07
Ago 12
publicado por Nuno Gouveia, às 15:21link do post | comentar

A equipa de Romney parece apostada em dominar as atenções mediáticas com as suas escolhas para a Convenção Nacional Republicana. Hoje foi a vez de anunciarem mais quatro nomes que vão discursar em Tampa: o antigo Governador da Florida, Jeb Bush, o candidato presidencial Rick Santorum, a governadora do Oklahoma, Marry Fallin e o Senador Rand Paul, do Kentucky. A escolha em destaque, apesar de esperada, é de Rand Paul, filho do candidato Ron Paul, que tem um enorme leque de seguidores e que ainda não declarou o seu apoio a Romney. Colocar Rand Paul no palco é um prémio à ala libertária do Partido, mas pode não chegar. Rand é um político diferente do pai, que tem tido o cuidado de não fugir muito das posições mainstream do partido. Mas este apoio não será o suficiente para captar o voto dos seguidores mais fervorosos de Ron Paul, que têm exigido um papel para o congressista do Texas na Convenção.

 

Colocar Ron Paul no palco de Tampa acarreta riscos, pois ele não é político para se submeter aos ditames do nomeado republicano. As Convenções são grandes espectáculos mediáticos, encenadas ao pormenores e destinadas a promover o candidato perante o povo americano. Para muitos eleitores, este é o primeiro momento em que olham para os candidatos com atenção e começam a definir o seu sentido de voto. Há quem pense dentro do Partido Republicano que colocar Paul em Tampa pode ser um desastre mediático, desviando as atenções da agenda de Romney. Ron Paul tem posições radicalmente diferentes de Romney em áreas como a política externa e alguns assuntos sociais, como a liberalização das drogas, e a sua visão libertária, apesar de ter conquistado influência dentro do GOP, é ainda ultraminoritária na sociedade americana. Em 1992 George H. Bush ofereceu um lugar na Convenção a Patrick Buchanan, seu adversário nas primárias, que proferiu um discurso polémico que terá sido prejudicial ao candidato republicano. A dúvida é se Romney irá querer arriscar: por um lado, se Paul tiver lugar na convenção, poderá ser uma surpresa positiva, se enfatizar apenas os temas em que concorda com Romney e declarar-lhe o seu apoio. Por outro lado, se não tiver estas garantias, é provável que Ron Paul fique fora da convenção. Mas atenção: com Rand Paul a posicionar-se no establishment republicano, não é de esperar nenhum movimento agressivo de Ron Paul perante Mitt Romney neste ciclo eleitoral, ao contrário de 2008, quando declarou o apoio a diversos candidatos radicais, da esquerda à direita.

 

No entanto, Mitt Romney tem outros problemas para a convenção. Ron Paul não é o único nome polémico. Há outros que certamente desejam um convite do nomeado republicano, nomeadamente Sarah Palin, Newt Gingrich, Donald Trump e Herman Cain. Qualquer um destes nomes tem o potencial de "estragar" os planos da equipa de Romney, pois são conhecidos pelos seus discursos explosivos. Não serão decisões fáceis para Romney. 


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog