10
Out 12
publicado por Nuno Gouveia, às 01:16link do post | comentar

 

Como antecipei ontem, Mitt Romney lidera pela primeira vez desde Outubro de 2011 a média de sondagens do Real Clear Politics. Das quatro sondagens publicadas hoje, o republicano lidera em três e está em empatado na tracking poll da Rasmussen. Ao nível das sondagens estaduais, Romney aparece agora à frente em vários swing-states, e colocou estados como a Pensilvânia e Michigan em jogo. Se as sondagens a nível nacional mantiverem esta tendência, é bem provável que ultrapasse Obama na maioria dos swing-states, como no Ohio, Virgínia ou Florida. Deve a equipa de Obama entrar em pânico, como sugeriu ontem o apoiante do Presidente, Andrew Sullivan? Não me parece. 

 

Barack Obama está em maus lençóis e é provável que o rumo das sondagens continue a favor de Romney nos próximos dias. Mas a menos que aconteça uma grande surpresa, Barack Obama continua a ter um caminho mais acessível para a vitória, e ainda aparece muito competitivo nos swing-states. Os fundamentos da corrida mudaram ligeiramente a favor de Romney, mas apesar do seu "momentum", continua too close to call. Seria um erro estratégico para Obama cometer algum acto desesperado, o que normalmente acontece quando as campanhas entram em pânico. Neste momento deverão tentar inverter a tendência já no debate de quinta-feira entre Joe Biden e Paul Ryan (apesar que este debate nunca contará muito), mas sobretudo na próxima semana em Nova Iorque, quando Obama defrontar Romney pela segunda vez. Esta eleição vai ser disputadíssima, como sempre pensei, e tentar adivinhar um desfecho final continua a ser mais wishful thinking do que outra coisa. 


caros, voces sabem muito bem que a mensagem q estão a passar não é a correta. os resultados das sondagens nacionais n valem nada. têm de ver estado a estado. aí o obama está à frente, bem à frente com 251 vs 181 ainda com 105 sem definição.

Gore teve mais 3 milhoes de votos e perdeu contra Bush
acostal a 10 de Outubro de 2012 às 08:32

Sugiro transmita a sua mensagem à Gallup e à Rasmussen, meu caro. Se as sondagens nacionais não valem nada, pergunto por que as empresas que as fazem perdem tanto tempo a fazê-las. Todos sabemos que se trata de uma eleição indirecta estado a estado, mas decerto que os números nacionais têm interesse analítico.

Quanto a Al Gore, teve mais 500.000 votos que George W. Bush e não mais 3 milhões. Se tivesse tido mais 3 milhões, decerto teria ganho o Colégio Eleitoral.

as sondagens nacionais valem o que valem. não refletem em nada a tendência final da votação em cada um dos estados; por isso é que os rcp, o politico, o election center da cnn etc, etc fazem estimativas, como base nas sondagens estaduais, qual será o provável resultado final. neste momento todos sabemos como estão esses números: obama destacadissimo
acostal a 10 de Outubro de 2012 às 14:20

pode ajudar a ter uma visão mais completa e mais adequada à realidade do momento:

http://www.cnn.com/election/2012/ecalculator#?battleground

http://www.realclearpolitics.com/epolls/2012/president/2012_elections_electoral_college_map.html

http://www.politico.com/2012-election/swing-state/


acostal a 10 de Outubro de 2012 às 14:29

Eu conheço esses números do RCP, obviamente, e não pretendo minimizar a situação nos "battlegrounds", mas a verdade é que Obama lidera em muitos deles por percentagens dentro da margem de erro. O número de 251 lugares que Obama neste momento teria no Colégio Eleitoral incluem os estados "lean Obama", alguns dos quais, como Pensilvânia, Michigan e Wisconsin, estão bastante renhidos e têm vindo a tornar-se cada vez mais competitivos. E ontem a Rasmussen, na sua sondagem sobre os "battlegrounds" dava Romney à frente por 49%/47%. Além disso, é sabido que as sondagens estaduais são menos fiáveis que as nacionais.

Mas o que acha que deveríamos dizer? Que Obama está claramente à frente e Romney tem poucas hipóteses? Eu continuo a considerar Obama ligeiramente favorito, mas hesitaria em apostar numa vitória dele. E diga-se que raramente quem venceu o voto popular não ganhou a Casa Branca.

Caros Nuno e Alexandre.
Ainda acho que PA e MI estão na categoria Leans Obama. Se Romney vencer nesses estados é porque venceu a eleição. Acho que não deveria jogar dinheiro nesses estados, mas se concentar nos que estão mais apertados, principalmente Ohio.
Joao Felipe a 10 de Outubro de 2012 às 23:49

É o Sullivan que tem que se desesperar. Se Obama perder, como fica o Reagan dos democratas? :-)
Joao Felipe a 11 de Outubro de 2012 às 00:52

Fiquei curioso. Havia meses o Alexandre considerava Romney o favorito. Agora, justo no seu melhor momento ele considera a corrida empatada?
Joao Felipe a 11 de Outubro de 2012 às 00:54

Eu explico!;-) Nessa altura Romney aparecia melhor em vários swing-states que agora, e a taxa oficial de desemprego era mais alta. Além disso, é nesta altura que a eleição se torna séria. As previsões de há meses badeavam-se na realidade dessa altura e não na actual.

Ao contrário do que muitos diziam, o debate teve muito peso.
O de hoje também contará e Ryan estará melhor, é mais forte e mais ideológico, o que satisfaz muito os conservadores americanos reticentes em votar num mormon.
Para Romney a desvantagem está nos dois debates que faltam onde Obama irá pôr a carne toda no assador. Ou Romney voltará a surpreender?

Abraço e parabéns pelo blogue.
RBO a 11 de Outubro de 2012 às 12:03

Já agora mais uma nota:
Como sabemos, Romney para vencer terá de inverter os "toss up".
Neste momento em delegados temos 201/181 a favor de Obama e se os toss up mantiverem as sondagens actuais Obama alarga para 294/244.
Romney para vencer terá de ganhar,
para além de Missouri, Carolina do Norte e Colorado,
Florida, Ohio e Virginia
ultrapassando assim os 269 delegados que precisa.

Vai ser duro...
RBO a 11 de Outubro de 2012 às 12:33

Algo que me intriga nessa eleição é a propensão de certos "pundits", primeiro entre os republicanos, e agora entre os democratas de entrarem em pânico diante de qualquer dificuldade. Vejo essas manifestações como contraproducentes para os candidatos.

Obama e Romeny estão, em quase todas as pesquisas recentes, rigorosamente empatados. A situação dos swing states é levemente favorável a Obama. Portanto, não vejo a necessidade de Obama (ou mesmo Biden) ganhar decisivamente. Basta equilibrar o confronto, e evitar a atuação pífia recente. Manifestações como a de Sullivan apenas colocam pressão sobre Obama por um tudo ou nada que pode levar Obama a cometer um erro grave, ou ser prejudicado por expectativas infladas.
Nehemias a 11 de Outubro de 2012 às 13:56

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog