31
Jul 11
publicado por Nuno Gouveia, às 20:07link do post | comentar

As notícias que chegam dos Estados Unidos é que ambos os partidos terão chegado a acordo para aumentar o limite do endividamento. Como sempre acreditei que fatalmente aconteceria. Ainda se acertam agulhas de parte a parte, mas o acordo, segundo o que é relatado, não deverá ficar longe disto: aumento do limite do endividamento até depois das eleições de 2012, cortes imediatos na ordem dos mil biliões, a criação de uma comissão para cortar 1,8 mil biliões até Novembro e nenhum aumento de impostos. Grande vitória dos republicanos? Not so fast. 

 

Apesar de isto ainda não ter terminado, parece-me que para a opinião pública haverá dois grandes perdedores: Barack Obama, que não demonstrou capacidade de liderança neste processo, e ainda viu o seu grande argumento, o aumento dos impostos para os mais ricos, ficar de fora do acordo final. Não por acaso, ontem Obama atingiu o nível mais baixo de popularidade na sua presidência, na sondagem da Gallup, com apenas 40 por cento. Mas há outro grande derrotado: o Tea Party, que emergiu neste processo aos olhos de muitos independentes como uma força radical e incapaz de celebrar compromissos, essenciais na arte da governação. Quando nomes como Allen West, Mike Pence ou Paul Ryan (quem conhece estes nomes saberá que são do mais conservador que o GOP tem) são atacados pela direita por serem demasiado "lefties", está tudo dito. Por outro lado, há aqui um aspecto positivo para o GOP: pela primeira vez o establisment e muita imprensa conservadora saiu a público para criticar este radicalismo. John McCain, Bill Kristol, o Wall Street Journal e Bill O´Reilly foram alguns dos que criticaram violentamente o movimento. Isto é um sinal do que aí vem nas primárias republicanas do próximo ano, mas talvez seja um bom indicador contra o radicalismo protagonizado por Bachmann ou Palin. E, afinal de contas, na proposta de John Boehner que gerou tanta dificuldade para ser aprovada, apenas 22 congressistas votaram contra.

 

Diria que numa situação normal os republicanos seriam os grandes vencedores desta negociata. E até temos a ala esquerda do Partido Democrata verdadeiramente furiosa com os termos do acordo. O pior para o GOP é que toda esta confusão que o Tea Party incutiu nas negociações acaou por lhe retirar algum espaço de manobra. Até conquistaram praticamente tudo o que poderiam realmente almejar: não teremos aumento de impostos e haverá severos cortes na despesa. Por outro lado, mal ou bem, nenhum dos candidatos republicanos se imiscuiu nisto (a excepão terá sido Bachmann, que luta pelo apoio dos tea partiers), e até podem sair beneficiados, porque Obama ficou muito mal na fotografia e o trabalho deles passa sobretudo pela crítica ao Presidente. Mas esperemos até ao fim do Verão para verificar se este acordo impele transformações radicais na percepção que os americanos têm dos seus representantes


Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog