ou não. 

 

É indesmentível, como ponto de partida desta análise, que a aura de quase invencibilidade do bilionário de Nova Iorque sofreu um golpe neste "Semi-Super Sábado". Com efeito, e com excepção dos "caucuses" de Iowa, foi esta a primeira jornada eleitoral em que Donald Trump não só não venceu mais eleições que os rivais, como até conquistou menos delegados que um deles, e isto em contraste com o que as sondagens faziam prever.

 

Não sou de opinião que as sondagens estivessem todas erradas. Para além das dificuldades técnicas que a realização de sondagens sobre "caucuses" encerram (Maine, Kentucky e Kansas tiveram "caucuses"), parece muito provável que tenha havido flutuações de última hora no eleitorado, já não captadas pelas sondagens. É o caso, principalmente, da Louisiana, onde as últimas sondagens davam uma vantagem de entre 12 e 17 pontos a Trump, mas em que este acabou por vencer por apenas 3,6%. Com efeito, na contagem dos votos antecipados (os daqueles que votaram antes do dia das eleições), Trump tinha uma folgada margem mas, à medida que foi sendo feita a contagem dos votos do próprio dia, Ted Cruz foi-se aproximando, chegando a pôr em risco a vitória de Trump. No Kansas, a última sondagem dava uma margem da ordem dos 6% a Trump, e contudo Cruz venceu por uns avassaladores 25 pontos. No Kentucky houve mais uma disputa renhida, com Trump  a vencer Cruz por pouco mais de 4 pontos, e no Maine, território que parecia favorável a Trump, anterior vencedor das primárias em estados da Nova Inglaterra, e onde, ainda por cima, recebeu o apoio do respectivo governador, Cruz teve uma vitória surpreendente, com 13 pontos de vantagem.

 

A que se ficou a dever esta aparente viragem? O debate de 5ª feira passada deve ter influído, não só no desgaste da imagem de Trump, como na do seu principal atacante dessa noite, Marco Rubio, o qual pode assim ter muito bem cometido um suicídio involuntário, ao mesmo tempo que favoreceu a estratégia anti-Trump do "establishment" do partido (à falta de melhor expressão). Há também a forte possibilidade de muitos eleitores republicanos (e estas quatro eleições foram todas "fechadas", isto é, só de acesso a republicanos, situação em que Trump tem obtido resultados menos bons) estarem a decidir concentrar os votos no candidato que aparece com mais possibilidades de parar Trump, o Senador Cruz.

 

 

trumpcruzgetty.jpg

 

A noite foi, sem dúvida, muito boa para o senador pelo Texas. Mas, exceptuando o Maine, estava em terrenos que, em princípio, lhe eram favoráveis. No dia 8 votam Havai, Idaho, Michigan e Mississippi, um espectro geográfico e demográfico mais diverso. No Michigan haverá também que prestar atenção ao desempenho de John Kasich, pois trata-se de um estado vizinho do Ohio, onde é o governador. Nesse dia poderemos talvez confirmar se as notícias acerca do declínio de Donald Trump eram ou não largamente exageradas, como diria Mark Twain.

 

Uma nota final para as primárias democráticas do mesmo dia 5: duas vitórias folgadas de Bernie Sanders, mais que compensadas por uma, também ela folgada, de Hillary Clinton no mais importante estado da noite, a Louisiana. Nada de novo, portanto, nesse campo. Sanders continuará na corrida, à espera de melhores dias, mas o seu destino está traçado. A sua permanência, contudo, não deixa de ser incómoda para Clinton, obrigando-a a tomar posições à Esquerda que poderão ser-lhe prejudiciais na eleição geral.

 

 


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog