29
Fev 16
publicado por Alexandre Burmester, às 22:53link do post | comentar

avalanche_video_northern_norway-600x337.jpg

 

Umas linhas para fazer uma análise acerca das perspectivas para esta Super Terça-Feira, entre os republicanos, e suas consequências.

 

As últimas sondagens dão um significativo apoio a Donald Trump:

 

- CNN/ORC (sondagem nacional): Trump 49%, Rubio 16%, Cruz 15%

- Texas (Emerson): Cruz 35%, Trump 32%, Rubio 16%

- Texas (ARG): Cruz 33%, Trump 32%, Rubio 17%

- Alabama (Monmouth): Trump 42%, Rubio 19%, Cruz 16%, Carson 11%

- Oklahoma (Monmouth): Trump 35%, Cruz 23%, Rubio 22%

- Georgia (Trafalgar Group - R): Trump 39%, Rubio 24%, Cruz 21%

- Massachusetts (UMass Amherst): Trump 47%, Rubio 15%, Cruz 15%, Kasich 11%

- Michigan (MRG): Trump 33%, Rubio 18%, Cruz 18%, Kasich 10%

- Kentucky (Western Kentucky Univ): Trump 35%, Rubio 22%, Cruz 15%

(dados do Real Clear Politics)

 

A sondagem nacional poderá ser um "outlier", para usar jargão dos técnicos de sondagens, ou seja, uma sondagem isolada que vai contra a tendência geral, e , como tal, não ser muito credível. A ser fidedigna, representa um substancial aumento do apoio a Donald Trump.

 

A nível dos estados que nesta terça-feira vão às urnas, as sondagens a que dou mais relevo são as do Texas, muito semelhantes uma à outra. Mostram que Ted Cruz corre o risco de não ganhar o seu próprio estado, o que poderia representar o fim da sua corrida (se tal prognóstico se pode fazer num ano como este) e mostram ainda que Marco Rubio poderá não angariar nenhuns delegados nesse estado (o mais importante dos que votam nesta terça-feira), pois o Texas exige um mínimo de 20% dos votos para atribuir delegados.

 

Dado que há estados que exigem 15% e outros 20% como mínimo para a atribuição de delegados, Cruz e Rubio correm o risco de, em alguns estados, não conseguirem qualquer delegado. E, a partir de 15 de Março, as primárias passam a atribuir a totalidade dos delegados ao vencedor em cada estado.

 

O racional para a continuidade de John Kasich na campanha é a expectativa de conseguir bons resultados nos estados industrializados do Norte e do Midwest, mas olhando para as sondagens de Michigan e Massachusetts, esse seu objectivo parece utópico.

 

Acho que a Super Terça-Feira de 1 de Março poderá ser uma autêntica avalanche favorável a Donald Trump.

 


Trump, we love you!...

LOL
Lolita a 1 de Março de 2016 às 15:17

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog