24
Jun 10
publicado por Nuno Gouveia, às 22:11link do post | comentar

A propósito do que escrevi aqui, o Henrique Raposo pergunta-me sobre o que discordo no livro. Apesar  de me rever na narrativa principal defendida no livro - a decadência da Europa e a emergência das novas potências na política mundial, com os Estados Unidos a reforçar a sua politica de alianças - fui encontrando ao longo da leitura do livro algumas discordâncias, nomeadamente no que concerte à política externa americana e ao seu futuro. Aqui ficam algumas.

 

Não discordo do diagnóstico que é efectuado no livro. No que diz respeito aos Estados Unidos, partilho algumas das críticas apontadas ao primeiro mandato do Presidente Bush. Mas, por exemplo, acho que ainda é muito cedo para dizer que a guerra do Iraque foi um fracasso. Essa é a teoria dominante, pois os anos seguintes à intervenção correram muito mal. Até à "surge" de David Petraeus e ao despedimento de Don Rumsfeld, a condução da guerra tinha sido um desastre, colocando em causa muito do que se pretendia para a região. Mas a médio prazo o objectivo principal ainda pode vir a ser alcançado: um Iraque estável, democrático e aliado do EUA. Pelo caminho também serviu de palco para a luta contra a Al-Qaeda, com esta a ser severamente derrotada. Aliás, não por acaso, Barack Obama, que foi um dos principais críticos da guerra desde que assumiu o seu lugar no Senado, manteve na essência a politica de W. Bush. Bem sabemos que, e como é bem descrito no livro, uma Administração americana é quase sempre é obrigada a seguir o caminho percorrido pela anterior administração. Mas havia quem defendesse outra estratégia na Casa Branca, como o VP Joe Biden. Obama apressou o calendário de retirada no Iraque, mas sabe-se que milhares soldados americanos irão manter-se no Iraque depois da “retirada” oficial. Se daqui a 10 anos o Iraque aprofundar a sua democracia e permanecer como um aliado americano na região, a avaliação que será feita será bem diferente da actual. Especialmente se as coisas também correrem bem no Afeganistão (aqui bem mais complicada a situação).

 

Outra divergência, ainda dentro desta temática: Condoleezza Rice e a forma como é descrita no livro. Admitindo que não fosse propriamente uma neoconservadora na Casa Branca, ela defendeu a guerra do Iraque, e recordo-me de ler no livro de Bob Woodward (Plano de Ataque) que Rice era das que, ao lado de Cheney, Rumsfeld e Wolfowitz, defendia o plano de “spread the democracy” no Médio Oriente. Concordo que no segundo mandato, quando exerceu o cargo de Secretária de Estado, actuou de forma diferente, empregando uma estratégia “realista”, mas isso também tinha sido uma opção de Bush, depois do fiasco pós-invasão do Iraque. Mas isso não apaga as ideias que defendeu no primeiro mandato e o apoio que ofereceu às teorias neoconservadoras reinantes no Pentágono na época.

 

Uma outra divergência que encontro no livro, esta mais estrutural, surge quando o Henrique defende que o “excepcionalismo americano” deve ser erradicado da politica externa americana. Não me parece que tal seja possível e talvez desejável. Ao apregoar que os EUA devem “esquecer a versão pura e dura (guerras de democratização) e a versão soft (apoio a dissidentes) das mudança de regime´”, e deixar de "dar lições de moral", o Henrique está a pedir uma verdadeira revolução na política externa americana. Se a primeira parte da equação parece-me muito provável que suceda na próxima década (a existir no Irão uma intervenção militar, as cores no conflito serão outras), não acredito que a versão soft seja relegada para segundo plano. Os EUA continuarão a apresentarem-se como um “farol” para os movimentos que lutam pela democracia (o Irão é o melhor exemplo, onde alguns grupos dissidentes continuam a ser apoiados). Por outro lado, e apesar da retórica ter mudado substancialmente, os EUA continuam a apoiar a frágil democracia georgiana, ameaçada pela Rússia, e Taiwan, apesar da China. Abandonar esta política poderia significar deixar cair a Geórgia ou mesmo Taiwan, por exemplo. Ao continuar a apoiar firmemente estes países, os EUA prosseguem a via do ‘excepcionalismo americano’ de defender a liberdade e a democracia. Não me parece que os Estados Unidos  abandonem estas democracias para não afrontar os poderosos autocratas chineses e russos. Não consigo visualizar nenhum Presidente, democrata ou republicano, a desligar-se disto a médio prazo. Na verdade, no livro também se defende que isso será muito difícil de acontecer. O Partido Republicano mantém-se, apesar da crescente influência da ala libertária, empenhado nesta via. E o Partido Democrata, como se vê com Obama na Casa Branca, não mudará radicalmente. Até porque seriam sempre "massacrados" na opinião pública se tal o fizessem. Um pequeno episódio: Obama tinha recusado receber Dalai Lama em 2009, para não afrontar a China. Este ano, e depois de imensas criticas, lá o recebeu. Não digo que os EUA irão tomar passos rumo a uma nova guerra fria com a China ou a Rússia (nem devem). Mas não acho que manter esta via prejudique assim tanto as relações com a Rússia e a China. Apesar da retórica existente, durante os anos Bush, os EUA mantiveram boas relações com a Rússia e nunca as relações EUA-China tinham sido tão fortes.

 

Por fim uma palavra para a mal tratada Liga das Democracias defendida por Kagan, que isto já vai longo. Na verdade essa ideia está morta. E não acredito que regresse tão cedo, mesmo com um republicano a vencer em 2012. Mas essa ideia bem poderia bem ser um alargamento da NATO (que já é, de facto, uma liga restrita de democracias) a outros países aliados do velho Ocidente. Basta olhar para o Afeganistão e verificar que ao lado da NATO já combateram militares da Austrália, da Nova Zelândia ou da Coreia do Sul. Não estou convencido que seria desastroso para a coexistência entre democracias e autocracias.


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog