26
Jul 11
publicado por Nuno Gouveia, às 17:06link do post | comentar

Barack Obama fez uma comunicação ao país ontem à noite (a quarta desde o inicio da crise) sobre o aumento do limite do endividamento. Sem acrescentar grande conteúdo ao que tinha dito anteriormente, esta intervenção não disfarçou algo que tem sido evidente nestes últimos dias: Obama foi colocado à margem das negociações. Antes de Obama ter falado ao país, com direito a réplica imediatamente a seguir de John Boehner*, ambos os líderes do Congresso, Harry Reid pelo Senado e John Boehner pela Câmara dos Representantes, tinham apresentado publicamente um plano para aumentar o limite. Ao que parece, Obama discorda dos dois planos, pois nenhum inclui um aumento de impostos, algo que o Presidente defendeu apaixonadamente na sua intervenção. Segundo o que se percebe, a situação irá resolver-se entre as ideias de Reid e Boehner. A grande discussão neste momento é se o limite do endividamento aumenta até depois das eleições presidenciais (a vontade dos democratas e Obama) ou se há novo voto no próximo ano (o desejo dos republicanos).

 

Esta discussão toda mostrou que Obama, até ao momento, nunca conseguiu liderar a discussão neste problema, falhando inclusivé a apresentar um plano detalhado com a sua assinatura. Com os seus indices de popularidade a descer abruptamente deste o inico desta crise, Obama tentou com a sua comunicação de ontem recuperar a opinião pública para o seu lado. Mas se, como se prevê, o acordo entre os dois partidos não tiver um aumento de impostos imediato, Obama sairá perdedor. Mas, como sempre defendi, acredito que até ao final da semana se chegue a um acordo e, depois, veremos quem mais ganhou nesta discussão.

 

*Para se ver a gravidade do momento, esta foi a primeira vez desde 2007, exceptuando os discursos do Estado da União, que o Presidente teve uma resposta imediata em prime-time de um líder republicano. A última vez tinha sido quando Bush anunciou a "surge" no Iraque.


What a country!
Na minha ignorância (assumida!) do super deficit americano e da facilidade com que imprimem moeda a esmo, questiono-me sobre a desregulação global dos mercados.Sou pelas regras simples de merceeiro(compra-se se se tem dinheiro), com excepção das chamadas "dívidas virtuosas".
A fanfarronice geral americana assenta também nessa impunidade económica que os chineses seguram por conveniência própria.Até quando?
Renda de Bilros a 27 de Julho de 2011 às 12:01

Realmente
Estes americanos, tal como nós os pelintrões portugueses querem continuar a viver à grande como se amanhã não houvesse futuro. Isto vai acabar em breve termo e depois é que quero ver como é.
o meu viver é triste a 27 de Julho de 2011 às 13:22

Isto não é o Facebook,portanto não sei porque é triste o seu viver,nem é da minha conta.Se é por causa da situação económica internacional,estamos todos no mesmo barco.Quanto ao problema Americano só me interessa porque se pode repercurtir na Europa,o nosso canto,a partir daí é com os Americanos cavarem ou não a sua própria sepultura económica.Estivae lá uns tempos largos e aquela gente tem uma mentalidade muito diferente da nossa,são muito democratas numas coisas e terrívelmente conservadores noutras.Têm um bocado a mania da superioridade,mas isso advem da sua incultura. Têm só favor deles uma economia forte que consegue regenerar-se...Será que vai acontecer isso outra vez???Teem os Chineses "á perna" e com os Oreintais não se brinca!São considerações de uma leiga no assunto!perdoem-me portanto se disse alguma incongroência.Boa sorte!
Dona Urraca a 27 de Julho de 2011 às 15:25

É o que vai acontecer por cá ao RABBIT OBAMA
mario figueiredo martins a 27 de Julho de 2011 às 17:19

cá onde?
c a 27 de Julho de 2011 às 21:15

Peço imensa desculpa, mas não é Rabbit Obama, mas sim Steps Rabbit
O canastrÃO a 28 de Julho de 2011 às 01:59

O Presidente Obama não foi "ultrapassado" pelos acontecimentos. Está, sim, desde a sua tomada de posse, a ser selvática (e alarvemente) torpedeado e boicotado pela ala mais direitista dos republicanos, dos "neocons" (leiam à francesa, que é mais explícito) a grupos de autênticos fascistóides, que se fartam de falar em "patriotismo", mas a quem a única coisa coisa que interessa é a defesa dos seus próprios negócios (e negociatas) e dos seus (seus, deles) riquíssimos patrões: para o que não hesitam em recorrer aos métodos mais condenáveis, ou mesmo de pura parvoíce - como propalarem que o Obama não era americano, porque não tinha nascido nos USA e recorrerem a outros argumentos cuja estupidez só é aceite pelo fanatismo dos seus seguidores. Vejam os programas do Jon Stewart ou o último filme do Moore (os anteriores também ajudam), para entenderem melhor como a "pseudo-democracia" americana funciona... a favor dos banqueiros, especuladores, donos de empresas de petróleo ou de armamento, etc.
Mas não falem em "Obama ultrapassado pelos acontecimentos", porque é pura burrice (neste caso, do jornalista, o que não me admira, dada a enorme ignorância, incultura e analfabetismo funcional da maioria dos actuais jornalistas - os que restam não chegam para colocar de novo o jornalismo no patamar de qualidade - em geral - onde já esteve, em tempos cada vez mais recuados).
Paulo Rato a 27 de Julho de 2011 às 22:05

concordo em pleno com o que escreveu o Sr.Paulo.
Maria de Portugal a 27 de Julho de 2011 às 22:27

Tantos insultos e nenhum argumento?
Nuno Gouveia a 27 de Julho de 2011 às 23:56

Tamanho erro de análise dá que pensar sobre a eventual qualidade de outros textos.
É que é precisamente o Obama que tem a batuta. Tinha a possibilidade de avançar unilateralmente com o aumento do limite de endividamento, mas não o fez. Preferiu pôr Democrtas e Republicanos a negociar um acordo. E não é o Obama que quer aumento de impostos. Ele pretende um acordo de médio prazo na redução do deficit, que isso sim levará a um aumento de impostos para as classes mais abastadas. Todos os relatórios apontam para que a classe média americana tenha rendimentos estáveis enquanto que os dos mais ricos não param de subir principalmente nas ultimas décadas Estranho que o autor do artigo não tenha mencioanado que o ex-presidente Regan tenha aumentado o limite de endividamento 18 vezes e que os maiores credores são a China com 1,3 Triliões de dólares e o Japão com mais 900 biliões.
Mais ainda, o Obama não rejeitou os planos, nem mesmo o do "Gang dos seis", só disse que eles eram pouco ambiciosos. O problema é que o Boehner tem à volta dele uma camada de inflexíveis e velhos caducos, que gostam tanto do seu umbigo, que o pressionam. O Obama avisou sobre o perigos de não se chegar a acordo. E pelo que já aconteceu desde 2ª feira, ele é que tem razão.

Bem hajam,
Pedro Franco a 27 de Julho de 2011 às 23:54

Como sabe, ou deveria saber, o aumento do limite do endividamento é um procedimento que cabe ao Congresso aprovar. E foi dessa forma que o aumento do endividamento foi aprovado no passado diversas vezes. Incluindo em 2006, quando Barack Obama, Harry Reid e Joe Biden votaram contra. Se alguns agora defendem que ele pode invocar a 14ª Emenda para o fazer, é uma questão polémica. Mas dizer que o Presidente poderia unilateralmente avançar é pura ignorância, que, veja lá, nenhum Democrata se lembrou disso.

Gosto sempre de ler estas análises simplistas que se vão fazendo por aí. Uns são os bons (democratas) e outros os maus (republicanos). É demasiado simplista para quem tenta observar de forma séria os acontecimentos. No fundo, é uma visão idêntica aos extremistas.

Naturalmente que não escrevi nenhum tratado. Daí a ter feito "uma análise simplista" vai a curtíssima distância de mais uma interpretação errónea, de quem toma o que está escrito pelo que "acha" (mas só acha...) que está implícito... Algo que é muito mais comum que uma (não "a", que é coisa que também não existe) interpretação correcta de um texto: exige uma quantidade de tempo e atenção de que o "ar dos tempos" se afasta cada vez mais e mais aceleradamente...
Sei que o Mundo é de enorme complexidade e não a preto e branco. Também sei que algumas características importantes e decisivas têm uma muito maior ocorrência em certos grupos do que noutros, em particular, quando se trata de política e ideologia.
E chega.
Se, as Academias, no que toca às Ciências Humanas, se limitam a perpetuar (com raras e honrosas excepções) as mesmas banalidades, repetidas até à exaustão pelos diversos tipos de "arautos de verdades absolutas" que atafulham o Orbe, não serei eu que terei a pretensão de me armar em "professor"... Nem pretensão, nem paciência...
Há por aí estudos, ensaios e tratados para todos os gostos e inteligências, mais ou menos específicas.
Aliás, até nestes comentários, diferenciados, há matéria para qualquer leitor pensar, tirar as suas próprias conclusões, intervir também. Não é a regra, mas já é bom e útil quando assim acontece. O que, infelizmente, é raro, como logo se apressa a demonstrar o "pseudo-comentário" que vem a seguir ao comentário sério em cuja sequência se insere a minha resposta: esse contém apenas a infinita dimensão do vazio...
Paulo Rato a 28 de Julho de 2011 às 05:43

Não aparecesse este blog na pag central do Sapo e eu nem me teria dado ao cuidado de tecer algumas considerações. Até porque quem pede argumentos contraditórios e depois não os refuta, e ainda por cima advoga-se da autoridade única de classificar qualquer opinião contraria, não deixa pano para mangas tal é a arrogância das convicções.
É certo que invocar a 14ª Emenda seria juridicamente discutível , mas advogar praticas anteriores, quando os Republicanos tinham maioria absoluta, para perpetuar esta pratica parece-me absurdo.
Mas vamos por partes:
- é ou não é verdade que o grande problema dos EUA é o seu endividamento?
- é ou não é verdade que foram os republicanos quem de longe mais contribuiu para esta situação?
- é ou não é verdade que os rendimentos das classes mais ricas têm crescido exponencialmente nos últimos anos?
- onde ir buscar dinheiro para diminuir o defice nas condições economicas actuais?
Neste contexto, concordo com a diferenciação feita entre bons e maus. Não que considere o Obama um líder forte, mas dadas as circunstâncias até nem se tem estado a portar mal. E para quem gostou de Bushes , Reagans e companhias, até devia ter orgulho em ter um Presidente como o Obama .
Anónimo a 28 de Julho de 2011 às 10:51

O que não percebo no seu comentário é que primeiro disse que Obama poderia aumentar unilateralmente o limite do endividamento. O que é obviamente falso. Para quem começa a criticar "erros de análise" com tamanha mentira... Além do mais, as práticas anteriores existem desde o inicio do século XX. E foi sendo aprovado por maiorias democratas e republicanas. Aliás, dado que os democratas tiveram o controlo do Congresso desde a década de 50 até 1994, apostaria que foram mais vezes os Democratas a aprova-lo. Mas isso não interessa para nada, pois a situação nunca foi tão grave como actualmente, onde se projecta que com este défice actual, os EUA entrarão na bancarrota na próxima década, se nada for feito. E daí estas conversações todas.

Um dos grandes problemas é certamente do endividamento, mas é falso que a responsabilidade seja maioritariamente dos republicanos. Neste momento a dívida é de 14 trilion, e Obama em três anos é responsável por 4 trilion, quase tanto como Bush nos seus oito anos, que foi um grande "gastador". No entanto, o principal problema americano são os programas federais, responsáveis pelas projecções catastróficas para o futuro próximos. A Segurança Social, o Medicare e o Medicaid terão necessidades de financiamento incomportáveis nos próximos anos.

E sou obrigado a voltar ao simplismo das análises, quando se diz que a culpa é de A ou de B. Percebo quando um partidário diz isso, mas a realidade é muito mais complexa. Fala de Reagan, mas se conhecer o sistema americano, sabe que o seu poder foi partilhado e na década de 80, Reagan nunca teve a maioria nas duas câmaras, pelo que teve sempre que negociar com os democratas. Portanto, muito dos orçamentos e medidas legislativas da década foram responsabilidade dos dois partidos. Tal como na década seguinte, quando Bill Clinton foi Presidente e o Congresso foi dominado pelos republicanos a partir de 1994.

A única forma de reduzir o défice é cortar na despesa de forma substancial. Mesmo que se aumente os impostos, como Obama sugeriu, o seu impacto na redução do défice seria mínimo. O que parece não perceber é que este problema só será resolvido depois de 2012. Até lá ambos os partidos estão a jogar à política. E nessas eleições os americanos decidem qual o caminho a seguir.
Nuno Gouveia a 28 de Julho de 2011 às 13:34

Obama é aquilo que sempre foi, uma fraude criada pelo marketing politico para fazer esquecer bush, iludindo tudo e todos, é uma mão cheia de nada, um bem falante, mas um enorme narcisista que só alguem muito distraído parece querer ignorar, sempre que fala , actua com soberba sempre do seu pedestal, é apenas uma questão de tempo, a verdade está a começar a aparecer e a América caminha para o abismo se continuar a seguir estas ideias vazias de obama.
luis tavares a 28 de Julho de 2011 às 00:17

Nós por cá fizemos e fazemos o mesmo, ou seja ao longo das ultimas décadas compramos sem ter dinheiro o banco tem emprestado e empresta para seu próprio interesse.

Os portugueses com salarios curtos para comprar casa, comprar o mobiliario, comprar carro, ir de frérias para o estrangeiro e outros gastos, não se aguentam os compromissos.

É por isso que estamos como estamos.
jose a 28 de Julho de 2011 às 12:03

Estás cheio de razão. Mas como diz o ditado "QUANDO O MAR BATE NA ROCHA QUEM SE F........ É O MEXILHÃO".
Leite Santos a 28 de Julho de 2011 às 15:13

Será que estamos em presença de duas verdades?
Mas isso é impossivel.
Ou são duas meias verdades cada e então compatibilizam-se naquilo em que cada uma não contradiz a outra ou só há uma verdade e sim duas práticas distintas para alcançar a mesma e só única verdade?
Teremos que dar tempo e oportunidade (meios, instrumentos, etc. ) a cada uma delas para se afirmarem alternadamente e ver qual delas alcança o melhor objectivo.
A isto se chama Denocracia, que não deve ser obstacularizada (lobies, interesses e negócios particulares) sem que enveredemos por caminhos ínvios e com graves prejuizos para o cidadão.
Viva Obama e tudo o que ele representa.
Desesperado a 28 de Julho de 2011 às 15:53

acho que o único -mas grande - perigo para a economia norte-americana é as Máquinas-de-fazer dinheiro griparem de um momento para o outro
truk a 28 de Julho de 2011 às 16:39

Em destaque
José Gomes André

Investigador de Filosofia Política, redigiu tese de doutoramento sobre James Madison. Autor de "Sistema Político e Eleitoral Norte-Americano: um Roteiro" (Esfera do Caos, 2008). Escreve também no Delito de Opinião.
ver perfil
ver posts
Nuno Gouveia

Autor de uma tese de mestrado sobre as eleições presidenciais americanas de 2008. Escreve também no 31 da Armada e Cachimbo de Magritte.
ver perfil
ver posts
Alexandre Burmester

Define-se como um "ávido seguidor amador" da política americana, que acompanha há mais de 40 anos. As suas habilitações académicas situam-se na área da Língua e Literatura Inglesas e foi quadro de uma multinacional canadiana
ver perfil
ver posts
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog