18
Nov 10
publicado por Nuno Gouveia, às 14:23link do post | comentar

A confirmação da vitória de Lisa Murkoswki na eleição para o Senado no Alaska não pode deixar de ser considerada uma derrota pessoal de Sarah Palin, ainda por cima no seu próprio estado natal. Joe Miller ganhou a nomeação republicana depois da preciosa ajuda de Palin e do tea party, mas Lisa Murkowski, uma antiga adversária dos Palin no estado, não desistiu e avançou para uma candidatura "write in". Isto significa que o seu nome não constou no boletim de voto, mas que os eleitores podiam votar nela escrevendo o seu nome. Apesar da grande improbabilidade, a actual senadora derrotou o candidato oficial republicano e está de regresso a Washington, já tendo anunciado que se manterá na bancada republicana nos próximos seis anos.

 

Sarah Palin tem dado todos os sinais que vai mesmo avançar para uma candidatura presidencial em 2012, mas o seu caminho não será fácil. Considerada inexperiente, com poucos conhecimentos e não qualificada para o cargo pela maioria dos americanos, Palin conta com o apoio da base conservadora para obter a nomeação. Mas esta derrota, aliada à de Christine O´Donnell no Delaware, é um sério aviso às suas pretensões. A última sondagem no Alaska também a coloca em dificuldades, com o seu nome a aparecer apenas em quarto lugar nas preferências dos eleitores republicanos para a nomeação do partido. Nos últimos dias tenho lido sinais que muitos republicanos conservadores perceberam o sinal recebido nestas eleições intercalares: a mensagem é importante, mas também a qualidade dos candidatos. As derrotas dos candidatos "excêntricos" no Delaware, Alaska, Colorado e Nevada, lançaram um sinal de alerta: para vencer é preciso candidatos excepcionais e que consigam conectar com o eleitorado independente. Se estes candidatos tivessem todos vencido em 2010, Palin poderia ter o trabalho mais facilitado nas primárias.

 

Todas as sondagens conhecidas evidenciam que os eleitores republicanos não estão entusiasmados com as opções presidenciais mais fortes que neste momento existem: Palin, Romney, Huckabee e Gingrich. Mais do que nunca, há espaço para um candidato insurgente. Quem poderá ser esse nome?


Curioso, com um nome desses os eleitores tinham mesmo muita vontade de que não vencesse a Sarah Palin
Flávio Gonçalves a 20 de Novembro de 2010 às 15:51

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog