14
Fev 12
publicado por Alexandre Burmester, às 09:00link do post | comentar

 

 

Uma convenção negociada ("brokered convention") é a expressão utilizada na política dos E.U.A. para descrever uma situação em que nenhum candidato consegue uma maioria dos delegados obtidos nas primárias e "caucuses" e, consequentemente, não consegue obter uma maioria de votos no primeiro escrutínio da convenção, mesmo contando os votos dos "superdelegados" (não escolhidos nas primárias e "caucuses").

 

Tal situação tornou-se rara a partir da "democratização" do processo de selecção nos anos '70, com um maior predomínio dos delegados escolhidos em primárias sobre as máquinas partidárias. De facto, é preciso recuar-se a 1952 (Partido Democrático com Adlai Stevenson) e a 1948 (Partido Republicano com Thomas Dewey) para encontrarmos convenções decididas desse modo, embora a Convenção Democrática de 1968, que escolheu o Vice-Presidente Hubert Humphrey como candidato, o qual não disputara qualquer primária, possa aproximar-se desse modelo.

 

Vem isto a propósito da Convenção Republicana deste ano, na qual, dada a situação actual da "recolha" de delegados, é possível voltar-se aos famosos tempos, já não das "salas cheias de fumo", devido às normas anti-tabagistas, mas, pelo menos, dos bastidores da intriga e da dura negociação.

 

Nos cenários históricos das "brokered conventions" ou um dos candidatos - não necessariamente aquele que originalmente mais apoio tinha - era escolhido, ou então surgia um "dark horse", alguém inesperado, para assumir a candidatura partidária à Casa Branca.

 

Não é ainda claro nem expectável que a Convenção Republicana de 2012 venha a preencher esse cenário, mas num ano eleitoral tão imprevisível como este tem sido, nada é de excluir.


Quem quiser ver um exemplo fictício de uma brokered convention basta assistir ao excelente episódio "2162 Votes" da magnífica série The West Wing, a melhor série política alguma vez feita.
HCarvalho a 14 de Fevereiro de 2012 às 11:27

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog