02
Nov 10
publicado por Nuno Gouveia, às 16:42link do post | comentar

Nas últimas semanas foram publicadas centenas de sondagens sobre estas eleições intercalares. Nate Silver dizia que tem registado mais de 4 mil sondagens sobre este ciclo eleitoral, isto sem contar com as sondagens encomendadas por partidos ou candidatos. É uma grande indústria, que depende da credibilidade das suas previsões. Se hoje falharem haverá uma profunda revolução no mercado.

 

O resultado mais previsível: os republicanos conquistam mais de 55 lugares aos democratas na Câmara dos Representantes, irão vencer pelo menos 25 das 37 eleições para o Senado e “roubar” entre 8 e 10 lugares de governadores. Uma verdadeira hecatombe.

 

As sondagens atribuem grande favoritivismo aos republicanos, com uma maioria consistente de independentes a apoiar o partido. Mas há mais dados interessantes, que atestam a dificuldade de Barack Obama e do Partido Democrata: pela primeira vez desde os tempos de Reagan que as mulheres vão votar maioritariamente no GOP, bem como os católicos e pessoas com formação universitária, dois grupos que normalmente apoiam os Democratas. Estes apenas mantém fiéis nas suas colunas os afro-americanos e perderam alguma vantagem nos hispânicos, judeus e jovens. A coligação que elegeu Barack Obama em 2008 está a desfazer-se. Deverá ser aí que Obama e os líderes democratas se devem concentrar para vencer em 2012: recuperar estes eleitores desiludidos que vão votar em massa nos republicanos.

 

Mas nem tudo é mau para os democratas. Porque estas eleições não são uma vitória para o Partido Republicano, no sentido em que os americanos ficaram convencidos pela sua plataforma eleitoral. Nada disso. O que move estes americanos que estão a rebelar-se contra o Partido Democrata é precisamente a aversão à sua agenda. As sondagens mostram este paradoxo: apesar da maioria dos eleitores declarar votar nos candidatos do GOP, este é ainda mais impopular que o Partido Democrata. Num sistema bipartidário, quando as pessoas estão descontentes com quem está no poder votam na oposição. Mesmo que não gostem dela. É isso que está a acontecer hoje. Ambos os partidos são desconsiderados: mais de 50 por cento vê o Partido Democrata como o do “Big Government” e números idênticos vê o GOP como o partido do “Big Business”.

 


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog