28
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 17:05link do post | comentar | ver comentários (5)
</p>

 

Polémica à vista? Bob Woodward não é um jornalista qualquer. Juntamente com Carl Bernstein, foi um dos principais responsáveis pela queda de Richard Nixon em 1974. Esta acusação pública teria efeitos devastadores se o Presidente fosse outro. Sendo assim, não sei se dará grande escândalo. Mas é um sinal claro que "politics as usual" continua a dominar a Casa Branca. Como sempre, com este ou outro Presidente. 

tags: ,

17
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 11:17link do post | comentar | ver comentários (4)

 

Não foi durante a Administração Obama que eles começaram a ser utilizados, mas esse será um dos seus legados quando daqui a décadas se falar no nome do actual Presidente. Utilizados inicialmente apenas para eliminar alvos terroristas no estrangeiro, o seu uso tem-se intensificado a outros sectores (na perseguição de criminosos ou na vigilância, por exemplo). No ano passado foi tornado público que o Presidente Obama mandou matar mais de 100 terroristas da Al Qaeda através do recurso aos Drones, incluindo dois cidadãos americanos que viviam no Iémen. E apesar de nas últimas semanas ter havido um debate sobre o tema, porque será que esta questão nunca suscitou grande polémica nos Estados Unidos, sobretudo nas facções mais liberais e de defesa dos direitos humanos? Está certo, a ACLU tem criticado a utilização de Drones na vigilância de cidadãos americanos, mas a esmagadora maioria das organizações ligadas ao Partido Democrata têm estado em silêncio, quando sabe-se que se estivesse no poder uma Administração Republicana este assunto seria alvo de critica violenta por parte deles. Ao mesmo tempo, os republicanos são genericamente apoiantes. Dick Cheney disse esta semana que a eliminação de terroristas por Drones é um bom programa e, em regra, os republicanos têm estado de acordo com as políticas do Presidente nesta matéria. Resultado deste consenso? No futuro os Drones serão uma realidade massificada, e o seu uso vai alargar-se a outras áreas. Obama, com o beneplácito dos republicanos e apoio dos democratas, institucionalizou a utilização de Drones para qualquer utilidade que lhe possam dar. Se isso será positivo ou negativo, o futuro o dirá. 


14
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 10:07link do post | comentar

Marco Rubio, que marcou lugar nos programas de humor americanos na próxima semana, não perdeu tempo!


12
Fev 13
publicado por José Gomes André, às 17:54link do post | comentar

Esta noite, às 21h (2h em Portugal), Barack Obama realizará perante uma sessão conjunta do Congresso o seu "Discurso sobre o Estado da União". Mais do que um mero requisito constitucional, esta é uma tradição fundamental da vida política americana, utilizada pelo Presidente para descrever o ambiente político actual e influenciar decisões futuras do Congresso, traçando as grandes metas legislativas dos meses seguintes.

 

Derivado do precedente britânico (o monarca discursava na sessão de abertura do Parlamento), este procedimento foi seguido à risca desde a entrada em vigor da Constituição, cuja secção 3ª do Artigo 2º determina: "O Presidente deverá, de tempos a tempos ["from time to time"], prestar ao Congresso informações sobre o Estado da União e submeter à sua consideração as medidas que julgue necessárias e convenientes". O objectivo desta disposição era atribuir ao chefe do Executivo a possibilidade de condicionar a agenda legislativa do Congresso, entendendo os Pais Fundadores americanos que o Presidente tinha um papel muito limitado neste domínio (a história alteraria essa situação).

 

Curiosamente, como vemos, o articulado constitucional não se refere a uma comunicação "anual", mas meramente periódica. Como em tantas outras questões formais, a prática seguida pelo Presidente George Washington (um discurso anual) criou um sólido precedente, ainda hoje respeitado. Todavia, ao contrário do primeiro Presidente americano, muitos foram os chefes do executivo que optaram por transmitir ao Congresso uma declaração escrita e não um discurso oral (desde Jefferson a William H. Taft). Já no século XX, Woodrow Wilson reinstaurou esta última tradição, seguida (com raras excepções) por todos os Presidentes até aos nossos dias.

 

Um dos acontecimentos políticos mais vistos e comentados nos EUA, este momento solene está também repleto de curiosidades. Uma das mais interessantes refere-se à necessidade de designar um membro da Administração para não estar presente na sessão (ficando em local desconhecido). Devido à (rara) aparição conjunta de várias figuras de topo da hierarquia federal, garante-se assim que, em caso de um atentado ou acidente, um dos membros do governo federal sobrevive a essa tragédia, impedindo que o país ficasse sem uma chefia legalmente reconhecida.


[republicado]


09
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 12:07link do post | comentar | ver comentários (3)

 

A elevação ao Olimpo é uma das armadilhas que os media americanos habitualmente montam aos políticos jovens e carismáticos. Uns têm a sorte de a utilizar em seu favor, outros ficam inebriados pela áurea que envolve este tipo de endeusamento, e mais tarde ou mais cedo, acabam ser cair nela. A capa da Time desta semana é um exemplo disso. Marco Rubio parece perceber os perigos desta quase "divinização" e apressou-se a demonstrar o seu desconforto em público, ao afirmar no Twitter que não é salvador nenhum. Mas não tenho dúvidas: Marco Rubio é o republicano mais interessante do momento. O influente Ed Gillespie considerou-o o melhor comunicador do Partido Republicano desde Ronald Reagan, e também esta semana, Rubio foi escolhido para dar a resposta oficial ao discurso de Barack Obama sobre o Estado da União. E apesar de estarmos ainda a três anos dos caucuses do Iowa, os seus passos dos últimos tempos têm fornecido importantes pistas que já terá em mente as eleições presidenciais de 2016.

 

A sua história de vida tem tudo para gerar empatia no povo americano: filho de imigrantes cubanos, o pai empregado de restaurante, a mãe, empregada de hotel, estudou na Universidade de Miami e cedo começou a destacar-se na política local. Chegou a Speaker da Câmara dos Representantes da Flórida aos 35 anos, sob o patrocínio de Jeb Bush, na época governador do estado. Em 2009 avançou para a conquista da nomeação para o Senado contra o então poderoso e popular governador do seu partido. Cedo reuniu apoios dos sectores mais conservadores, mas ao contrário de outros candidatos apoiados pelo tea party, também de algumas personalidades do establishment, como Karl Rove ou Mitt Romney. Demorou pouco tempo até começar a subir nas sondagens, que tornou inviável a candidatura do adversário, que saiu do partido e candidatou-se como independente. Mais tarde, Rubio foi facilmente eleito senador.

 

Mas a vitória nas eleições para o Senado foi apenas o inicio de uma história, até ao momento, de grande sucesso. Após a dura derrota do GOP em Novembro, é já considerado por muitos como líder do Partido Republicano. Tem-se dedicado a construir uma máquina política através do seu gabinete no Senado, tem feito pontes com diversos republicanos e até democratas, e é já uma das vozes mais relevantes no debate político. Utilizando o seu capital político nas hostes conservadores, tem liderado o debate sobre a reforma da imigração, assumindo o papel de porta voz da mudança do GOP nesta matéria. Será que o carisma, a oratória e a telegenia de Rubio o colocam desde já como favorito para a nomeação de 2016? Se as eleições fossem daqui a um ano, talvez respondesse afirmativamente. Mas em política três anos é uma eternidade e muito ainda pode acontecer. Mas este é o republicano a seguir com muita atenção nos próximos anos. 


02
Fev 13
publicado por Nuno Gouveia, às 12:47link do post | comentar

O Bernardo Pires de Lima certeiro no DN sobre o debate da imigração

 

Costuma-se dizer que qualquer norte-americano descende de imigrantes, herança cultural que torna a reforma da lei de imigração politicamente incontornável. Mas a razão porque ela voltou ao topo da agenda é outra. Dia 6 de novembro de 2012 o partido republicano bateu no fundo na captação do voto latino: Obama bateu Romney por 71%-27%, fator determinante para a derrota. O GOP tinha radicalizado o discurso sobre imigração (até contra George W. Bush) e nem conseguiu apontar o dedo à promessa não cumprida de Obama sobre flexibilização legislativa. A queda sustentada do eleitorado latino - Bush em 2004 (40%) e McCain em 2008 (31%) - provou ser impossível continuar a confiar cegamente no eleitorado branco (72% do total).


Revelou ainda que um candidato republicano com intenções de ganhar as presidenciais tem de construir soluções para a imigração que sejam próximas do consenso bipartidário e das múltiplas sensibilidades do Congresso. Foi isto que na noite eleitoral ficou claro na cabeça do senador republicano, Marco Rubio, um dos filhos da imigração cubana na Florida e estrela em ascensão para 2016. Rubio percebeu que não podia esperar pela iniciativa de Obama e que tinha de ser ele a liderar o debate no partido. Rubio sabe que a reforma legislativa será longa e debatida sem tréguas, que assentará no reforço do controlo da fronteira com o México e no cardápio de regras que um imigrante ilegal tem de alcançar para ter visto de residência e cidadania (desde a aprendizagem do inglês ao sucesso universitário).


Os 11 milhões de imigrantes ilegais são um problema social, político e cultural para os EUA. Mas são também um dos maiores desafios para democratas e republicanos: os dois vão poder mostrar quem percebeu as eleições, a demografia nacional, a segurança interna, o rigor da contratualização laboral, a própria herança cultural do país. Marco Rubio é o camisola amarela.


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds