02
Jul 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:09link do post | comentar

A decisão jurídica do Supremo Tribunal sobre a lei da saúde de Obama terá, como é óbvio, consequências políticas nesta campanha eleitoral. Não há forma de dar a volta: foi uma vitória de Barack Obama, que viu confirmada a constitucionalidade da lei que muitos apontam como a principal causa da derrota eleitoral que o Partido Democrata obteve em 2010. Nos últimos meses os republicanos estiveram silenciosos sobre a lei, mas agora o assunto voltou para a primeira página da campanha eleitoral. Uma decisão em sentido contrário teria sido sempre mais penosa para o Presidente, mas isso não significa que não terá problemas. A base republicana uniu-se em redor de Mitt Romney, pois agora apenas uma vitória sua possibilitará a revogação da lei. Por outro lado, Mitt Romney tem vindo a encher os cofres de doações (só nas 24 horas seguintes angariou cerca de 4,2 milhões de dólares) e recebeu uma injecção de energia por parte dos eleitores republicanos. Essa é a principal vantagem que a sua candidatura receberá desta decisão. De resto, as implicações desta decisão resultarão, sobretudo do que as campanhas conseguirem fazer a partir desta decisão. Até ao momento Mitt Romney tem feito uma campanha assente na economia e não é previsível que altere a sua principal mensagem. Mas a lei da saúde, que permanece impopular, poderá ser utilizada para derrotar Obama aumentando a participação eleitoral da sua base. Um pouco como Obama utilizará as suas opções no casamento gay e imigração. Mas o Presidente, que, como disse anteriormente, obteve uma vitória política, poderá retirar também dividendos na campanha. Em 2010 nenhum democrata que votou favoravelmente a lei  da saúde a utilizou na campanha eleitoral e até ao momento, Obama também não o tem feito. Mas se a lei tornar-se menos impopular (e há sinais nesse sentido), Obama terá aqui uma janela de oportunidade para finalmente a usar de uma forma positiva. Como quase sempre na política norte-americana, ainda é cedo para dizer quem mais ganhará, em termos eleitorais, com esta decisão do SCOTUS, mas com os dados conhecidos atrevo-me a dizer que será Obama. Mas a procissão ainda vai no adro.


E outra coisa: há outras partes da reforma da saúde que são bastante populares. Além disso, Romney tem teto de vidro nessa discussão por causa do RomneyCare. Ele sabe que um debate direto contra Obama neste assunto pode aleija-lo profundamente. A unica estratégia para ele nessa eleição é a economia. Isso, se ela não melhorar.
Joao Felipe a 2 de Julho de 2012 às 22:33

Outra: Esses superpacs republicanos gastam milhões em ataques repetitivos contra Obama. Outro dia li que um deles vai voltar no assunto de Obama e seu ex-pastor racista. Uma perda de dinheiro. Penso se não seria melhor usar esses milhões para falar mais de Romney e suas credenciais, visando diminuir o número de eleitores que lhe tem visão desfavorável .
Joao Felipe a 2 de Julho de 2012 às 22:39

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog