06
Abr 12
publicado por Alexandre Burmester, às 23:36link do post | comentar

O conhecido comentador Dick Morris levantou esta semana uma interessante questão relativamente aos confrontos hipotéticos, nas sondagens, entre o Presidente Obama e o presumível candidato republicano Mitt Romney.

 

Em primeiro lugar, diz Morris - e todos os especialistas em matéria de sondagens concordam com isto - a maior parte dos estudos de opinião que colocam Obama e Romney frente a frente em Novembro fazem-no com base em eleitores recenseados, um modo mais barato mas mais falível de auscultar a opinião pública. Morris refere seguidamente as sondagens da Rasmussen, sempre baseadas em votantes prováveis, o que traz mais rigor ao estudo.

 

De acordo com as referidas sondagens da Rasmussen, Obama e Romney andam a par-e-par há já algum tempo- nos últimos dias têm oscilado entre os 46% e os 45% de intenções de voto, ora para um, ora para o outro.

 

Os números atrás referidos significariam que haveria 9% de indecisos. Dick Morris fez um levantamento exaustivo sobre o modo como se comportaram os indecisos na hora de votarem, quando está na liça um presidente que se recandidata, desde as eleições de 1964, e concluiu que 80% deles tendem a votar no opositor ao presidente. Vai daí, refere que, a repetir-se tal facto, dos actuais 9% de indecisos, uns 7% votariam Romney, o que significaria que, na realidade, uma sondagem que dá Obama 46% - Romney 45% dá a Romney uma vantagem de 52%/48%.

 

Não é Dick Morris o primeiro especialista destas matérias a referir o modo como os indecisos acabam por comportar-se, mas a sua análise é neste momento muito oportuna e interessante. Isto além de outros estudos que dizem que um presidente que sistematicamente fica aquém dos 50% nas sondagens é, regra geral, um presidente condenado à derrota.


Bom texto. Os republicanos têm que ganhar mais votos femininos dos subúrbios dos estados indecisos, creio eu. Obama revelou-se um presidente fraco, mas a verdade é que é um excelente candidato em campanha.
Miguel Direito a 8 de Abril de 2012 às 10:52

Discordo. Segundo o site real clear politics, Bush tinha média de 48,9% nas pesquisas, mesmo assim venceu. Me parece que o jornalista não percebeu que desde Clinton a polarização política cresceu nos EUA, ajudando a equilibrar as pesquisas.
Joao felipe a 11 de Abril de 2012 às 05:06

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog