21
Jun 12
publicado por Alexandre Burmester, às 15:41link do post | comentar

"Fast and what?", perguntarão muitos ao ler o título deste apontamento. De facto, os media não têm prestado grande atenção a este potencial escândalo que tem vindo a germinar em Washington, mas as coisas poderão estar para mudar brevemente.

 

Resumidamente, a Fast and Furious foi uma operação levada a cabo pelo FBI envolvendo a autorização de venda ilícita de armas a narco-traficantes mexicanos, com o objectivo de apanhá-los, digamos, com a boca na botija. Mas a coisa correu mal, perdeu-se o rasto às armas e até já um guarda fronteiriço americano foi morto por uma dessas armas.

 

A Câmara dos Representantes está a tentar investigar o assunto,  através da Comissão de Supervisão e Reforma Governamental, tendo esta solicitado ao Procurador-Geral Eric Holder que lhe facultasse determinados documentos relativos ao caso. Como a resposta de Holder foi negativa, a Comissão declarou que o Procurador-Geral está a incorrer em desobediência à Câmara. Entretanto, o Presidente Obama invocou o "privilégio executivo" a fim de evitar que a documentação seja fornecida à Comissão.

 

E é aqui que "a porca torce o rabo". De facto, embora o privilégio executivo tenha sido usado com regularidade no passado (George W. Bush, por exemplo, invocou-o seis vezes e Bill Clinton catorze), embora nem sempre ratificado em tribunal, a expressão adquiriu contornos negativos desde a sua invocação pelo Presidente Nixon durante as investigações do Congresso acerca do Caso Watergate.

 

Desde o Watergate, de facto, cada vez que um presidente invoca o privilégio executivo, o público e os seus opositores (e, por vezes, também alguns seus correligionários) tendem a indagar-se em que será que a matéria que a Casa Branca se recusa a revelar a poderá prejudicar mais que a recusa em si mesma.

 

Barack Obama é aqui também apanhado numa contradição, pois em 2007, enquanto Senador, criticou o Presidente Bush por este ter utilizado a sua autoridade executiva para impedir o seu conselheiro Karl Rove de depôr perante o Congresso.

 

O caso poderá crescer de importância, até porque estamos em ano de eleições.

 

A seguir. 


A operação «F & F» foi da ATF, não do FBI.
Octávio dos Santos a 21 de Junho de 2012 às 19:33

Tem toda a razão, meu caro. I stand corrected! Mas como o ATF está tembém dependente do Departamento de Justiça, eu confundi. Apesar de tudo, um pormenor nesta história. Mas agradeço a sua correcção.

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog