14
Jan 15
publicado por Alexandre Burmester, às 17:06link do post | comentar

capitol-hill-briefly-on-lockdown-after-reports-of-

 

 

 

Fizemos um longo interregno, ou hibernação, como digo no título, mas, agora que se aproximam as eleições presidenciais de 2016, decidimos voltar à faina.

 

É verdade que ainda estamos quase a dois anos das referidas eleições, mas a época de campanha não-oficial nos EUA tem vindo a começar cada vez cedo, e esta vez não será excepção, se bem que as coisas estejam mais paradas que em anteriores ciclos. 

 

Houve também em Novembro uma mudança do equilíbrio de forças em Washington, com  a conquista do Senado por parte do Partido Republicano e o reforço da sua maioria na Câmara dos Representantes (onde tem agora a sua mais forte representação em mais de 80 anos). Também a nível de governadores de estado os republicanos estão actualmente numa posição muito forte, com 31 dos 50 governadores. O domínio republicano do Congresso significará, muito provavelmente, o uso frequente do veto por parte do Presidente Obama, já que os republicanos, que estão numa maioria de 54-46, não deixarão de tentar "provocar" o uso dessa arma presidencial - que requer 67 votos para ser anulada. As votações em Capitol Hill raramente seguem linhas partidárias rígidas, mas mesmo contando em vários casos com o apoio de senadores democratas, dificilmente os republicanos conseguirão ultrapassar os vetos presidenciais. Isto não significa que tudo o que chegue à secretária do Gabinete Oval seja vetado, claro, mas aproximam-se algumas interessantes batalhas, a começar com o já famoso oleoduto Keystone XL (um dos partos mais longos da História), ligando a província canadiana de Alberta ao Golfo do México, a cuja construção Obama se tem oposto. 

 

Voltando às presidenciais de 2016, por hoje farei apenas uma panorâmica sobre os mais fortes potenciais contendores:

 

Começando pelo Partido Democrático, ninguém discute que Hillary Clinton é não só a grande favorita, como dificilmente não será a candidata do partido. Não parece que possa acontecer uma repetição de 2008 onde, começando como favorita clara, a agora ex-Secretária de Estado se viu derrotada por um senador em primeiro mandato, pouco conhecido dos americanos. Mas daí a ir assistir-se a uma "coroação", isto é a umas primárias sem oposição de relevo, vai uma certa distância. Há três nomes que têm sido insistentemente falados como possíveis opositores de Clinton: a Senadora Elizabeth Warren do Massachusetts, o ex-Governador do Maryland Martin O'Malley e o ex-Senador pela Virgínia e antigo Secretário da Armada na Administração Reagan, Jim Webb. Os dois primeiros situam-se politicamente à esquerda de Clinton, mas Webb é um democrata atípico - trata-se de um forte defensor do direito ao porte de arma e já foi descrito como "mais anti-imigração que alguns republicanos". Numa eleição geral, um homem com o perfil de Webb seria um autêntico pesadelo para os republicanos, mas a verdade é que é difícil imaginá-lo a ser nomeado pelos democratas. Seja como for, o ex-senador já anunciou a formação de uma "comissão exploratória" de uma possível candidatura, e isto é um fortíssimo sinal das suas intenções.

 

Já no lado republicano, poderá assistir-se à mais caótica campanha desde há décadas. O número de possíveis candidatos de que se fala ronda os vinte (!), mas claro que nem todos podem ser considerados candidatos de "primeira água". Os nomes mais fortes, nesta altura e a esta distância dos "caucuses" de Iowa (tiro de partida das primárias, em Fevereiro de 2016) serão o ex-Governador da Florida Jeb Bush (que praticamente já anunciou a sua candidatura, ainda que não oficialmente), irmão de George W. e filho de George H.W., o Senador pelo Kentucky Rand Paul, e os governadores de Wisconsin e New Jersey, Scott Walker e Chris Christie, respectivamente. 

 

Enfim, será um tema a que não faltará matéria ao longo dos próximos 22 meses, e a ele o blog voltará decerto inúmeras vezes.

 

 

 

 


Que bom que voltaram! Espero que durem mais do que a última vez. Fizeram falta na cobertura das eleições de 2014. Sobre 2016, boto mais fé no Romney que no Christie.
Emerson a 17 de Janeiro de 2015 às 23:36

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog