09
Mar 16
publicado por Alexandre Burmester, às 18:45link do post | comentar

download.jpg

 

Algumas notas sobre as primárias de ontem.

 

Para variar, começo pelos democratas, pois foi aqui que se registou a grande surpresa do dia. De facto, Bernie Sanders, contra todas as sondagens e vaticínios, obteve uma das maiores surpresas eleitorais dos últimos anos, ao vencer a primária democrática do Michigan. Foi uma vitória por apenas 1,5% dos votos, é certo, mas todas as sondagens davam a Hillary Clinton vantagens muito folgadas.

 

Como foi esmagadoramente derrotado no Mississippi, o senador pelo Vermont acabou por recolher menos delegados que a sua adversária no dia de ontem. De qualquer modo, terminaram as primárias no "Deep South", terreno que se revelou especialmente favorável à antiga Secretária de Estado. Os olhos estão agora postos noutros grandes estados industriais, semelhantes, portanto, ao Michigan, onde se realizam primárias no próximo dia 15: Illinois e Ohio. Também aqui as sondagens não favorecem Sanders, mas a sua vitória no Michigan poderá dar uma nova dinâmica à sua campanha.

 

Clinton continua a ser, de longe, a favorita, até porque cerca de um terço dos delegados necessários à obtenção de uma maioria na convenção democrática (uns 700) estão na categoria dos chamados "super-delegados", e representam largamente a máquina partidária (o "establishment", para se usar um termo que tem vindo a ser muito aplicado na corrida republicana, bastante mais democrática neste aspecto, já agora). Além disso, tem já uma larga maioria no número de delegados conquistados. Mas, como já anteriormente referi, a permanência de Sanders na campanha representa um incómodo assinalável para Clinton.

 

Entre os republicanos, o fenómeno da divisão dos votos entre vários candidatos continua a favorecer Donald Trump, em termos de vitórias, que não em termos de delegados conquistados (ontem, voltou a angariar menos que a soma dos conquistados pelos seus antagonistas).

 

É certo que, perante os resultados do último sábado, Trump ontem conseguiu estancar uma aparente hemorragia. Venceu o estado mais importante do dia, o Michigan, mas com 37% dos votos, contra 25% e 24%, respectivamente, de Ted Cruz e John Kasich (a disputar, finalmente, terreno mais favorável para si). Juntou-lhe uma vitória no Mississippi e uma no Havai, este último um estado pouco importante em termos de delegados. Ted Cruz ficou em segundo em todos estes três estados e venceu no Idaho.

 

A próxima Terça-Feira apresenta-se, portanto, como um dia crucial para a corrida republicana. Se Marco Rubio e Kasich não vencerem os seus estados de Flórida e Ohio, respectivamente, é difícil ver como poderão manter-se na corrida, especialmente o primeiro, sobre cuja manutenção na corrida até esse dia vêm, inclusivamente, levantando-se dúvidas. E a partir desse dia, inclusive, a maior parte das primárias atribuirão a totalidade dos delegados ao respectivo vencedor.

 

Para terminar: sondagens nacionais dos últimos dias, com confrontos virtuais entre apenas dois dos candidatos republicanos, dão vantagem tanto a Cruz como a Rubio sobre Trump (Kasich não foi considerado). O "establishment" republicano, para grande parte do qual Ted Cruz também era, até há pouco, anátema (mais pelo seu estilo que pelas suas propostas políticas, diga-se), está, lentamente, a tentar acomodar-se à ideia de que Cruz poderá ser o último obstáculo à nomeação de Trump.


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog