23
Out 12
publicado por Nuno Gouveia, às 09:32link do post | comentar

As sondagens após o debate foram claras: Barack Obama foi considerado pelos eleitores como o vencedor do último debate. Como antecipei aqui, este debate era-lhe favorável pois Mitt Romney, como se viu ao longo da noite, não tem grandes discordâncias do que tem sido feito pela Administração Obama nesta frente, ao contrário na política interna. Por isso se percebeu a estratégia de Romney, que em vez de enfatizar as pequenas diferenças que tem com o Presidente, preferiu apresentar-se como um Comandante em Chefe aceitável perante o povo americano. Já Obama surgiu novamente ao ataque, tentando capitalizar este último confronto para o seu lado. E terá sido essa postura agressiva e de confrontação que lhe terá garantido a vitória. Aliás, se dúvidas houvesse sobre o estado da corrida antes do debate, as duas estratégias foram clarificadoras: Obama jogou ao ataque e Romney jogou para o empate. Há um claro sentimento de perda na equipa de Obama, enquanto os republicanos pensam que estão na frente. Só isso explica as duas estratégias. Se o "momentum" de Romney foi parado ontem à noite? Não sei.

 

Na semana passada, depois do debate e da pequena vitória de Obama, o pensamento convencional apontava para que as sondagens iriam mover-se no seu sentido. Tal não aconteceu. Desta vez será diferente? Olhando para as opiniões carregadas de wishfull thinking (e é o que mais se lê por aí), aconselharia prudência. No estudo conduzido após o fim do debate da CNN, que deu a vitória a Obama por 48-40, cerca de 24% dos inquiridos disseram estavam mais predispostos a votar no Presidente e cerca de 25% em Romney. No estudo da PPP (D) conduzido em sete swing-states, cerca de 53% deu a vitória ao Presidente, contra 42%  Romney. Mas também aponta para que os ganhos de Obama sejam marginais: 37% dizem que estão mais próximos de votar nele contrra 31%, enquanto 38% mais abertos em votar em Romney contra 35%. E entre os eleitores indecisos? 32% por cento está mais inclinado a votar em Obama contra 48%, e 47% mais favorável a votar em Romney e 35% menos.  O que isto quer dizer? Precisamente a tal prudência que refiria. O melhor será esperar até às sondagens do próximo fim de semana para ver quem realmente mais ganhou com este debate. Porque, como já vimos neste ciclo eleitoral, o importante não é ganhar as instant polls conduzidas após os debates, mas sim qual o real efeito no sentimento dos eleitores. E para mim, esse é incerto após a noite de ontem.


mas não estará este comentário também marcado por wishfull thinking sobre a eleiçao de Romney?

Aguardemos...faltam 2 semanas de intenso combate
renato Gonçalves a 23 de Outubro de 2012 às 17:33

Pode concretizar? É que deixo em aberto se Obama vai realmente subir nas sondagens, algo que não aconteceu com o debate da semana passada.
Nuno Gouveia a 23 de Outubro de 2012 às 18:04

Concordo coma maioria do post.As sondagens "na hora" pôs debate valem o que valem e são quase irrelevantes no contexto da evolução real das intenções de voto.
A questão do wishfull thinking prende-se com a minha leitura de que o Nuno lê estes resultados numa perspectiva "leaning" para o Romeny, como outros o fizeram para o lado de Obama
renato Gonçalves a 23 de Outubro de 2012 às 18:20

Apontar números das próprias sondagens que podem indicar um movimento diferente de quem venceu não é "leaning". É mostrar que há duas possibilidades. Bem diferente é o que referi, e como li na semana passada, que Obama como venceu o debate iria subir nas sondagens. Não aconteceu. Se agora vai acontecer, é incerto. Isto nada tem de wishful thinking.
Nuno Gouveia a 23 de Outubro de 2012 às 18:35

Após o segundo debate Obama consegui, pelo menos, estabilizar as percas e ao nível do colégio eleitoral mantêm a dianteira e o caminho "mais fácil" para a vitória.
Mas sim, volto a dizer, os talking heads dos dois lados dão demasiada importância a estas polls instantâneas e tiram dai conclusões precipitadas e ajustadas aos seus interesses.Estas 2 semanas prometem
renato Gonçalves a 23 de Outubro de 2012 às 18:41

A questão que, cada vez mais, se coloca, é se Obama lidera mesmo no Colégio Eleitoral. Se Romney ganhar o voto popular por mais de 1% de vantagem, dificilmente não ganhará no Colégio Eleitoral - como a História e a Aritmética nos ensinam.

Por favor, "se dúvidas houvessem" não, HOUVESSE. Por favor.vu
leitor a 29 de Outubro de 2012 às 18:44

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog