21
Out 12
publicado por Nuno Gouveia, às 23:24link do post | comentar

2012 campaign cash: $1 billion vs. $1 billion

 

As duas campanhas já angariaram mais de dois mil milhões de dólares. E isto tudo sem colocarmos na mesa o dinheiro das Super Pacs, dos sindicatos ou dos grupos de interesse. Uma verdadeira revolução. 

 

Conclusão 1: ninguém vai perder por falta de dinheiro. A maior máquina de angariação de fundos da história da política norte-americana (Barack Obama) não conseguiu ultrapassar substancialmente a equipa de Mitt Romney. Os republicanos aprenderam bem a lição de 2008, quando John McCain, que manteve-se no sistema de financiamento público, foi pulverizado nos gastos de campanha. 

 

Conclusão 2: a decisão de Barack Obama em 2008 de abandonar o financiamento público na fase de eleições gerais mudou radicalmente o panorama na angariação de fundos. Há um antes e um depois de 2008. Aliado a esse facto, a decisão do Supremo Tribunal em 2009 Citizens United, permitindo o financiamento privado ilimitado através de Super Pacs, injectou ainda mais dinheiro nas campanhas presidenciais. 

 

Conclusão 3: será que é possível manter suster este avanço financeiro na política norte-americana? Pelo que tenho acompanhado na discussão pública, ninguém parece muito preocupado com estas enormes somas de dinheiro na vida política. A minha aposta é que nada vai mudar neste campo nos próximos tempos. Ou os políticos arranjam máquinas de angariação de fundos formidáveis ou nem precisam de pensar em se candidatarem a Presidente. Não haverá novos John McCains nos próximos tempos. 


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog