21
Fev 16
publicado por Alexandre Burmester, às 14:56link do post | comentar

HANOVERIAn_BARON.gif-456789.jpg

 

Uma vez que se perde na noite dos tempos a última vez que o nomeado republicano não venceu Iowa nem New Hampshire (e, muito menos, esses dois estados mais a Carolina do Sul); uma vez que o Iowa está pejado de cadáveres de candidatos que lá ganharam, mas que acabaram por soçobrar; uma vez que Donald Trump venceu já New Hampshire e Carolina do Sul, e Ted Cruz venceu no Iowa; uma vez que o "terceiro homem", o melhor que até agora conseguiu foi um segundo lugar (por uma unha negra) na Carolina do Sul - é legítimo dizer-se, sob o ponto de vista convencional, que Trump é agora o claro favorito.

 

Mas se este ano de 2016 desafia as convenções no tipo de candidatos que surgiram de ambos os lados, nada impede que as não venha a desafiar na escolha do candidato vencedor da nomeação republicana (pelo menos nesta).

 

O número substancial de candidatos republicanos, mesmo reduzidos a seis antes da Carolina do Sul, dá mais relevo aos resultados até agora obtidos por Donald Trump do que teria provavelmente sucedido se eles fossem apenas uns três. Na realidade, Trump parece já ter demonstrado que o seu limite de votação está na casa dos 30%, o que significa que cerca de dois terços dos votantes o não têm apoiado (e a pouca simpatia que uns 40% dos republicanos dizem às sondagens por ele nutrirem não augura nada de bom para uma sua eventual candidatura).

 

A maioria das primárias até 15 de Março atribui delegados proporcionalmente à votação, embora com limites mínimos de 15% ou 20% para que essa atribuição proporcional tenha lugar (a Carolina do Sul, que ontem votou, atribui-os todos ao vencedor). Isto significa que as vitórias obtidas até essa data têm mais efeito na dinâmica da corrida que na angariação de delegados propriamente dita. Jeb Bush acaba de desistir, o que poderá favorecer Marco Rubio em termos de apoios financeiros e de transferência de votos. O Governador do Ohio, John Kasich, que obteve um pírrico segundo lugar em New Hampshire e ontem terminou praticamente empatado com Bush, parece decidido a continuar, esperando melhores dias em terrenos mais favoráveis para ele, como Michigan e, claro, Ohio. O seus apoiantes seriam também potenciais votantes em Marco Rubio. Ben Carson também não dá sinais de desistir, mas o seu apoio parece estar a diluir-se. O perfil dos seus votantes é mais parecido com os de Cruz que com os de Rubio.

 

Na prática, estaremos agora a entrar numa corrida a três, uma vez que é expectável a perda de força por parte das campanhas de Kasich e de Carson. Num cenário desses, e uma vez que Trump pouco mais tem conseguido que 1/3 dos votos, poderemos vir a assistir a disputas mais renhidas. Mas Cruz e Rubio parecem mais entretidos em degladiarem-se do que em enfrentarem Trump directamente, o que poderá causar danos àquele dos dois que, eventualmente, possa sobrepôr-se a Trump.

 

Finalmente: não chega ter boas e promissoras prestações. Um destes dias, Marco Rubio terá de ganhar uma primária.

 

 


Muitos dos argumentos que agora são apresentados para reduzir o favoritismo de Trump (que a maior parte do partido rejeita-o e só ganha primárias porque o campo não-Trump está dividido por muitos candidatos) também poderiam ter sido feitos há 4 anos a respeito de Romney (que ganhou a nomeação).
Miguel Madeira a 21 de Fevereiro de 2016 às 15:50

Talvez. Mas Mitt Romney teve praticamente 40% dos votos em New Hampshire, não tinha nenhum candidato verdadeiramente forte contra si e era a segunda preferência de muitos votantes republicanos, o que não sucede com Trump. E, não esqueçamos, tinha o "Establishment" do seu lado.

É se Bush resolve endossar Kasich? Ainda vejo as coisas complicadas, mas óbvio que Rubio se posiciona cada vez mais como o candidato do Establishment. Isso lhe traz grandes benefícios, mas também alguns problemas... Estou curioso pra ver como ele se comporta no palco Central. Na primeira vez que isso aconteceu ele não foi nada bem. De resto me parece que Carson se mantém na disputa apenas como um um desafio a Cruz que usou de artifícios não muito honrados para lhe roubar votos no caucus de Iowa. Aqui se faz, Aqui se paga
Emerson a 21 de Fevereiro de 2016 às 15:59

O que a Hillary mais deseja é que o nomeado do lado Republicano seja Trump, desse modo os Democratas tem a via completamente aberta para manterem a Casa Branca.
HCarvalho a 24 de Fevereiro de 2016 às 12:51

Os republicanos arriscam-se a entrar numa comédia «gore» altamente danosa caso o «clown» Trump vá disputar a eleição presidencial.
Lolita a 24 de Fevereiro de 2016 às 16:46

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog