04
Fev 12
publicado por Nuno Gouveia, às 22:56link do post | comentar

Cinco eleições e três vitórias. Um segundo lugar que valeu por uma vitória e uma derrota estrondosa. Este é o saldo até ao momento de Mitt Romney. Se não conhecesse o sistema eleitoral americano, diria que ainda faltam 45 estados votarem nestas primárias. Mas a realidade é bem diferente. Com a vitória de hoje no Nevada (só mais tarde haverá resultados finais), Romney fortalece o seu favoritismo para ser nomeado em Tampa no próximo Verão. Se as restantes eleições durante o mês de Fevereiro tiverem todas o mesmo desfecho - e esse é o cenário mais previsível - Romney poderá fechar a questão na super terça-feira em Março. Apesar das juras de Santorum e especialmente de Gingrich que vão competir até ao final destas primárias, será difícil terem o dinheiro para continuarem na corrida depois de Março. 

 

PS: Entretanto, Newt Gingrich convocou uma conferência de imprensa para esta noite. Correm rumores que poderá anunciar o abandono da corrida. Se tal se confirmar (o que me parece improvável nesta fase), Rick Santorum será o grande beneficiado. 


Caro Nuno,

podia-me explicar uns aspectos no sistema dos E.U.A.
1º Quem é o lider da oposição?
2º Como é possivel que um país tão populoso só se reveja em 2 partidos?
3º É possivel que o candidato com menos votos vença as presidenciais?
André a 5 de Fevereiro de 2012 às 13:25

1- os partidos americanos não têm propriamente líderes, até porque não existe uma estrutura rígida como noutros países. normalmente considera-se que os eleitos nos cargos mais relevantes serão os "líderes". Barack Obama, como presidente, é o líder dos democratas (como sempre sucede quando um partido ocupa a Casa Branca). John Boehner será o "líder dos republicanos", embora isso na prática não seja bem assim

2- Tem a ver com a longa tradição do sistema político americano do bipartidarismo.

3-Sim. Aconteceu com Bush em 2000 e ainda em 1876 e 1888.
Nuno Gouveia a 5 de Fevereiro de 2012 às 21:37

A respeito dos dois partidos, mais algumas razões que podem contribuir para isso:

- o sistema eleitoral (em que ganha o candidato mais votado em cada circulo, mesmo sem maioria) contribui para que não consigam aparecer mais partidos com representação (o "voto útil", mas ainda com mais motivação que em Portugal)

-a combinação disso com um sistema presidencial ainda reforça o sistema - se num sistema parlamentarista, as eleições maioritárias a uma volta ainda podem produzir uma situação em que há fortes partidos regionais (como no Canadá ou no Reino Unido), num sistema presidencial, em que o governo nacional fica para quem tiver mais votos a nível nacional, os partidos regionais não têm grande espaço, a menos que formem um "frente unida" nas eleições nacionais (e, de certa forma, durante muito tempo o Partido Democrático poderia ser considerado quase como uma federação de partidos regionais, bastante diferente de zona para zona)

- de certa maneira, o sistema partidária americano acaba por ser parecido com o francês; à primeira vista, não tem nada a ver - a França tem um carrada de partidos, e estão sempre com cisões e fusões; mas em França as eleições são a duas voltas, e em 99% dos casos na segunda volta forma-se o "cartel das esquerdas" e o "cartel das direitas", cada qual a apoiar o seu candidato. Nos EUA, no fundo é a mesma coisa, com as primárias a funcionarem como a "primeira volta", onde as diversas sensibilidades de cada área escolhem o seu candidato comum

Explicando melhor o que eu queria dizer no último ponto - nos EUA é, ao mesmo tempo, muito dificil criar um 3º partido (devido ao sistema maioritário a uma volta e ao presidencialismo) e relativamente fácil "tomar" um partido por dentro (devido às primárias); logo, mesmo que alguém que tenha ideias diferentes de das representados pelos 2 grande partidos, acaba por ser mais simples registar-se naquele que está mais perto e lá dentro tentar levá-lo para a direção que quer do que criar um novo partido.
Miguel Madeira a 5 de Fevereiro de 2012 às 23:08

Quem quisesse fazer de advogado do Diabo poderia dizer algo como:

«Mitt "o frontrunner" Romney ganha em menos condados e se calhar com menos percentagem do que Mitt "um candidato entre vários" Romney ganhou em 2008»
Miguel Madeira a 5 de Fevereiro de 2012 às 18:28

Na verdade, em 2008 ninguém competiu no Nevada, pois calhou no mesmo dia que as primárias da Carolina do Sul. Apenas Mitt Romney dedicou recursos e fez campanha lá em 2008. Ah, e Ron Paul, claro. Mas ainda só estão contados 48% dos votos. Já se sabe como ficaram os condados?

Penso que o único condado que ainda está a ser contado é o Clark County (Las Vegas)

http://elections.nytimes.com/2012/primaries/states/nevada

(tirando esse e mais outro, aqui também é tudo coisas que nem chega a mil pessoas)

Pois. Sendo assim, Romney terá perdido três condados. Um com 19 votos contra 20 de Ron Paul e outro com 37 votos contra 39 de Newt Gingrich :)

O mais significativo, e preocupante para o GOP, até me parece o facto de ter votado menos gente do que em 2008.
Nuno Gouveia a 5 de Fevereiro de 2012 às 23:05

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog