20
Fev 12
publicado por Nuno Gouveia, às 23:25link do post | comentar

Arrisco a dizer-me que esta é a campanha presidencial americana mais instável da história. Nada menos do que cinco candidatos já lideraram as sondagens nacionais em certo período: Romney, Perry, Cain, Gingrich e Santorum. O único indicador constante é que Mitt Romney nunca se afundou e tem sido primeiro ou segundo das sondagens. Mas estes indicadores não deixam de evidenciar a fragilidade de Romney, que tem sido apontado por todos os analistas como principal, ou até talvez, o único candidato que pode vencer estas primárias. Poucos entres elites republicanas imaginam um dos outros candidatos a defrontar Barack Obama em Novembro. Ninguém deseja que se repita o cenário de 1964, quando Barry Goldwater foi cilindrado por Lyndon Johnson.

 

No próximo dia 28 Romney tem uma batalha decisiva para arrancar para a vitória. Caso não vença no Arizona e principalmente no Michigan, o seu estado natal, os alarmes vão soar em Washington entre as elites. Não por acaso, voltou a falar-se numa entrada tardia de um outro candidato. Não que seja um cenário muito credível, mas muito periogoso para Romney. Com o apoio do establishment, com muito mais dinheiro e recursos do que os seus adversários, Romney tem demonstrado uma incrível fragilidade. Está certo que se for o nomeado, esta corrida poderá ser esquecida, até porque Romney é muito mais um candidato de eleições gerais do que de primárias, onde os sectores mais conservadores têm um enorme peso. E está provado que ele não consegue atrair este eleitorado. Numas eleições contra Obama, este eleitorado irá certamente reunir-se em redor dele, até porque haverá o objectivo comum de derrotar Obama. No entanto, há alguns sinais positivos para ele. No Michigan, as recentes sondagens indicam uma ligeira recuperação, na imprensa conservadora começam a aparecer muitas histórias negativas para Santorum (o Drudge Report hoje destaca imensas) e talvez o poderio financeiro consiga arrancar uma vitória no Michigan, à semelhança do que sucedeu na Florida. Mas não tenhamos dúvidas: se Romney deseja ter hipóteses contra Obama, se chegar lá, precisa de ser um candidato muito mais eficaz. O que não tem acontecido. 

  


Mas aqui só se discutem sondagens e projecções?! É que para isso não faltam bases de dados espalhadas pela net. Ainda não consegui ler aqui nada que tenha a ver com debate político (bem sei que estas primárias do GOP parecem um circo, de tão anedóticos que são os candidatos, mas mesmo isso poderia ser aqui discutido). Parece-me muito pobre para um blogue de supostos especialistas com formação académica.
David a 21 de Fevereiro de 2012 às 02:49

Queria que discutissem o quê se são as primárias do GOP o maior acontecimento político a ocorrer por esta altura nos EUA?

Mas o que diz não é verdade, o que não falta neste blogue são histórias e pormenores da história política americana verdadeiramente entusiasmantes e sempre bem acompanhados da perspectiva do autor sobre o assunto.
FGomes a 21 de Fevereiro de 2012 às 14:42

É óbvio que eu me estava a referir a um debate político sobre as primárias do GOP. É que para além de sondagens, só vejo observações sobre coisas como o financiamento de cada candidato ou as respectivas facções de apoio, mas sem explicações adicionais sobre estes factos. Por que é que ninguém se aventurou, por exemplo, a tentar uma análise comparativa dos candidatos e dos seus programas no âmbito da lógica do partido? Ou a procurar as razões da notória uniformização e radicalização dos mesmos?
É verdade que o Alexandre Burmester por vezes nos relembra de episódios marcantes da história americana, mas mais ao jeito do “fait-divers”, pelo que a relevância dos mesmos para o debate actual se perde.
A minha observação prende-se com o facto de acreditar que os autores do blogue teriam capacidade para fazer mais do que ressoar a informação em bruto que por aí circula.
David a 21 de Fevereiro de 2012 às 18:25

O David não costuma ler o blogue. Mas não lhe levo a mal, pois só o lê quem quer. De resto, sinta-se à vontade para escrever os comentários que desejar. E se tiver um blogue seu, pode deixar aí o link.
Nuno Gouveia a 21 de Fevereiro de 2012 às 18:45

Não conheço o blogue há muito tempo e só o acompanho esporadicamente (lendo várias das entradas de cada vez). Mantenho que não encontro aqui nenhuma análise política de fundo, mas apenas um apanhado de factos e uma selecção de curiosidades históricas. Não ponho em causa o interesse (caso contrário não vinha aqui), mas limitarem-se a observações gerais sobre o posicionamento ideológico de cada um dos candidatos e focarem-se nos números e nas performances públicas parece-me um pouco inconsequente. Talvez isto se deva ao facto de se recusarem a admitir e a analisar a penúria em que se tornou o GOP, mas então a vossa estratégia só evidencia o quanto estas primárias só em aparência poderem ser consideradas um acontecimento político. Não tenho blogue, mas se a sua observação se prende com a minha identidade, não tenho problemas em revelar os meus sobrenomes.
David Rodrigues Dias a 21 de Fevereiro de 2012 às 19:40

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog