07
Mar 12
publicado por Nuno Gouveia, às 01:24link do post | comentar

Nestas primárias os democratas têm sabido retirar proveito da natural divisão do eleitorado republicano. Por um lado temos assistido aos estrategas democratas (ainda agora Joe Trippi na Fox News) a destacarem os bons resultados de Rick Santorum (no Michigan até fizeram campanha por ele) e a colocarem em evidência que Romney não consegue "fechar" a nomeação.

 

Por outro lado têm referido a grande vantagem financeira que Romney tem tido sobre os seus adversários, e nem por isso tem ganho em todo o lado. Como se tivessem esquecido que aconteceu o mesmo com Barack Obama em 2008 a partir da super terça-feira, quando investia muito mais do que Hillary nas primárias (muitas vezes de 4-1) e nem assim conseguia a nomeação.

 

E depois há críticas que não fazem muito sentido. Há pouco ouvi um democrata afirmar que Romney terá dificuldades no Sul nas eleições gerais, pois quer Santorum ou Gingrich têm vencido lá as primárias. Ora, qualquer candidato republicano irá vencer no Sul, pois do outro lado estará Obama. A união do partido pós nomeação não me parece preocupante. Como não foi em 2008 com o Partido Democrata, depois da luta acesa entre Hillary e Obama. Mais preocupante para Romney até é a dificuldade que tem sentido no Midwest, zona decisiva para as eleições gerais. Até ao momento perdeu no Iowa, Minnesota e Missouri (apesar de não contar para nada) e apenas venceu no Michigan. Talvez hoje ganhe no Ohio.

 

Por fim, um aspecto que os democratas têm destacado, e este parece-me certeiro: esta campanha republicana esta a desgastar Mitt Romney, bem mais do que sucedeu com Hillary e Obama. Porque ao contrário de há quatro anos no Partido Democrata, que foi uma campanha mais de personalidades, esta luta está a ser bastante ideológica, o que tem encostado o GOP demasiado a direita. E por isso, quanto mais longa for a campanha das primárias, maior dificuldade terá o nomeado em virar o discurso ao centro, e direccionar as suas atenções para o eleitorado independente. 


sr. Nuno Gouveia,

você nos outros blogs (31 da armada e cachimbo de magritte) também criticava Sócrates por vender magalhães ao chavez mas nunca o vi a criticar portas por fazer o mesmo. Chamava a Sócrates de Kim il Sung por ganhar eleições internas com 97% e não faz o mesmo a Passos por ganhar com 95,5%. Portanto os democratas estão a fazer o mesmo que o senhor faz... haja coerência
observador a 7 de Março de 2012 às 11:01

Eu concordo com sua análise. Digo mais, não sei se Romney é tão fraco assim no Sul como parte da mídia tem afirmado. Em Oklahoma e Tenessee ele obteve cerca de 30 % dos votos, na frente de Gingrich (cuja base eleitoral é o próprio sul). Santorum foi apenas um pouco superior nesses estados (cerca de 35 % dos votos).

Além disso, Romney ganhou na Florida (o mais importante estado sulista na eleição geral), e na Virginia (onde, ainda que Gingrich e Santorum não estivessem concorrendo, parte significativa de seus partidários votou em Paul em protesto, conferindo a eleição um caráter Romney x Non Romney).

E no meio-oeste, Romney ganhou em Michigan e Ohio, com cerca de 40 % dos votos, e "empatou" em Iowa com Santorum.

Claramente, a base eleitoral de Romney é o Oeste e a Nova Inglaterra. No entanto, ele tem sido competitivo mesmo em situações mais adversas. Me parece que o que houve em Minessota, Missouri e Colorado foi um acidente de percurso.

Nehemias
Nehemias a 7 de Março de 2012 às 17:52

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog