06
Nov 12
publicado por Nuno Gouveia, às 08:45link do post | comentar

 

O futuro político destes dois homens decide-se esta terça-feira. Ambos já fazem parte da história americana. Barack Obama, que teve uma das mais meteóricas ascensões na política americana, depois de ter passado apenas sete anos no senado estadual do Illinois e quatro anos no Senado em Washington, foi eleito o primeiro negro Presidente dos Estados Unidos. Só isso já lhe assegurou um lugar na história. Mas o seu legado como Presidente irá ser necessariamente marcado pelo resultado que tiver nestas eleições. Se perder, será um novo Jimmy Carter, um Presidente que não conseguiu ser reeleito e recordado como um fracasso. Se vencer, terá tempo para cumprir algumas das promessas e deixar uma imagem positiva da sua governação. Muito do que se disser do seu legado será ditado pela reeleição ou não. Fez uma campanha eficaz, apostou em motivar a sua base eleitoral e, ao mesmo tempo, tentou desqualificar Mitt Romney. Se na primeira parte parece ter sido relativamente bem sucedido, na segunda, teve menos sucesso. Logo veremos se a afluência às urnas dos eleitores democratas será suficiente para estancar a previsível subida entre o eleitorado republicanos e os ganhos de Romney entre os independentes. Uma coisa é certa: ganhe ou perca, não parou de lutar. 

 

Mitt Romney com um longo percurso empresarial de sucesso, herói dos Jogos Olímpicos de Inverno de Salt Lake City, governador do Massachusetts e pela segunda vez candidato presidencial, pode estar no último dia da sua carreira política ou a iniciar o último percurso, o mais importante da sua vida. Como quase sempre sucede nos Estados Unidos, os candidatos presidenciais derrotados asseguram um lugar nos livros de história, mas presumo que Romney não fique satisfeito se juntar-se a nomes como John McCain, Bob Dole, Al Gore ou Michael Dukakis, só para recordar os últimos derrotados. Se vencer, poderá colocar em prática a sua experiência para recuperar a economia americana, como tem prometido, e assumir-se como o 45º Presidente, o primeiro mórmon. Mas Romney já conseguiu uma coisa: depois das tímidas imagens deixadas por Jonh Kerry em 2004 e Michael Dukakis em 1988, um político do Massachusetts voltou a realizar uma boa campanha presidencial. Se isso chegará para imitar outro conterrâneo do estado, o 35º Presidente, é algo que saberemos em breve. Esta terça-feira estará em Cleveland no Ohio e em Pittsburgh na Pensilvânia. A imitar Obama em 2008, quando no dia das eleições fez campanha no Indiana. E ganhou lá, constituindo a maior surpresa desse ano. Romney, tal como Obama, também não desistiu de lutar pela vitória.  Penso que ambos fizeram o que tinham que fazer para ganhar. Veremos agora o veredicto do povo americano. Porque só esse conta.


Antes de mais, parabéns pela vossa cobertura deste processo, na blogosfera, na imprensa e na televisão.

Segundo, se me permitem alguma futurologia, deixo abaixo as minhas previsões (já agora) como isco para saber as dos contribuidores do blog.

Logo à noite estarei colado à tv e ao portátil.

Obrigado e um abraço.

______________

Se à meia-noite e meia derem o Ohio para o Obama, acabou para o Romney.

A minha teoria quanto às projecções é que vão dar o Ohio "too close to call" até perto das 2h da manhã, "for the sake of the show". Às duas libertam as projecções para Ohio, Colorado, Wisconsin e Minnesota. Se o Romney entretanto acumular Florida, Virginia e tiver o Ohio mais 2 destes (ou um, se for o Colorado), acabou... mas para o Obama.

Se divulgarem que o Obama ganhou o Ohio logo à meia-noite e meia é por que nos outros Swing States o Romney não está suficientemente forte. Se estiver, vão atrasar a divulgação.

Já quanto aos resultados, a minha previsão, fazendo fé nas últimas sondagens, é que o Obama vai perder a Florida e a Virginia mas ficar com a Pensilvannia, o Ohio, os estados todos à volta dos Great Lakes (excepto Indiana), o Iowa, Nevada e, talvez, Colorado. Logo, 281 ou 290 votos.

Cenários interessantes: Assumindo que tudo fica como projectado pelas sondagens mas: 1) o Romney ficar com o Ohio e o Obama com o Iowa e o Colorado, e ser decidido pelo Nevada (Matt Santos'-style), ou 2) invertendo, o Obama ficar com o Ohio e o Romney com o Iowa e o Colorado e ser decidido pelo Nevada... e o Romney ganhar o Nevada (o que me parece muito, muito difícil de acontecer) - empate a 269 votos.
______________
Manuel C Ferreira a 6 de Novembro de 2012 às 13:13

A sua análise está bastante interessante, meu caro. Todos os cenários que traça me parecem verosímeis.

Um abraço

Olá, aqui Ana Gomes do SAPO.
Ontem enviei-vos um email - receberam? Bom trabalho!
Ana Gomes (SAPO) a 6 de Novembro de 2012 às 15:07

Infelizmente não consigo aceder ao mail do Sapo. Pode por favor reenviar-me esse mail para josegomesandre@gmail.com

Obrigado!

Eu não vi o seu email, cara Ana Gomes. Não sei se algum dos meus colegas o viu. Seja como for, obrigado pelas suas felicitações!

Há rumores que as projeções do voto antecipado estariam erradas e Romney estaria na frente.
Tem credibilidade isso ou é panfletagem partidaria?
Joao Felipe a 6 de Novembro de 2012 às 16:28

Onde ouviu ou leu esses rumores, meu caro? Não os conheço

Li isso de leitores do blog \"De Nova York\" em veja.com. A fonte seria um site chamado News.Cincinatti.com.
Alguns leitores comemoraram a noticia, outros disseram que é uma artimanha para fazer os democratas comparecerem as urnas.
Joao Felipe a 6 de Novembro de 2012 às 17:39

João Felipe,

Parece que foi alarme falso, o jornal postou uma nota dizendo que aqueles dados eram uma espécie de teste

http://news.cincinnati.com/article/20121106/CINCI/121106009/?odyssey=tab%7Cmostpopular%7Ctext%7CBLOGS

"A Cincinnati.com front-page link to a chart with dummy data, created as a design template for election results, was inadvertently posted early Tuesday morning.

It purported to show early voting totals in Ohio counties. However, no votes have been counted yet – by law counting doesn't start until the polls close.

Cincinnati.com regrets the error"
nehemias a 6 de Novembro de 2012 às 18:10

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog