07
Nov 12
publicado por Nuno Gouveia, às 03:00link do post | comentar

Penso que se não fosse pelo que se passou nas eleições presidenciais de 2000, as televisões já teriam atribuido a vitória a Barack Obama. Com as vitórias no Nevada, Pensilvânia, New Hampshire, Wisconsin, Michigan e previsivelmente Iowa, Romney teria que vencer todos os restantes swing-states. Uma improbabilidade. Agora falta saber a margem da vitória nacional de Obama, até porque não acredito que Romney possa vencer no voto nacional. 


Com Hussein Obama à frente dos USA adivinham-se mais 4 anos negros para o Mundo.

Anti-Socialista a 7 de Novembro de 2012 às 03:41

De certeza que não é pior que os oito anos do bush
Hcarvalho a 7 de Novembro de 2012 às 03:42

É assim q acompa
Anónimo a 7 de Novembro de 2012 às 03:59

CNN confirma a reeleição ao dar o Ohio - uns minutos depois da NBC.

Os números já o apontavam desde o princípio da noite.

Bastava ver que com Florida, Virginia e mesmo North Carolina tão renhidas, e com o turnout democrata que se registava a nível nacional, Romney nunca conseguiria - salvo uma hecatombe de projecção - reunir os números suficientes nos vários Estados necessários para ganhar.

Penso que houve dois factores para não se ter dado mais cedo: 1) o "escaldanço" de 2000, como já referiram, mas também 2) alguma pressão para ir mantendo o "bicho" alimentado. Poderiam perfeitamente ter anunciado mais cedo (e na última hora, de facto, até os apresentadores já diziam quem se fossem da campanha de Romney estariam preocupados, esperando um milagre).

Enfim... obrigado pela vossa cobertura, nem liguei um único canal de TV português (para quê?). Foi CNN na TV e vários sites no laptop, entre eles o vosso, o único português (com alguns do twitter).

"Vemo-nos" daqui a 4 anos.

Um abraço
Manuel C Ferreira a 7 de Novembro de 2012 às 04:24

Told ya...

E já agora, o pessoal podia ser mais civilizado um bocadinho. Negros de merda?? Estamos em 1960???

Por favor.

Viva Obama.
Pedro Mendes a 7 de Novembro de 2012 às 09:15

Vitória da moderação, sensatez e bom senso. Tanta coisa e o autómato do Romney teve apenas mais 26 votos eleitorais que o o McCain.
LOL, o Rennie vai esgotar por aqui hoje.
HCarvalho a 7 de Novembro de 2012 às 09:42

Muito previsivel a vitória do Obama, nunca esteve verdadeiramente em causa, e não fosse o primeiro debate tenho para mim que Romney nem aos 200 membros do Colégio Eleitoral chegava.

Agora vão ser anos para o GOP pensar no que anda a fazer, porque isto de contestar tudo o que é ciência (Evolução, idade da terra...), direitos das mulheres, estado social, os "Bush's tax cuts" dá para dar grandes tareias no Alabama, mas torna dificil para "a smart people" votar neles (Santorum dixit).

Por outro lado, com o previsivel crescimento da economia, acho que os Republicanos podem começar a "comer" uma fatia importante do eleitorado hispânico aos Democratas porque com o nível de vida deles a subir, pode ser que deixem de estar tão ligados à posição sobre a imigração, e comecem a ser mais sensíveis a questões sociais e como são muuuuuito católicos podem ser levados a votar conservador.

Quanto a Obama, falta-lhe acabar a guerra no Afeganistão, defender os direitos das mulheres à contracepção e IVG, a economia continuar a crescer, já que repeliu a don't ask don't tell, agora pode fazer alguma coisa sobre as violações nas forças armadas, "quebrar" o Irão, com alguma sorte Fidel Castro morre e ele pode ajudar na transição de Cuba e levantamento do embargo, e ficará recordado como um dos melhores presidentes de sempre, logo abaixo de Washington, FDR, JFK e Lincoln, mas ao lado de Clinton...
E preparar um sucessor (Hillary terá 69 anos em 2016), e aguentar mais 4 anos de FAUX News, e Donald Trump...
João Davim a 7 de Novembro de 2012 às 10:53

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog